domingo, 29 de abril de 2012

COMO SURGIU O TRABALHO?



A Bíblia revela que o “trabalho” é um castigo divino que surgiu para punir Adão e Eva. Eles perderam o paraíso por terem cometido o “pecado” de comer o fruto da árvore da ciência (conhecimento) do bem e do mal (a Bíblia não cita a maçã).
Será que Deus retiraria proteção, alimento, moradia e atenção com a condição que ambos permanecessem na ignorância?

Será que Deus os expulsaria mesmo sabendo que ambos não sabiam discernir entre o bem e o mal, não tinham noção do que é certo ou errado, justo ou injusto, obedecer ou desobedecer?
Sabemos que não.
Então, para nós espíritas, o castigo divino, de “ganhar o pão de cada dia com o suor do rosto”, registrado alegoricamente na Bíblia, mostra apenas as necessidades evolutivas do Homem. Onde ele deixava de ser um simples animal irracional, controlado pelo instinto, para ser inteligente e exercitar o livre-arbítrio.
O trabalho tornou-se uma lei indispensável, não apenas em favor da sobrevivência do Homem, mas também para que desenvolva a inteligência e supere em definitivo os resíduos da irracionalidade.
No irracional (na fase animal), ele é guiado pelo instinto e o esforço pela subsistência é mínimo. Nesta fase a mãe natureza o atende. Já na fase hominal, orientado pela razão, que deixou o berço e começa a andar, há uma solicitação bem maior de trabalho que tanto mais complexo se torna quanto maior o seu desenvolvimento intelectual, sofisticando suas necessidades de conforto e bem estar.

Se Deus tivesse liberado o homem do trabalho físico, seus membros seriam atrofiados; se o livrasse do trabalho intectual, seu espírito permaneceria na infância, nas condições instintivas do animal.
 


“Por que provê a Natureza, por si mesma, a todas as necessidades dos animais”?
“Tudo em a Natureza trabalha. Como tu, trabalham os animais, mas o trabalho deles, de acordo com a inteligência de que dispõem, se limita a cuidarem da própria conservação. Daí vem que do trabalho não lhes resulta progresso, ao passo que o do homem visa duplo fim: a conservação do corpo e o desenvolvimento da faculdade de pensar, o que também é uma necessidade e o eleva acima de si mesmo...”
O Livro dos Espíritos – Questão nº 677 (Da Lei do Trabalho)


(Resposta de Rudymara baseada no texto Pão da Vida de Richard Simonetti no livro A Constituição Divina e no O Evangelho segundo o Espiritismo)


A NECESSIDADE DO TRABALHO


Nos mundos mais aperfeiçoados o homem é submetido à mesma necessidade de trabalho?
— A natureza do trabalho é relativa à natureza das necessidades; quanto menos necessidades materiais, menos material é o trabalho. Mas não julgueis, por isso, que o homem permanece inativo e inútil; a ociosidade seria um suplício, em vez de ser um benefício.
(questão 678 de O Livros dos Espíritos)

Á medida em que o Espírito evolui, seu trabalho, que em princípio atendia exclusivamente às próprias necessidades, orienta-se no sentido de contribuir para a harmonia universal, transformando-o, progressivamente, em instrumento legítimo da vontade de Senhor, co-participe na obra da Criação, como o filho adulto que, consciente e esclarecido, conhece suas responsabilidades, dispondo-se colaborar com o pai.
Nesse caminho estão comunidades como a de “Nosso Lar”, cidade do Além, descrita pelo Espírito André Luiz, psicografia de Chico Xavier. Livres das necessidades inerentes ao corpo físico, disciplinados e ativos, seus habitantes dedicam-se ao serviço do Bem, em favor de companheiros comprometidos com o desajuste que permanecem compulsoriamente em zonas purgatoriais, no Umbral.
Em estágios mais altos de espiritualidade e desenvolvimento das potencialidades e desenvolvimento das potencialidades criadoras, encontramos os Engenheiros Siderais que presidem as manifestações da Natureza, executando a Vontade Divina.
O exemplo maior está em Jesus, governador da Terra, segundo Emmanuel, que orienta, desde os primórdios de nosso planeta, as coletividades que aqui evoluem. Essa condição está expressa na mesma citação evangélica (João 5:17), quando o Mestre, após proclamar que Deus trabalha incessantemente, completa “...e eu também.”Mesmo na Terra, se buscarmos exercitar a mente em raciocínios relativos à Vida Eterna, tenderemos a orientar nosso trabalho muito mais em favor do bem-estar coletivo do que em nosso próprio benefício, integrando-nos no ritmo da harmonia universal, sob a “batuta” de Deus, Supremo Regente.
Natural, portanto, que os grandes benfeitores, em todos os setores da atividade humana, sejam, essencialmente, grandes servidores, dedicando suas existências ao ideal sublime da fraternidade humana. Compreensivamente, são sempre fortes e empreendedores, perseverantes e capazes, ainda que enfrentando problemas e dificuldades variadas. É que, plenamente identificados aos propósitos da Vida, instrumentos fiéis do Bem, fluem incessantes por eles, a se expandirem ao seu redor, as bênçãos de Deus.



 (Richard Simonetti)





ABUSO DA AUTORIDADE

Que pensar daqueles que abusam de sua autoridade para impor aos seus inferiores um excesso de trabalho?
- É uma das piores ações. Todo o homem que tem o poder de comandar é responsável pelo excesso de trabalho que impõe a seus subalternos, porque ele transgride a lei de Deus.
(questão 684 de O Livro dos Espíritos)

O depositário da autoridade de qualquer extensão que esta seja, desde a do senhor sobre o escravo até a do soberano sobre o povo, não deve esquivar-se à responsabilidade de um encarregado de almas, pois responderá pela boa ou má orientação que der aos seus subordinados, e as faltas que estes puderem cometer os vícios a que forem arrastados em conseqüência dessa orientação ou dos maus exemplos recebidos, recairão sobre ele. Da mesma maneira, colherá os frutos de sua solicitude, por conduzi-los ao bem. Todo homem tem, sobre a Terra, uma pequena ou uma grande missão. Qualquer que ela seja sempre lhe é dada para o bem. Desviá-la, pois, do seu sentido, é fracassar no seu cumprimento.
O superior que guardou as palavras do Cristo, não despreza a nenhum dos seus subordinados, porque sabe que as distinções sociais não subsistem diante de Deus. O Espiritismo lhe ensina que, se eles hoje o obedecem, na verdade já podem tê-lo dirigido, ou poderão dirigi-lo mais tarde, e que então será tratado como por sua vez os tratou.
Se o superior tem deveres a cumprir, o inferior também os tem de sua parte, e não são menos sagrados. Se também este é espírita, sua consciência lhe dirá, ainda mais fortemente, que não está dispensado de cumpri-los, mesmo que o seu chefe não cumpra os dele, porque sabe que não deve pagar o mal com o mal, e que as faltas de uns não autorizam as de outros. Se sofre na sua posição, dirá que sem dúvida o mereceu, porque ele mesmo talvez tenha abusado outrora de sua autoridade, devendo agora sentir os inconvenientes do que fez os outros sofrerem. Se for obrigado a suportar essas posições, na falta de outra melhor, o Espiritismo lhe ensina a resignar-se a isso, como a uma prova a sua humildade, necessária ao seu adiantamento. Sua crença o guia na sua conduta: ele age como desejaria que os seus subordinados agissem com ele, caso fosse o chefe. Por isso mesmo é mais escrupuloso no cumprimento das obrigações, pois compreende que toda negligência no trabalho que lhe foi confiado será um prejuízo para aquele que o remunera, e a quem deve o seu tempo e os seus cuidados. Numa palavra, ele é guiado pelo sentimento do dever que a sua fé lhe infunde, e a certeza de que todo desvio do caminho reto será uma dívida, que terá de pagar mais cedo ou mais tarde.


(O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XVII, item 9)





terça-feira, 24 de abril de 2012

AUTISMO NA VISÃO ESPÍRITA


Conta Carlos Baccelli:
Um casal aproximou-se ao Chico, o pai sustentando uma criança de ano e meio nos braços, acompanhando por distinto medico espírita de Uberaba.
A mãe permaneceu a meia distância, em mutismo total, embora com alguma aflição no semblante.
O médico, adiantando-se, explicou o caso ao Chico: a criança, desde que nasceu, sofre sucessivas convulsões, tendo que ficar sob o controle de medicamento, permanecendo dormindo a maior parte do tempo, em consequência, mal consegue engatinhar e não fala.
Após dialogarem durante alguns minutos. O Chico perguntou ao nosso confrade a que diagnostico havia chegado.
- Para mim, trata-se de um caso de autismo – respondeu ele.
O Chico disse que o diagnostico lhe parecia bastante acertado, mas que convinha diminuir o anticonvulsivos mesmo que tal medida, a principio, intensificasse os ataques. Explicou, detalhadamente, as contra indicações do medicamento no organismo infantil. Recomendou passes.
- Vamos orar- concluiu.
O casal saiu visivelmente mais confortado, mas, segurando o braço do médico nosso confrade. Chico Explicou a todos que estavamos ali mais próximos:
- “o autismo”, é um caso muito sério, podendo ser considerado uma verdadeira calamidade. Tanto envolve crianças quanto adultos... Os médiuns também , por vezes, principalmente os solteiros sofrem desse mal, pois que vivem sintonizados com o mundo espiritual, desinteressando-se da Terra. É preciso que alguma coisa nos prenda no mundo, porque, senão, perdemos a vontade de permanecer no corpo...”.
E Chico exemplificou com ele mesmo:
-Vejam bem: o que é que me interessa na Terra? A não ser a tarefa mediúnica, nada mais. Dinheiro, eu só quero o necessário para sobreviver casa, eu não tenho o que fazer com mais de uma... Então, eu procuro me interessar pelos meus gatos e meus cachorros. Quando um adoece ou morre, eu choro muito, porque se eu não me ligar em alguma coisa eu deixo vocês...
Ele ainda considerou que, muitos casos de suicídios têm as suas raízes no “autismo”, porque a pessoa vai perdendo o interesse pela vida. Inconscientemente deseja retornar à Pátria Espiritual, e para se libertar do corpo, que considera uma verdadeira prisão, força as portas de saída...
E o Chico falou ao médico:
- È preciso que os pais dessa criança conversem muito com ela, principalmente a mãe. È necessário chamar o espírito para o corpo. Se não agirmos assim, muitos espíritos não permanecerão na carne, porque a reencarnação para eles é muito dolorosa.
Evidentemente que não conseguimos registrar tudo, mas a essência do assunto é o que está exposto aqui.
E ficamos a meditar na complexidade dos problemas humanos e na sabedoria de Chico Xavier.
Quando ele falava de si, ilustrando a questão do “autismo”, sentimo-lo como um pássaro de luz encarcerado numa gaiola de ferro, renunciando à paz da grande floresta para entoar canções de imortalidade aos que caíram, invigilantes, no visgo do orgulho ou no alçapão da perturbação.
Nesta noite, sem dúvida, compreendemos melhor Chico Xavier e o admiramos ainda mais.
De fato, pensando bem, o que é que pode interessar na Terra, a não ser o trabalho missionário em nome do Senhor, ao Espírito que já não pertence mais à sua faixa evolutiva?
O espírito daquela criança sacudia o corpo que convulsionava, na ânsia de libertar-se...
Sem dúvida, era preciso convencer o Espírito a ficar. Tentar dizer-lhe que a Terra não é cruel assim... Que precisamos trabalhar pela melhoria do homem.
 
OBSERVAÇÃO DE DIVALDO FRANCO: Precisamos considerar que “somos herdeiros dos próprios atos”. Em cada encarnação adicionamos conquistas ou prejuízos a nossa contabilidade evolutiva e, em determinados momentos, ao contrairmos débitos mais sérios, reencarnamos para ressarci-los sob a injunção dolorosa de fenômenos expiatórios, tais os estados esquizóides e suas manifestações várias. Dentre eles, um dos mais cruéis é o AUTISMO. No fenômeno do autismo estamos diante de um ex-suicida a qual, desejando fugir à responsabilidade dos delitos cometidos, envereda pela porta falsa da autodestruição. Posteriormente, reencarna com o drama na consciência por não ter conseguido libertar-se deles. São, também, os criminosos não justiçados pelas leis humanas ou Espíritos que dissimularam muito bem suas tragédias. Assim, retornam à Terra escondendo-se da consciência nas várias patologias dos fenômenos esquizofrênicos. Os pais devem esperar a criança dormir e conversar com ela. Pois a conversa é captada pelo inconsciente (Espírito). Fale devagar, pausadamente: Estamos contentes por você estar entre nós; Você tem muito que fazer na Terra; você vai ser feliz nesta vida; Nós te amamos muito; etc.


Compilação  de Rudymara



sábado, 21 de abril de 2012

TIRADENTES FOI UM INQUISIDOR? - visão espírita





Humberto de Campos (Irmão X) conta no livro "BRASIL, CORAÇÃO DO MUNDO PÁTRIA DO EVANGELHO", através da psicografia de Chico Xavier que Tiradentes foi um inquisidor em sua encarnação anterior:


Instantes antes do enforcamento, a falange de Ismael (Espírito escolhido por Jesus para auxiliar no progresso e desenvolvimento do Brasil) cercaram a alma leal e forte de Tiradentes, inundando-a de santas consolações (...) no momento que seu corpo balança, pendente das traves do cadafalso, no Campo da Lampadosa, Ismael recebia em seus braços carinhosos e fraternais a alma edificada do mártir. Ismael exclamou: “ Irmão querido, resgatas hoje os delitos cruéis que cometestes quando te ocupavas do nefando mister de inquisidor, nos tempos passados. Redimiste o pretérito obscuro e criminoso, com as lágrimas do teu sacrifício em favor da Pátria do Evangelho de Jesus. Passarás a ser um símbolo para a posteridade, com o teu heroísmo resignado nos sofrimentos purificadores. Qual novo gênio surges, para espargir bênçãos sobre a terra do Cruzeiro, em todos os séculos do seu futuro. Regozija-te no Senhor pelo desfecho dos teus sonhos de liberdade, porque cada um será justiçado de acordo com as suas obras. Se o Brasil se aproxima da sua maioridade como nação, ao influxo do amor divino, será o próprio Portugal quem virá trazer, até ele, todos os elementos da sua emancipação política(...)”

Daí a alguns anos era o próprio Portugal que vinha trazer, com D. João VI, a independência do Brasil (...)."


Resumo de Rudymara



OBSERVAÇÃO: A Inquisição foi criada na Idade Média (século XIII) e era dirigida pela Igreja Católica Romana. Ela era composta por tribunais que julgavam todos aqueles considerados uma ameaça às doutrinas (conjunto de leis) desta instituição. Todos os suspeitos eram perseguidos e julgados, e aqueles que eram condenados, cumpriam as penas que podiam variar desde prisão temporária ou perpétua até a morte na fogueira, onde os condenados eram queimados vivos em plena praça pública. Os inquisidores questionavam os condenados e obtinham as confissões geralmente à custa da força, tortura e crueldade. Clique nesse link e veja alguns instrumentos de tortura usados pelos inquisidores http://www.acemprol.com/viewtopic.php?f=16&t=3026





quarta-feira, 18 de abril de 2012

ANIVERSÁRIO DO "O LIVRO DOS ESPÍRITOS"


O Livro dos Espíritos (Le Livre des Esprits) é o primeiro livro sobre a doutrina espírita publicado pelo educador francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, cujo pseudônimo é Allan Kardec.
O livro chama-se “O livro dos Espíritos” porque o conteúdo pertence aos “Espíritos”. Allan Kardec apenas formulou as perguntas, mas as respostas foram dadas pelos Espíritos através da mediunidade de várias jovens médiuns. As médiuns que serviram a esse trabalho foram inicialmente Caroline e Julie Boudin (respectivamente, 16 e 14 anos à época), às quais mais tarde se juntou Celine Japhet (18 anos à época) no processo de revisão do livro. O primeiro esboço continha 501 perguntas e respostas e foi submetido a comparação com as comunicações obtidas por outros médiuns franceses, totalizando em "mais de dez", nas palavras de Kardec, o número de médiuns cujos textos psicografados contribuíram para a estruturação de O Livro dos Espíritos, publicado em 18 de Abril de 1857, no Palais Royal, na capital francesa. Só a partir da segunda edição, lançada em 16 de março de 1860, com ampla revisão de Kardec mediante o contato com grupos espíritas de cerca de 15 países da Europa e das Américas, aparecem as atuais 1018 perguntas e respostas.
A curiosidade sobre o assunto foi aumentando. Por isso, nasceram as outras obras da codificação a partir de O Livro dos Espíritos que está dividido em quatro partes: 1ª –DAS CAUSAS PRIMÁRIAS, 2ª – DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITAS, 3ª – DAS CAUSAS MORAIS e 4ª – DAS ESPERANÇAS E CONSOLAÇÕES. Cada parte virou um novo livro. Vejamos:


1ª PARTE : DAS CAUSAS PRIMÁRIAS: deu origem ao 5º livro "A GÊNESE" (1868).


2ª PARTE: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS: deu origem ao 2º livro "O LIVRO DOS MÉDIUNS" (1861).

3ª PARTE: DAS CAUSAS MORAIS: deu origem ao 3º livro "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO” (1864).

4ª PARTE: DAS ESPERANÇAS E CONSOLAÇÕES: deu origem ao 4º livro "O CÉU E O INFERNO” (1865).



 
 
 
 
 

terça-feira, 17 de abril de 2012

PODEMOS CONSULTAR OS ESPÍRITOS?

 
 
 
Muitos imaginam os Espíritos como adivinhos infalíveis, detentores de todo saber, protetores perfeitos, capazes de todos os prodígios. Se assim fosse, não haveria espírita com dúvidas e problemas. Houve um tempo em que, dirigentes desavisados ou com pouco conhecimento das obras básicas estimulavam essa tendência, transformando os Centros Espíritas em gabinetes de consulta, envolvendo médiuns sem disciplina e orientadores sem orientação. Muitos deles acreditavam que com este tipo de fenômeno a Casa Espírita ficava cheia. Mas, infelizmente, ficava cheia de curiosos. Quando os fenômenos acabavam, eles também iam embora. Como disse o espírito Nora, no livro “Aconteceu na Casa Espírita”: “A doutrina espírita não está interessada em lotar a casa espírita com pessoas que procuram simplesmente "fenômenos". A pretensão é simples, que é fazer vibrar entre as paredes da casa os ensinos de Jesus e Kardec. O mais importante é receber fraternalmente os que nos procuram, socorrê-los quanto possível, oferecer conhecimento doutrinário, despertando as criaturas para a transformação moral; o resto é consequência deste processo do bem realizado". Então, dirigentes que ainda insistem em manter consultas espirituais esqueceram ou, pior, talvez nunca tenham observado a recomendação de Kardec, contida em Obras Póstumas, segunda parte, quando fala de seus contatos iniciais com o Além: "Um dos primeiros resultados que colhi das minhas observações foi que os Espíritos, nada mais sendo do que almas dos homens, não possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência integral; que o saber de que dispunham se circunscrevia ao grau de adiantamento que haviam alcançado, e que a opinião deles só tinha o valor de uma opinião pessoal. Reconhecida desde o princípio, esta verdade me preservou do grave escolho de crer na infalibilidade dos Espíritos e me impediu de formular teorias prematuras, tendo por base o que fora dito um ou alguns deles."  Como vemos, há "mentores espirituais" cuja sabedoria não vai além da ignorância dos que consultam. Se tivermos de receber alguma comunicação dos desencarnados, esta virá de maneira espontânea, sem que as forcemos. Porque a evocação é um dos mais sérios perigos da mediunidade. São portas abertas para que entidades desocupadas, zombeteiras e mistificadoras espalhem notícias espetaculares, mentirosas, mirabolantes, que agradam aos curiosos. Espíritos irresponsáveis adoram os evocadores, que lhes estimulam as investidas. Espíritos sérios, não nos darão informações materialistas como: responder se o comércio, a compra de um automóvel ou imóvel dará certo; sobre a vida financeira ou amorosa, etc. Eles também não dirão: “Fulano fez um trabalho para você"; "beltrano tem muita inveja de você"; etc. Este tipo de afirmação não é cristão. Pois poderá causar briga, desentendimento, inimizade, violência, etc. Aprendemos com o estudo da escala espírita, que existem Espíritos levianos, ignorantes, maliciosos, irrefletidos e zombeteiros, que se metem em tudo e a tudo respondem sem se importarem com a verdade. "Gostam de causar pequenos desgostos e ligeiras alegrias, de fazer intriga, de induzir maldosamente em erro, por meio de mistificações e de espertezas" (O Livro dos Espíritos, questão 103). Por isso, o Espírito de Verdade esclareceu dizendo: "Os Espíritos vêm instruí-los e guiá-los no caminho do bem e não no caminho das honras e da fortuna, ou para servirem suas mesquinhas paixões. Se vocês não lhes pedissem nada de fútil ou fora de suas atribulações, não dariam oportunidade alguma aos Espíritos enganadores; onde vocês devem concluir que quem é enganado tem apenas o que merece."  (O Livro dos Médiuns, cap. XXVII, item 303, 1a pergunta.). No mesmo livro referido (cap. XX, item 226, 9ª pergunta) os Espíritos nos alertam dizendo que, médium bom é coisa rara. E completa: “O médium perfeito seria aquele que os maus Espíritos jamais ousassem fazer uma tentativa de enganar. O melhor é o que, simpatizando somente com os bons Espíritos, tem sido enganado menos vezes." Como vemos, não há médiuns perfeitos na Terra e, hora ou outra todos são enganados. Isto deve servir de alerta, principalmente aos ESPÍRITAS que abandonam uma Casa Espírita SÉRIA em busca de outra onde possam idolatrar médiuns desavisados que brincam com a mediunidade como fazem alguns jovens (que desconhecem o perigo da obsessão) com a brincadeira do copo. A Doutrina é totalmente favorável ao livre arbítrio. Cada um deve usar a mediunidade como achar melhor. Mas, quem decidir usá-la na Casa Espírita, deve seguir as recomendações que estão nas obras básicas, trazidas pelos Espíritos e organizadas por Allan Kardec. O Espiritismo não deve ser “a moda da casa”.
Então, podemos dizer que 4 (quatro) são as consultas aceitas pela Doutrina Espírita: 1ª - só quando há uma intenção útil como fez Kardec; 2ª - a consulta fraterna nas Casas Espíritas, cujo atendimento é feito por um Espírito encarnado com conhecimento da Doutrina, que aconselhará segundo a visão espírita cristã. Mas para isso, não precisará estar mediunizado, deve ser apenas uma conversa esclarecedora e consoladora; 3ª – a consulta da nossa consciência, usando nosso livre arbítrio; 4ª - as consultas aos Espíritos de André Luiz, Emmanuel, Joanna de Angelis etc., através dos livros espíritas. Mas, principalmente Jesus, nosso guia e modelo, através do Evangelho. Porque o Espiritismo não tem por finalidade principal a realização de fenômenos, mas, sim, o progresso moral da humanidade.
Então, quem procurar o Espiritismo somente para obter cura imediata de seus males físicos e espirituais, ou para resolver de pronto seus problemas materiais, poderá ficar decepcionado.




 Compilação de Rudymara
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

sábado, 14 de abril de 2012

O PERDÃO DOS PECADOS NA VISÃO ESPÍRITA


 
BASTA O ARREPENDIMENTO PARA RECEBERMOS O PERDÃO?


Não, o arrependimento é apenas o primeiro passo na árdua jornada da reabilitação.
Para receber o perdão de Deus não bastam penitências, ritos, ou rezas. É de fundamental importância que o mal seja reparado.
Podemos definir o arrependimento como a consciência de que fizemos algo errado, de que prejudicamos alguém ou a nós mesmos.
Implica em dor moral. Quanto mais evoluídos, mais sofre o Espírito, ao avaliar a extensão dos prejuízos que causou a si mesmo ou ao semelhante.
Aquele que ofendeu alguém e recebe absolvições (perdão) por ter orado, repetidamente, um certo número de vezes, determinado pelo sacerdote, fica com a estrada livre para novos desatinos.
Esse tipo de perdão é um estímulo a novos erros, novos enganos, novas ilusões, novas quedas, prejuízos ao processo evolutivo, que se retarda, no tempo.
O perdão que o Espiritismo e os amigos espirituais pregam em verdade não é de fácil execução, porém, inegavelmente, mais sensata, mais lógica.
Requer muito boa-vontade; esforço; perseverança.
O perdão, segundo a Doutrina Espírita, não alarga as portas do erro; pelo contrário, restringe-as, por apontar responsabilidades para quem estima a leviandade e a injúria, a crueldade e o desapreço à integridade, moral ou física, dos companheiros de luta, na paisagem terrestre.
De acordo com os preceitos espíritas,
não há perdão sem reparação conseqüente. Os próprios Instrutores do Mais Alto lembrem a palavra evangélica, que nos incentiva à integração com o Bem, no apostolado da Fraternidade: "o amor cobre a multidão dos pecados", que representa a única força "que anula as exigências da Lei de Talião (olho por olho, dente por dente), dentro do Universo Infinito".


Disse Emmanuel: A concessão paternal de Deus, no que se refere à reencarnação para a sagrada oportunidade de uma nova experiência, já significa, em si, o perdão ou a magnanimidade da Lei.



Allan Kardec perguntou: Poderemos utilmente pedir a Deus que perdoe as nossas faltas?
Os Espíritos responderam:
Deus sabe discernir o bem do mal; a prece não esconde as faltas. Aquele que a Deus pede perdão de suas faltas só o obtém mudando de proceder. As boas ações são a melhor prece, por isso que os atos valem mais que as palavras. (questão 661)


Observação de Rudymara: Fomos ensinados por séculos que após transgredirmos a lei de Deus poderíamos ser perdoados com uma simples confissão que gerava uma simples penitência que correspondia, por exemplo, a preces repetidas. Por isso, ainda hoje vemos pessoas cometendo abusos contra o próximo e contra si mesmo acreditando que depois será perdoado com penitencias, ritos e rezas. E o que é pior, volta a errar por acreditar na facilidade do perdão. Mas, o Espiritismo chegou para explicar que o perdão precisa de reparação, seja através do amor (caridade) ou da dor (resgate). Quando Jesus disse na oração do "Pai Nosso": "perdoa nossas dívidas, assim como perdoamos os nossos devedores", Ele quis ensinar que quando pedirmos perdão pelos nossas dívidas (perante a lei de Deus), devemos aprender a perdoar as falhas alheias. Ele deixou bem claro que não é tão fácil ser perdoado. Então, qual perdão escolheremos para nossas faltas? Pelo amor ou pela dor?






quarta-feira, 11 de abril de 2012

QUEM HERDARÁ A TERRA?


“Bem-aventurados os mansos e pacíficos, porque eles herdarão a Terra ...” -  Jesus

A Terra está deixando de ser um planeta de provas e expiações para se tornar um planeta de regeneração.
Nosso planeta está evoluindo, embora não pareça.
Os futuros moradores do Planeta Terra terão que ser mansos e pacíficos, porque a Terra não terá lugar para os coléricos, os odiosos, os violentos, os vingativos, etc. Esses terão que reencarnar em planetas que condizem com seu grau de evolução.
Estamos naquela "peneira" simbólica que Jesus mencionou, onde está havendo a separação do joio e do trigo. E esta separação ocorre no plano espiritual ao desencarnarmos. Quando estivermos nos preparando para reencarnar, será levado em conta nosso comportamento na última encarnação.
Por enquanto, nosso planeta recebe espíritos com vários graus evolutivos. Os bons continuarão reencarnando na Terra para dar exemplo e continuidade a um planeta regenerado. E os maus estão tendo a oportunidade de regenerar-se, para que possam continuar reencarnando na Terra. Se não regenerar terão que mudar-se para outro planeta. Um planeta que condiz com sua conduta.
Mas, como está no livro “Transição Planetária”: “Antes, porém, de chegar esse momento (de transição), a violência, a sensualidade, a abjeção, os escândalos, a corrupção atingirão níveis dantes jamais pensados, alcançando o fundo do poço, enquanto as enfermidades degenerativas, os transtornos  bipolares de conduta, as cardiopatias, os cânceres, os vícios e os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno à ética, à moral, ao equilíbrio(...)
“Como em toda batalha, momentos difíceis surgirão exigindo equilíbrio e oração fortalecedores, os lutadores estarão expostos no mundo, incompreendidos, desafiados por serem originais na conduta, por incomodarem os insensatos que, ante a impossibilidade de os igualarem, irão combatê-los, e padecendo diversas ocasiões de profunda e aparente solidão... Nunca, porém, estarão solitários, porque a solidariedade espiritual do Amor estará com eles, vitalizando-os e encorajando-os ao prosseguimento (...)”
Então, façamos nossa parte colaborando com essa transição para que sejamos dignos de sermos herdeiros de um mundo melhor.


Rudymara






segunda-feira, 9 de abril de 2012

A VIDA DE SÃO BENEDITO



Benedito tinha o apelido de “mouro” pela cor de sua pele. Foi pastor de ovelhas e lavrador. Aos 21 anos Benedito aceitou o convite de um monge dos irmãos eremitas de São Francisco de Assis para viver entre eles. Fez votos de pobreza, obediência e castidade e, coerentemente, caminhava descalço pelas ruas e dormia no chão sem cobertas. Era muito procurado pelo povo, que desejava ouvir seus conselhos e pedir-lhe orações.
Cumprindo seu voto de obediência, depois de 17 anos entre os eremitas, foi designado para ser cozinheiro no Convento dos Capuchinhos. Sua piedade,sabedoria e santidade levaram seus irmãos de comunidade a elegê-lo Superior do Mosteiro, apesar de analfabeto e leigo, pois não havia sido ordenado sacerdote. Seus irmãos o consideravam iluminado pelo Espírito Santo, pois fazia muitas profecias. Ao terminar o tempo determinado como Superior, reassumiu com muita humildade mas com alegria suas atividades na cozinha do convento.
Sempre preocupado com os mais pobres do que ele, aqueles que não tinham nem o alimento diário, retirava alguns mantimentos do Convento, escondia-os dentro de suas roupas e os levava para os famintos que enchiam as ruelas das cidades.
Benedito morreu aos 65 anos, no dia 4 de abril de 1589, em Palermo, na Itália.
Curiosidade: As estátuas de São Benedito aparecem com uma criança no colo. Muitos pensam que esta criança é o menino Jesus, mas ela simboliza a cura que ele realizou em uma criança.

NA VISÃO ESPÍRITA, os “santos(as)” da igreja católica, foram homens e mulheres que marcaram sua vida na Terra com atitudes de caridade que deveriam servir de exemplo aos seus adeptos e devotos. Mas, a maioria não segue esses exemplos de amor ao próximo, lembram-se deles apenas para pedir: emprego, curas, solução de problemas, etc. Exemplo: Irmã Dulce socorria os pobres e doentes e construiu um hospital para eles. Quando ela for canonizada alguém seguirá seu exemplo? Será que ela ficará feliz em receber velas, preces, pedidos, peregrinações ou donativos para seu hospital e aos pobres? E São Benedito, gostaria de ser lembrado por distribuição de doces ou de alimentos aos necessitados? 
Pensemos nisso com cuidado!


A biografia de São Benedito foi retirada da internet e a visão espírita é de Rudymara






O DESAPARECIMENTO DO CORPO DE JESUS


Os guardas que tomavam conta do túmulo de Jesus procuraram os sacerdotes para contar que a pedra do sepulcro fora removida e o corpo desaparecera.
Os chefes dos sacerdotes se reuniram com os anciãos, e deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, dizendo-lhes: "Digam que os discípulos Dele foram durante a noite, e roubaram o corpo, enquanto vocês dormiam. Se o governador ficar sabendo disso, nós o convenceremos e vocês não precisam ficar preocupados.” Os soldados pegaram o dinheiro e fizeram como estavam instruídos. E assim, tal boato espalhou-se entre os judeus, até os dias de hoje. (Mt. 28:11/15)

OBSERVAÇÃO DE THEREZINHA OLIVEIRA:

1) O que mais interessava aos sacerdotes era que o corpo de Jesus não sumisse e pudesse ser apresentado, para comprovar que o líder estava morto e desanimar os seus seguidores. Se a versão do roubo foi divulgada, é que de fato o corpo desapareceu e eles não podiam mais apresentá-lo ao povo.

2) Teriam mesmo os discípulos roubado o corpo de Jesus? Muito dificilmente, pois não eram guerrilheiros, mas homens do povo e havia uma escolta guardando o sepulcro. Se realmente tivesse sido roubado, o dever dos guardas era comunicar não aos sacerdotes, mas aos seus superiores militares (os romanos) para a tomada de providências.

3) Como teria desaparecido o corpo carnal de Jesus? Por transporte espiritual para outro lugar; ou por desmaterialização. Se Jesus desmaterializava feridas quando curava leprosos, por que os espíritos superiores que o acompanharam em seus momentos finais na Terra, não poderiam fazer o mesmo com seu corpo? (no O Evangelho segundo o Espiritismo cap.III, item 9, diz que nos mundos superiores "(...) a morte de modo algum acarreta os horrores da decomposição(...)"). Sinal que eles tem um método de não deixar um corpo físico entrar em decomposição. Mas, por que isso foi feito? Talvez para evitar que os homens dessem demasiada importância aos restos mortais de Jesus e os arrastamentos de cá para lá, até hoje, em disputas e vãs exibições, como fez com as relíquias de alguns dos chamados santos. Não é a carne de Jesus que precisamos reverenciar e amar. É ao seu espírito, sábio e amoroso, que um dia aceitou nascer entre nós e, durante pouco mais de trinta anos, a todos nos ensinou a viver como Filhos de Deus.


Maria T Compri no livro Evangelho no Lar, no capítulo IV, diz: “A uma pergunta feita a Chico Xavier, sobre o que os Espíritos dizem a respeito da natureza do corpo de Jesus, ele respondeu:
- Jesus é como o Sol num dia de céu azul, e nós somos apenas palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia. O que é importante saber, e discutir, é sobre os seus ensinamentos e sua Vivência Gloriosa.
De fato, a Humanidade tem deixado de lado os Ensinamentos Morais do Cristo, para discutir coisas que em nada nos modifica as disposições interiores, como seja a natureza do corpo de Jesus, como Ele conseguiu ficar quarenta dias com os apóstolos, o que foi feito de seu corpo, após a ressurreição etc. Somos ainda pequeninos “palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia”, e distantes nos encontramos de absorvermos todas as verdades contidas no Universo, para nos determos nestas questões que a muitos ainda confundem.
Certamente, vivenciando seus ensinamentos e crescendo em Espírito e Verdade, futuramente teremos condições de apreender todo este conhecimento por processos naturais(...)”

Compilação de Rudymara retirada dos livros Evangelho (Novo Testamento); Estudos Espíritas do Evangelho de Therezinha Oliveira e Evangelho no Lar de Maria T. Compri.



 

domingo, 8 de abril de 2012

RESSURREIÇÃO DE JESUS NA VISÃO ESPÍRITA


No terceiro dia pela manhã (domingo), a terra treme e um anjo (espírito) desce do céu e afasta a pesada pedra. Os soldados ficam assustados e caem no chão. Quando conseguem se refazer correm à cidade. Naquela mesma hora, Maria Madalena e outras amigas de Jesus, correm ao túmulo com aromas para ungi-Lo. No caminho indagam como vão fazer para abrir o túmulo, mas quando chegaram ali o túmulo já estava aberto. Pensando que alguém houvesse roubado o corpo Dele, Maria corre a Jerusalém para contar a Pedro e João. Mas as outras entram e vêem um anjo sentado ali que dizia: “Não se assustem! Jesus ressuscitou, vão contar aos outros.” Pedro e João ficam estarrecidos com a notícia e correm para lá. Quando chegam ao local só encontram a roupa Dele. De repente Jesus aparece e vai ao encontro das mulheres e diz: “Alegrem-se!” Elas se aproximam e se ajoelham diante de Jesus.
Depois Jesus apareceu aos seus discípulos e para outros ao longo de quarenta dias (Atos 1:3). Com isso, provavelmente, os estava preparando para terem plena convicção na sobrevivência da alma e para irem se acostumando com sua ausência física sem duvidarem de que, mesmo invisível, ele continuava a assisti-los espiritualmente. Assim foi, até que se despediu materialmente deles (ascensão de Jesus). E, erguendo as mãos, abençoou os discípulos e, enquanto assim fazia, “ia-se retirando deles, sendo elevado para os céu”, até que “uma nuvem o encobriu de seus olhos” (as materializações sempre se dissolvem em uma nuvem de ectoplasma). Então, tomados de grande júbilo, voltaram para Jerusalém; e sempre iam ao templo, louvando a Deus. Depois de receberem a manifestação do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, pregaram por toda a parte, “cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra por meio de sinais, que se seguiam.”
 
 
COMO O ESPIRITISMO EXPLICA A RESSURREIÇÃO DE JESUS?

Os teólogos medievais resolveram dizer que o corpo de Jesus transportou-se do plano físico para o espiritual. À luz do Espiritismo, hoje é mais fácil entender que:
1) O espírito não morre com o corpo físico, ele pode ressurgir (surgir de novo, reaparecer) aos olhos dos encarnados, dos que ainda vivem neste mundo utilizando o perispírito. Há vários relatos na Bíblia de aparições de desencarnados (mortos) conversando com encarnados (vivos).


2) Não é o corpo de carne que ressurge, mas o espírito com seu perispírito (corpo fluídico) e este pode guardar ou não as aparências do físico anterior, conforme o espírito as mentalize ou não. Exemplo: André Luiz ressurgiu com a aparência da última encarnação; já Emmanuel não ressurgia com a aparência da última encarnação, mas da encarnação que mais marcou sua vida, que foi quando viveu na época de Jesus, relatado no livro “Há dois mil anos”.


3) O reaparecimento do espírito no plano terreno se dá em diferentes graus, desde a simples visão (chamado de vidência) até a aparição (visível, mas intangível, ou seja, vê mas não pode tocar) e a materialização (visível e tangível, ou seja, vê e pode tocar), como aconteceu com Tomé.


Poderíamos acrescentar que o espírito também ressurge quando se comunica através de um médium ou quando vem a reencarnar.
Então, Jesus apareceu com seu perispírito. Basta observar a passagem relatada por Mc 16:4/18; Lc 24:36/49; Jo 20:19/23; onde as portas da casa onde os discípulos se encontravam estavam trancadas, porque eles tinham medo da perseguição dos judeus. E ainda estavam eles falando dessas coisas, quando Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz seja convosco!”Como teria Jesus entrado, se as portas estavam trancadas? Sendo fluídico o corpo com o qual ressurgira, não encontrava qualquer obstáculo nas paredes ou portas trancadas.



 
Compilação de Rudymara retirado do Evangelho (Novo Testamento) e do livro Estudos Espíritas do Evangelho de Therezinha Oliveira







PÁSCOA NA VISÃO ESPÍRITA


Páscoa é uma palavra hebraica que significa "libertação". Esta festa surgiu para comemorar a libertação do povo hebreu da escravidão do Egito, através de Moisés.
Assumida pelos cristãos (católicos), a Páscoa Cristã é para eles, a lembrança de que Deus liberta seu povo dos “pecados” (erros), através de Jesus Cristo, novo cordeiro pascal. A comemoração acontece na época em que se lembra a crucificação de Jesus. Começa, infelizmente, após o término do carnaval, onde muitos já transgrediram Seus ensinamentos e termina no domingo onde Ele ressurgiu dos "mortos" para mostrar que Ele continua vivo e aguardando que O sigamos.
“Cristo é a nossa Páscoa (libertação), pois Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” - (João, 1:29). João usou o termo Cordeiro, porque usava-se na época de Moisés, sacrificar um cordeiro para agradar á Deus. Portanto, dá-se a idéia de que, Deus sacrificou Jesus para nos libertar dos pecados. Mas para nos libertarmos dos “pecados”, ou seja, dos nossos erros, das nossas falhas morais, devemos estar dispostos a contribuir, utilizando os ensinamentos do Cristo como nosso guia. Porque Jesus não morreu para nos salvar; Jesus viveu para nos mostrar o caminho da salvação. Esta palavra “salvação”, segundo Emmanuel, vale por “reparação”, “restauração”, “refazimento”. Portanto, “salvação” não é ganhar o reino dos céus; não é o encontro com o paraíso após a morte; salvação é "libertação" de compromisso; é regularização de débitos. Como diz a bandeira do Espiritismo: "Fora da Caridade não há Salvação". Então, fora da prática do amor (caridade) de uns pelos outros, não estaremos salvos, livres das complicações criados por nós mesmos, através de brigas, violência, exploração, desequilíbrios, frustrações e muitos outros problemas que fazem a nossa infelicidade. Portanto, aproveitemos mais esta data, para revermos os pedidos do Cristo, para "renovarmos" nossas atitudes.
Como disse Celso Martins, no livro "Em busca do homem novo", baseando-se nas palavras de Paulo de Tarso, em 4 ef. vs. 22/23 : "Que surja o homem novo a partir do homem velho. Que do homem velho, coberto de egoísmo, de orgulho, de vaidade, de preconceito, ou seja, coberto de ignorância e inobservância com relação às leis morais, possa surgir, para ventura de todos nós, o homem novo, gerado sob o influxo revitalizante das palavras e dos exemplos de Jesus Cristo, o grande esquecido por muitos de nós, que se agitam na sociedade tecnológica, na atual civilização dita e havida como cristã. Que este homem novo seja um soldado da paz neste mundo em guerras. Um lavrador do bem neste planeta de indiferença e insensibilidade. Um paladino da justiça neste orbe de injustiças sociais e de tiranias econômicas, políticas e/ou militares. Um defensor da verdade num plano onde imperam a mentira e o preconceito tantas vezes em conluios sinistros com as superstições, as crendices e o fanatismo irracional. Que este homem novo, anseio de todos nós, seja um operário da caridade, como entendia Jesus: benevolência para com todos, perdão das ofensas, indulgência para com as imperfeições alheias."
Por isso, nós Espíritas, podemos dizer que, comemoramos a páscoa todos os dias. A busca desta “libertação” e/ou "renovação" é diário, e não somente no dia e mês pré determinado. Queremos nos livrar deste homem velho. Mas respeitamos a cultura e os costumes dos povos em geral, que ainda necessita de rituais. Que ainda dá maior importância para o coelhinho, o chocolate, o bacalhau, etc., do que renovar-se. Que acha desrespeito comer carne vermelha no dia em que o Cristo é lembrado na cruz. Sem se dar conta que o desrespeito está em esquecer-se Dele, nos outros 364 dias do ano, quando odiamos, não perdoamos, lesamos o corpo físico com bebidas alcoólicas, cigarro, comidas em excesso, drogas, sexo desregrado, enganamos o próximo, maltratamos os animais, a natureza, quando abortamos, etc. Aliás, fazemos na páscoa o que fazemos no Natal. Duas datas para reflexão e início de renovação nas atitudes. Mas que confundimos, infelizmente, com presentes, festas, comidas, etc.
Portanto, quando uma instituição espírita se propõe a distribuir ovos de páscoa aos carentes não significa que esteja comemorando esse dia, apenas está cumprindo o preceito de caridade, distribuindo um pouco de alegria aos necessitados. Aproveitando a ocasião para esclarecer o pensamento da Doutrina sobre a data.
 

Texto de Rudymara











sábado, 7 de abril de 2012

DEVEMOS MALHAR O JUDAS OU A NOSSA ALMA?

Malhação ou Queima de Judas é uma tradição vigente em diversas comunidades católicas e ortodoxas que foi introduzida na América Latina pelos espanhóis e portugueses. É também realizada em diversos outros países, sempre no Sábado de Aleluia, simbolizando a morte de Judas Iscariotes. Consiste em surrar um boneco do tamanho de um homem, forrado de serragem, trapos, doces e jornal, pelas ruas de um bairro e atear fogo, normalmente ao meio dia.
Mas, para nós espíritas, Judas errou como muitos outros apóstolos erraram. Sua fraqueza era a ganância, assim como cada um de nós tem a nossa ou as nossas. Como disse Bezerra de Menezes, “Jesus escolheu doze homens, não doze anjos”. Lembremos que Judas, ao ver o Cristo preso e condenado, arrependeu-se, tanto que foi desesperado procurar os sacerdotes e fariseus para devolver as 30 moedas e depois se enforcar. Mais tarde, se redimiu perante a lei de ação e reação reencarnando como Joanna D’arc que, segundo a semelhança de Jesus, foi traída, vendida, humilhada e morta. Só não foi crucificada. Morreu na fogueira. E o próprio Jesus perdoou a todos que O humilharam e pediram sua morte dizendo: “Pai, perdoa, eles não sabem o que fazem.” E, se Judas O entregou, a pena de morte foi decretada pelo povo que poderia absolvê-lo quando foi dado a eles escolher entre Jesus e Barrabás. Quem o matou realmente foi a sentença final dada pelo povo. Então, a história de violência deve acabar. Chega de enforcamento, guilhotina, cadeira elétrica, injeção letal, apedrejamento, duelo, campo de concentração, fogueira, paredão, bullying, linchamento que se assemelha a malhação, etc. Afinal, o ensinamento do Cristo é baseado no perdão. Ele veio pedir para modificarmos nossas atitudes usando Seus ensinamentos. Então, aprendamos a perdoar, a respeitar, a tolerar, a amar tudo o que é criação de Deus. Este é o maior respeito que podemos demonstrar a Ele. Deixar de comer carne na sexta-feira em respeito à Jesus e desrespeitar Seus ensinamentos de perdão e paz no sábado é incoerente. Malhar qualquer boneco que tenha a figura de Judas, de político ou qualquer outra figura é contrariar Seus ensinamentos. É incentivar a violência. É dar mau exemplo aos nossos jovens e crianças. Ato assim nos faz entender que Sua vinda, ainda hoje, foi pouco compreendida. Jesus deixou sua paz em ensinamento, somos nós que faremos esta paz acontecer através das nossas atitudes. A paz é conquista individual. Ao invés de malharmos o Judas, malhemos a alma, retirando dela os erros e falhas morais. Comecemos perdoando Judas. "Se perdoardes aos homens as faltas que cometerem contra vós, também vosso Pai celestial vos perdoará os pecados; mas, se não perdoardes aos homens quando vos tenham ofendido, vosso Pai celestial também não vos perdoará os pecados." (Mateus, VI - 14-15). Afinal, só deve atirar pedras no pecador aquele que não tem pecado algum (João 8:7)


Texto de Rudymara
 
 
 
 
 

sexta-feira, 6 de abril de 2012

JESUS E DIMAS, O LADRÃO


O que dizer quando JESUS estava na cruz e o ladrão á sua esquerda pede que ele se lembre dele no seu reino e ele fala: “ainda hoje estareis comigo no meu reino.” Isso não significa o perdão concedido por JESUS?

Segundo Divaldo Franco no livro "Entrevistas e Lições": "o reino como ensinou Jesus, está dentro de nós, portanto, não é um lugar no Além-túmulo. Então, ao arrepender-se pelos delitos cometidos, o ladrão começou uma mudança interior de comportamento que repercutirão no seu futuro renovado, será um verdadeiro céu para sua consciência." Como disse Emmanuel: “A concessão paternal de Deus, no que se refere à reencarnação para a sagrada oportunidade de uma nova experiência, já significa, em si, o perdão ou a magnanimidade da Lei.” Então, o perdão que o Espiritismo e os amigos espirituais preconizam em verdade não é de fácil execução. Requer muito boa-vontade. Demanda esforço - esforço continuado, persistente. Reclama perseverança. Pede tenacidade.

OBSERVAÇÃO: Diz Therezinha Oliveira que talvez a frase correta seja: "Em verdade te digo hoje: estarás comigo no paraíso" e não "Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso."
 
 
 
 
 
 
 

"DEUS MEU, DEUS MEU, POR QUE ME ABANDONASTE?..."


Esta frase intriga muita gente até hoje:

- Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?...

Leva muita gente pensar que Jesus sentiu medo da dor e da morte. Mas, na verdade, Jesus citou em aramaico uma frase do salmo 22:1 escrito pelo rei (médium) Davi. Jesus estava apenas se identificando com aquele que o salmista Davi se referiu, no salmo 22 que é uma visão profética do evento da crucificação. No versículo 16, por exemplo, diz: “….traspassaram-me as mãos e os pés.”. E no versículo 18 “Repartem entre si os meus vestidos, e lançam sortes sobre a minha túnica”, confirmado nos quatro evangelhos, Mateus 27:35; Marcos 15:24; Lucas 23:34 e João 19:24 onde houve a disputa da túnica pelos soldados romanos, confirmando a visão profética do médium Davi. Então, Jesus não se sentiu abandonado, apenas mostrou que Ele era a figura citada por Davi neste salmo.

 







JESUS É CONDENADO A PENA DE MORTE

Na última sexta-feira que Jesus esteve na Terra: os membros da corte, que não podiam sentenciar ninguém a morte, levaram Jesus amarrado para Pilatos, o governador romano. Astutamente eles acusaram o Cristo de trair a lei romana. E não a judaica.
Pilatos interrogou Jesus perguntando:
- Você é o rei dos judeus?
E Jesus respondeu:
- Você é quem está dizendo isso.
Pilatos interrogou novamente:
- Nada tens a responder? Vê de quanta coisa te acusam!
Mas Jesus não respondeu mais nada, e Pilatos fica impressionado e diz aos sacerdotes e para o povo:
- Não acho nele crime algum . . .
Pilatos não sabia o que fazer. Ele não achava que Jesus era um traidor. Mas se o soltasse, sabia que os lideres judeus iriam se revoltar e o imperador poderia culpá-lo. Por fim, descobre um modo de resolver o problema e se sair bem. Vendo a multidão, ele resolveu deixar o povo resolver. Havia uma lei que dava poder ao povo, na época da páscoa, de escolher um prisioneiro para ser solto. Mas o que Pilatos não sabia é que os líderes haviam jogado o povo contra o Cristo. Então, Pilatos disse:
- É nosso costume soltar um prisioneiro na páscoa. Quem devo soltar? Jesus, o Cristo ou Barrabás, o assassino?
O povo logo gritou:
- Barrabás! Solte Barrabás!
Pilatos fica atônito e pergunta:
- Que mal fez ele?
Eles responderam gritando:
- Seja crucificado!
Pilatos viu que nada conseguia, e que poderia haver uma revolta. Mandou trazer água, lavou as mãos diante da multidão, e disse:
- Eu não sou responsável pelo sangue desse homem. É um problema de vocês.
Pilatos manda chicotear Jesus, achando que o povo, talvez ficasse satisfeito vendo Jesus castigado. Depois os soldados fazem uma coroa de espinhos e põem em sua cabeça. Pilatos apresenta Jesus ao povo, esperando que eles tivessem compaixão Dele ao vê-lo ferido. Mas o povo continuou pedindo sua morte. Enojado, Pilatos solta Barrabás, e entrega Jesus para ser crucificado. E escreve estas palavras numa placa para ser colocada no topo da cruz: “Jesus de Nazaré, rei dos judeus.” Esta seria sua vingança. Ele sabia que os lideres judeus iriam se irritar ao ver aquelas palavras na cruz de um homem condenado a morte.
Então Judas, o traidor, ao ver que Jesus fora condenado, sentiu remorso, e foi devolver as trinta moedas de prata aos chefes dos sacerdotes e anciãos, dizendo:
- Pequei, entregando a morte sangue inocente.
Responderam eles:
- E o que temos nós com isso? O problema é seu.
Judas jogou as moedas no santuário, saiu, e foi enforcar-se.
Jesus fica nas mãos dos soldados romanos. Eles põem a cruz sobre seus ombros e o forçam a carrega-la até um morro chamado Calvário. Lá, eles pregam mãos e pés de Jesus naquela cruz. Jesus, olha para o céu e diz:
- Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem!
E nos instantes finais disse:
- Pai, em tuas mãos entrego meu espírito.
Um homem chamado José de Arimatéia, que era membro da corte, foi falar com Pilatos:
- Quero o corpo de Jesus para enterra-lo antes que comece o sábado (dia sagrado para os judeus).
Com todo cuidado José tira o corpo de Jesus da cruz e com a ajuda de Nicodemos o envolve em panos de linho e colocam num túmulo de seu jardim. Como Jesus disse que depois de 3 dias ia ressuscitar, os sacerdotes pedem para Pilatos colocar soldados guardando o túmulo. Pois tinham medo que os discípulos roubassem o corpo e dissessem que Ele reviveu. Os soldados, então, ficam de guarda.

Observação: Jesus foi, injustamente, condenado a morte. Por contrariar sacerdotes e fariseus estes planejaram sua morte. Infelizmente, até hoje convivemos com esta intolerância. O que será que aconteceria se Jesus estivesse entre nós? Hoje não há crucificação, mas há linchamento, emboscada, sequestro, etc. Pensemos nisso. Sua vinda mudou totalmente o comportamento dos cristãos?

Jesus não viveu para nos salvar, mas para mostrar o caminho da salvação....se Ele tivesse levado o pecado do mundo, o mundo não estaria tão desequilibrado.....Ele está esperando que salvemos o mundo com nossa conduta em relação ao próximo, ao planeta e a nós mesmos usando os ensinamentos Dele.
Como estamos tratando o próximo da família consanguínea? Da escola? Do trabalho? Da via pública? E o planeta: os animais, as florestas, o ar?






quinta-feira, 5 de abril de 2012

ÚLTIMA CEIA DE JESUS



Na última quinta-feira de Jesus na Terra, Ele:

1º) Chama Pedro e João para que eles fossem a Jerusalém para prepararem tudo para celebrarem a páscoa. Pedro e João preparam tudo e naquela noite Jesus vai com os outros. Depois que se assentaram, Jesus se ajoelha, como um servo e lava os pés dos discípulos. Depois que Ele lavou os pés de todos, senta-se à mesa de novo e diz: - Vós me chamais de Mestre e Senhor e dizeis bem, pois eu o sou. E se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, assim deveis fazer uns aos outros (...). O ensino é magistral, reafirmando a mensagem mais importante: Para Deus o maior será sempre aquele que mais disposto estiver a servir, o que mais se dedique ao Bem. Porque ninguém é mais ou melhor que ninguém.
 
 
2º) Revela que um dos discípulos iria O trair, deixando Judas muito nervoso.

3º) Depois repartiu o pão deu graças e distribuiu entre eles, dizendo ser (simbolicamente) o "seu corpo", oferecido por eles. Da mesma maneira Jesus fez com o cálice de vinho, dizendo ser (simbolicamente) seu sangue, que também seria derramado para beneficiá-los. E pediu: "façam isto em memória de mim." Para nós espíritas, Jesus pediu para que os apóstolos (do cristianismo) compartilhassem uns com os outros o pão de cada dia, seja o pão de trigo, seja o pão do espírito, o pão da dor ou da alegria. Enfim, que doassem e se doassem, derramando sangue, se preciso fosse, assim como ele fez por nós. Ele fez este pedido porque sabia que sua doutrina não seria de fácil aceitação, por isso concluiu: "se me perseguiram, também perseguirão a vós outros." Foi o que aconteceu com seus discípulos. Exemplo: Pedro foi crucificado de cabeça para baixo. Ele pediu que fizessem isto em memória Dele para que seus ensinamentos não ficassem esquecidos.

4º) Adverte Pedro dizendo que este O negaria por 3 vezes antes do galo cantar.

5º) Recomenda: - Se me amais, observareis meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que permaneça convosco para sempre, o Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece . . . Tenho ainda muito que vos dizer, mas não podeis suportar agora. Quando vier aquele Espírito de Verdade, ele vos conduzirá à verdade completa, pois falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará o que está por vir. Ele me glorificará porque receberá do que é meu e vos anunciará. A ortodoxia religiosa situa o Consolador, o Espírito de Verdade, na festa de Pentecostes, quarenta dias após as materializações de Jesus, quando os discípulos, sob influência do Espírito Santo, falaram e profetizaram em línguas estrangeiras. Esta é uma idéia equivocada. Não vemos o Consolador naquelas manifestações. A morte de Jesus era recente. Nada havia para recordar, porque nada havia esquecido. E, se Jesus tinha muito que dizer, mas não disse porque o povo não estava preparado naquele momento, como estaria preparado 40 dias depois? Então, a Doutrina Espírita é apresentada pelos mentores espirituais que orientavam Kardec como o Consolador. O Espiritismo ajuda-nos a compreender bem o significado de suas palavras, mesmo aquelas que nos parecem difíceis e enigmáticas.

6º) Depois foi ao horto orar. Na volta Jesus prevê a chegada do “traidor” e um grupo de homens. Este o identifica com um beijo. Enquanto Jesus sofre insultos no interrogatório, Pedro negou conhecer Jesus por 3 vezes, cumprindo assim a previsão de Jesus. Na terceira negação o galo cantou e Pedro ficou espantado e quando ergue a cabeça seus olhos se encontram com os de Jesus que está sendo levado para a corte. Envergonhado, ele corre para fora chorando e pedindo perdão a Deus por ter negado conhecer Jesus.



quarta-feira, 4 de abril de 2012

JUDAS REENCARNOU? - Richard Simonetti


Na última quarta-feira de Jesus na Terra, Judas passa o dia com Ele e os outros sem imaginar que Jesus já sabia o que ele fez.
Judas, que fracassou no apostolado, traindo Jesus e acabando por suicidar-se, já reencarnou ?
R: Segundo o espírito Humberto de Campos, que descreveu um encontro com Judas, no livro Crônicas de Além Túmulo, psicografado por Francisco Cândido Xavier, o apóstolo reencarnou várias vezes após a desastrada experiência, em resgates dolorosos. Culminou no século XV, quando quitou seus derradeiros débitos.
Disse Judas no livro citado: "(...) já fui absolvido pela minha consciência, no tribunal dos suplícios redentores. Quanto ao Divino Mestre, infinita é a sua misericórdia e não só para comigo, porque, se recebi trinta moedas vendendo-O aos algozes, há muitos séculos Ele está sendo criminosamente vendido no mundo, a grosso e a retalho, por todos os preços, em todos os padrões do ouro amoedado . . .”
E quem teria sido Judas, nessa existência?
R: Admite-se que foi Joana D’Arc (1412-1431) que, à semelhança de Jesus, foi traída, vendida, humilhada e morta. Só não foi crucificada. Morreu numa fogueira.

Observação: Chega de "malhar" ou de "linchar" o Judas. Ele se arrependeu antes de se enforcar jogando as moedas aos pés dos sacerdotes. Jesus sabia as fraquezas de cada um de seus discípulos e a de Judas era a ganância. Qual de nós não tem uma fraqueza? Afinal, Jesus pediu que perdoássemos sempre e que só deve atirar pedras no pecador aquele que não tem pecado algum.




terça-feira, 3 de abril de 2012

"DAI A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR ...." - disse Jesus


Após ter expulso os vendilhões do templo na segunda-feira e causar indignação e revolta dos sacerdotes e fariseus, o plano contra Jesus estava pronto.
Na terça-feira Jesus foi testado por um fariseu que Lhe perguntou se era correto pagar tributo a César. Jesus pediu uma moeda e perguntou quem estava cunhado naquela moeda. O fariseu respondeu que era a face de César. Então Jesus disse:
- Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.
O que é de César? Os bens materiais. O que é de Deus? Os bens espirituais.
Se Jesus dissesse “sim” (que era correto pagar tributo a César) o povo que odiava pagar impostos ficaria contra Jesus. E se Jesus dissesse “não” seria preso por trair Roma.

Depois Jesus é testado novamente pelo fariseu que lhe perguntou qual dos 613 mandamentos era o mais importante? Jesus respondeu:
- Amarás teu Deus de todo coração, de toda tua alma, de todo teu ensinamento, e todas as tuas forças, e depois, amarás o próximo como a ti mesmo.
O fariseu surpreende-se com a resposta e concorda. Mais tarde Jesus adverte o povo a ter cuidado com pessoas que fazem o bem para serem visto. E observa um homem rico colocando sua oferta e uma viúva pobre pondo duas moedas. Disse Ele:
- A viúva deu mais que todos, pois deu tudo que possuía.
Depois disso Jesus vai para o Monte das Oliveiras. Na mesma noite Judas negociou com os principais sacerdotes para entregar Jesus.