domingo, 15 de julho de 2018

TROQUEMOS DE LADO


Vemos e nos pegamos, muitas vezes, julgando ou agindo contra uma pessoa ou situação. Sem nos dar conta que, se estivéssemos do lado de lá, nosso julgamento ou atitude seria diferente. Quando dizemos, por exemplo, "o filho(a) de fulano não presta", pensemos que, o "filho de fulano" poderia ser nosso filho. Daí perguntamos: "Será que gostaríamos de ouvir alguém dizendo o mesmo do nosso filho?" Com certeza não e ainda diríamos: "ele é um bom filho, foi um deslize ou foram os amigos que o arrastaram para o mal." Quando é filho dos outros "não presta" e quando é nosso "foi um deslize"? Quando ficamos irritados com um vendedor(a) numa loja, há quem chame o gerente e reclame do funcionário(a) com veemência, sem pensar que ele poderá ser mandado embora. Mas, se aquele funcionário fosse nosso filho? Será que aplaudiríamos alguém que reclamasse dele para o patrão? Quando o filho é delinquente e é repreendido por um policial, muitos pais passam a odiar o policial. Mas, se este filho fosse o policial, será que ele defenderia o delinquente que o filho prendeu ou o apoiaria? Quando um professor(a) chama a atenção de um aluno(a), muitos pais ficam indignados, sem perguntar quem está certo ou errado, logo corre para a escola para reclamar do professor. Mas, se este professor fosse seu parente, seu filho(a) ou nós mesmos, será que agiríamos assim? Outro dia, num supermercado, uma senhora disse ao funcionário novo do caixa: "como você é lerdo!" Pensei comigo: "Será que ela diria isso se fosse seu neto?" "Será que ela ficaria contente ao ouvir alguém fazendo esta afirmativa humilhante com seu neto?" Estes são apenas alguns exemplos para ilustrar o quanto, ainda, deixamos de lado o ensinamento do Cristo que diz: "Faça ao teu próximo o que quer que ele lhe faça." Quando seguirmos esta máxima, todos nossos atos, pensamentos e palavras serão medidos, porque nos colocaremos do lado oposto. Muitas desavenças, brigas e, até violência, acabariam. Se não gosto que falem de mim e dos meus, não falarei das outras pessoas. Se não gosto que me enganem, não enganarei ninguém. Se quero que respeitem minha religião, raça, orientação sexual e outros, devo fazer o mesmo com os outros. E assim por diante. É simples, mas é um ensinamento que aplicamos apenas para os outros. Jesus precisa ser lembrado, não só para fazermos pedidos a Ele, mas, principalmente, na vivência de seus ensinamentos. Este é o propósito da Sua vinda à Terra. Pensemos nisso!

Rudymara

sexta-feira, 13 de julho de 2018

AGRADECER MAIS E RECLAMAR MENOS


É necessário não considerarmos como felizes apenas os acontecimentos importantes, pois os que parecem insignificantes são frequentemente os que mais influem no nosso destino. O homem esquece facilmente o bem, e se lembra mais do que o aflige. Se diariamente anotássemos os benefícios que recebemos, sem pedir, ficaríamos muitas vezes admirados de haver recebido tanta coisa que nos esquecemos, e nos sentiríamos humilhados pela nossa ingratidão.

Allan Kardec. O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. 28, item 28.


SUPERSTIÇÃO


SORTE E AZAR



Deus não criaria um animal para dar azar a alguém. Ele sabe que muitos de nós ainda somos ignorantes e maldosos e, consequentemente, maltrataríamos este animal. Portanto, paremos de colocar a culpa dos acontecimentos de nossa vida em coisas, pessoas e animais. Observemos mais as leis divinas para colhermos o bem. Sorte e azar são apenas consequências da lei de causa e efeito.

Rudymara

quarta-feira, 11 de julho de 2018

AMA-TE RESPEITANDO-TE


Embora seja engraçado, não deixa de ser sério. No "nudes" o que os adeptos conquistam são relacionamentos conflituosos, passageiros, perigosos, desrespeitosos, de interesse pelo prazer efêmero, que causa sofrimentos, má reputação e arrependimento. Como disse Emmanuel: "Cultivemos o respeito a nós mesmos, sem o qual não se sabe de que modo angariar o respeito dos outros" e, como aconselhou Joanna de Ângelis: "Ama-te, respeitando-te e agindo de maneira que não te envergonhes de ti mesmo quando submetido ao crivo da consciência." Lembre-se que, amor próprio é um sentimento de dignidade, estima ou respeito que cada qual tem por si mesmo, não só pela aparência e saúde física, mas também pelo comportamento moral. Então, "AMA-TE, RESPEITANDO-TE". Pense nisso!
Rudymara


CARIDADE





A caridade é sempre uma bênção de Deus, mas não se restringe ao pão e ao agasalho que distribuas. Vemo-la por serviço aos outros, em qualquer parte.
Caridade será tolerar com paciência o parente necessitado, respeitar as dificuldades do vizinho sem comentá-las, amparar a criança tresmalhada na rua ou socorrer a um animal doente.
Não te digas incapaz de praticá-la.
Caridade é a bênção da compreensão, a palavra encorajadora, o gesto de bondade, o sorriso de simpatia.
Podes começar a exercê-la, prestando serviço aos teus, em tua própria casa.

Emmanuel

FIM DO MUNDO NA VISÃO ESPÍRITA



O fim do mundo para os espíritas significa o fim do mundo de provas e expiações e o começo do mundo de regeneração, ou seja, nosso planeta está evoluindo. A peneira que Jesus separará o joio do trigo já está acontecendo após a desencarnação de cada um de nós, no plano espiritual. Lá serão avaliados nossos atos. Todos aqueles que não vacilam em praticar o mal, com o propósito de atender suas ambições, seus vícios, conscientes dos prejuízos que causam, sem nenhum constrangimento, sem nenhum respeito pela vida humana, “NÃO HERDARÃO A TERRA” como advertiu Jesus, ou seja, não reencarnarão mais na Terra. Os Espíritos que persistirem no mal (OS JOIOS) encarnarão em planetas inferiores, ONDE HAVERÁ CHORO E RANGER DE DENTES, porque lá enfrentarão limitações e dores que funcionarão como lições que ajudarão na eliminação das falhas morais que ainda fazem parte da sua personalidade, até que aprendam a serem mansos e pacíficos, para que suas atitudes sejam dignas de filhos de Deus. Eis alguns exemplos: O seqüestrador que comercializa a vida de suas vítimas; O traficante de drogas que prospera arruinando vidas; O assaltante que não vacila em "apagar" os que se atrevem a esboçar a mais leve reação às suas exigências; O explorador de jovens, que lhes impõe o lamentável comércio do sexo; O profissional que assassina friamente seres indefesos no ventre materno, no tenebroso delito do aborto; O terrorista que mata indiscriminadamente, com o propósito de conseguir seus objetivos em bases de intimidação da sociedade, e outros. Por outro lado, o progresso do nosso planeta está acontecendo com a ajuda dos Bons (OS TRIGOS). Estes continuarão a reencarnar na Terra, e consequentemente, herdarão um mundo melhor. Eis alguns exemplos do progresso do planeta: Os espetáculos de gladiadores lutando até a morte; A escravidão foi erradicada; Os preconceitos raciais são combatidos; A tirania é contestada; A guerra é encarada pelos governos como triste espetáculo de barbárie e subdesenvolvimento; Os povos começam a entender a necessidade de coexistência pacífica; A necessidade de cuidar do planeta; Iniciou-se a conscientização do cuidado com o corpo físico e já estamos eliminando o cigarro de nossos hábitos; a bebida alcoólica começa a ser questionada, o exercício físico, a boa alimentação, etc.; Multidões trabalham diligentemente, cumprindo seus deveres e respeitando as leis.
SE O MUNDO ESTÁ MELHORANDO, POR QUE TANTA VIOLÊNCIA? A incidência maior dessas ocorrências decorre da reencarnação de multidões de Espíritos em estágios primários de evolução. São Espíritos ainda dominados por instintos, sem noção razoável do bem e do mal. Obedecem aos seus impulsos, roubando, matando e lesando ao próximo e a si mesmo sem nenhum constrangimento. Desconhecem o que seja sentir culpa ou remorso. Estão tendo a oportunidade de escolher ser joio ou trigo.
ENTÃO, A HUMANIDADE NÃO ESTÁ PIOR? Fomos criados para evoluir, nunca para retroceder. A Humanidade não está pior do que aquela de épocas recuadas. Ocorre que, com o crescimento demográfico, com a facilidade da Informática, dos meios de comunicação, nós recebemos informações maciças e muito expressivas, que nos dão uma idéia desagregadora do comportamento humano. Isto, porque, lamentavelmente, os valores positivos ainda não tem merecido muito destaque nas programações da televisão, das rádios, etc. O bem não causa impacto; infelizmente, a tragédia, sim. O amor sensibiliza por um pouco, mas o infortúnio deprime por muito tempo. Nunca houve no mundo tanta bondade como hoje. O mal aparente está, somente, numa minoria militante do desequilíbrio. Uma minoria que faz muito barulho. Mas, neste século veio uma grande equipe de espíritos missionários para ajudar.
QUANTO TEMPO LEVARÁ PARA OCORRER ESTA TRANSIÇÃO DO PLANETA? Segundo o médium Divaldo Franco o processo de evolução é muito lento e que, se for nesse milênio a transformação, lembremos que até o dia 31 de dezembro de 2999, ainda estaremos no 3º Milênio. Portanto, tenhamos paciência, mas fazendo o nosso melhor onde estivermos, para ajudarmos a transição do nosso planeta.

Compilação de Rudymara

VERDADEIRO ESPÍRITA


DIABO NA VISÃO ESPÍRITA


Sabemos que, nós somos espíritos, e levamos para o além túmulo a nossa indisciplina e maldade, assim como levamos também todas as experiências boas adquiridas. Nosso planeta ainda é muito inferior, por isso a predominância dos espíritos inferiores é maior. Esses espíritos, deste e do outro mundo, constituem a falange denominada no Evangelho pelo nome de SATANÁS, DIABO ou DEMÔNIO. São os adversários, os inimigos da Justiça, do Bem, da Verdade. Mas não podemos nos esquecer que, são filhos de Deus, consequentemente, nossos irmãos. Deus, que é eternamente justo e bom, não pode ter criado seres predispostos ao mal por sua própria natureza e condenados pela Eternidade. Se Deus, que é bom, não é capaz de perdoar, como espera que exercitemos o perdão ensinado por Jesus? Acreditar na pena eterna, seria negar Sua bondade. E, como poderia existir um maligno lutando de igual para igual com a Divindade e cuja única preocupação seria de contrariar Seus planos? Será que não podemos confiar nos "anjos", já que estes seres perfeitos correm os riscos de rebelarem-se? Os Espíritos não retrocedem na evolução, portanto, quando alcançam a perfeição não se rebelam, porque não abrigam mais sentimentos de orgulho, ódio, maldade, revolta ou revide. Se acreditássemos nisso teríamos que acreditar que Deus errou na Sua criação, consequentemente, que Ele não é perfeito. Seria um absurdo acharmos isso. Jesus disse na última ceia: "Vocês não são os doze que escolhi? Apesar disso, um de vocês é um diabo". Jesus se referia à Judas. E este, como sabemos, não tinha capa vermelha, chifres e tridente. O homem, por necessitar de imagens e figuras para impressionar sua imaginação, pintou os seres incorpóreos com formas materiais dotadas de atributos que lembram as suas qualidades ou seus defeitos.
Então, Anjo e Demônio, segundo a Bíblia, é uma maneira simbólica de dizer que o Bem e o Mal lutam constantemente dentro de nós. Entretanto, podemos designar por anjos os Espíritos puros que já alcançaram a perfeição. Neles o Bem já venceu o Mal; por demônios, os Espíritos atrasados, imperfeitos, que ainda cedem às tentações do mal.
O "DIABO" NOS OBRIGA A FAZER COISAS QUE NÃO QUEREMOS? Os espíritos malfazejos não têm o poder de criar o mal. Apenas alimentam o mal que há na pessoa. Jamais seremos induzidos à violência se conquistamos a mansuetude. Imaginemos alguém à beira de um precipício. Nenhum Espírito vai jogá-lo no abismo. Apenas poderá sugerir dizendo: “Salte! Veja como é bom! Você experimentará a sensação de voar! Um prazer indescritível!” Infelizmente, muitos, aceitando convites assim, de desencarnados e de encarnados, mergulham em paixões e viciações. Experimentam, passageiramente, prazeres e alegrias, vinganças e revides. Invariavelmente, entretanto, “esborracham-se” no fundo do abismo, comprometidos em difíceis perturbações e angústias que lhes amarguram a existência. Então, o mal que devemos temer, é o mal que ainda se encontra em nós. Os Espíritos farejam as chagas que se encontram em nossa alma. Encontramos, todos os dias, nos noticiários pessoas cometendo atos diabólicos. Tais atos mostram seu nível evolutivo. Mas lembremos que, a condição de "DIABO" é transitória, passageira, porque Deus nos criou para a perfeição e lá chegaremos quer queiramos ou não porque essa é a Sua vontade. O demônio de hoje será o anjo de amanhã, quando a vida lhe impuser penosas experiências de reajuste, através da reencarnação, reconduzindo-o aos roteiros do Bem. Então, podemos dizer que O DIABO NÃO EXISTE, não da maneira alegórica que muitos imaginam. O que existe são Espíritos, encarnados e desencarnados, com comportamento diabólico.Nós temos, infelizmente, a facilidade em acreditar no poder do mal do que no poder de Deus que é maior que qualquer força negativa. Mas, lembremos Deus não nos livra do Mal, Ele apenas mostra como devemos nos livrar desse mal. Se Ele fizesse tudo por nós, ninguém se esforçaria para fazer a reforma íntima e, consequentemente, não evoluiríamos. Fica a dica de Jesus: "ORAI e VIGIAI" seus pensamentos e atitudes para não cairdes em tentação. Pensemos nisso!

Rudymara

TRANQUILIDADE




Comece o dia na luz da oração. 
O amor de Deus nunca falha.
Aceite qualquer dificuldade sem discutir. 
Hoje é o tempo de fazer o melhor.
Trabalhe com alegria. 
O preguiçoso, ainda mesmo quando se mostre num pedestal, de ouro maciço é um cadáver que pensa.
Faça o bem quando possa. 
Cada criatura transita entre as próprias criações.
Valorize os minutos. 
Tudo volta com exceção da hora perdida.
Aprenda a obedecer no culto das próprias obrigações. 
Se você não acredita na disciplina, observe um carro sem freio.
Estime a simplicidade. 
O luxo é o mausoléu dos que se avizinham da morte.
Perdoe sem condições. 
Irritar-se é o melhor processo de perder.
Use a gentileza, mas, de modo especial dentro da própria casa. 
Experimente atender os familiares como você trata as visitas.
Em favor de sua paz conserve fidelidade a si mesmo. 
Lembre-se de que, no dia do Calvário, a massa aplaudia a causa triunfante dos crucificadores, mas o Cristo solitário era causa de Deus.
André Luiz

POR QUE HÁ CENTRO ESPÍRITA QUE TEM TRABALHO DE CURA ESPIRITUAL E OUTRO NÃO?



Na verdade, todo Centro Espírita possui um trabalho de cura muito bem montada através da FLUIDOTERAPIA, que são os passes e a água fluidificada e deveria ser o único.
O magnetismo tem poder de cura, o próprio Allan Kardec nos fala na Revista Espírita e nas obras da codificação. Antes de estudar fenômenos espíritas, ele estudou magnetismo por mais de 30 anos. O Espiritismo não faz milagres; unicamente descobriu algumas leis que regem os fluidos e as aplica em benefício da humanidade sofredora.
Os espíritos curadores se utilizam dos fluidos que os médiuns passistas irradiam para a produção das curas e manipulação dos remédios fluídicos.
Os que estão recebendo o passe deverão ligar seu pensamento ao alto, para ajudar a receptividade. De pensamento elevado, o magnetismo penetra mais facilmente. E de pensamento negativo, dificulta a penetração dos fluidos. Os doentes incuráveis (sabemos que nem todos receberão a cura) encontrarão profundo alívio no passe e na água magnetizada. 
POR QUE MUITAS PESSOAS SE CURAM NA CASA ESPÍRITA? 
Pelo mesmo motivo que pessoas se curam fazendo promessa na igreja católica, passando óleo ungido dos templos protestantes (evangélicos), com florais de Bach, cromoterapia, etc., porque "é a fé e o merecimento que contam". Os trabalhadores de Deus se encontram em todos os lugares e casas religiosas. Eles não olham a forma que a pessoa escolheu para se curar e nem a religião, eles apenas se aproveitam da receptividade dessa pessoa para realizar a cura. Lógico que observam o mérito da pessoa, a chance daquela cura despertar na pessoa a busca da saúde do espírito e o planejamento dessa pessoa, antes de encarnar. Pois, há quem peça, por exemplo, uma doença como prova. Por isso, é preciso esclarecer, aos frequentadores da Casa Espírita, que a cura não acontece em todos os casos. Ás vezes, o bem do doente está em continuar sofrendo. Devemos explicar, segundo a visão espírita, porque ficamos doentes, porque uns conseguem se curar e outros não, etc. Para que os que não alcançarem a cura, não saiam decepcionados achando que o Espiritismo é uma religião de charlatães. Os Centros Espíritas precisam, ao lado do passe, propiciar os meios para que frequentadores conheçam a doutrina e se exercitem num trabalho íntimo de evangelização, para a conquista da saúde definitiva, que é a cura das chagas da alma. Afinal, a finalidade do Espiritismo não é curar corpos, mas almas. Pensemos nisso!

Rudymara

BAGAGEM ESPIRITUAL



Muitos de nós damos demasiado valor aos bens materiais. Costumamos dizer: "tenho um carro", "tenho uma casa", "tenho tantos sapatos", entre outros bens materiais. Mas, na verdade, só temos o que levaremos após a morte do corpo físico, ou seja, os valores que tivermos acumulado no espírito. Os bens materiais são empréstimos de Deus para que os utilizemos o tempo que estivermos aqui. O bom ou mau uso contará na prestação de contas com a lei divina. "A cada um segundo suas obras", disse Jesus.

Rudymara

sábado, 30 de junho de 2018

DESENCARNAÇÃO DE CHICO XAVIER



Hoje faz 16 anos que Chico Xavier desencarnou. Deixou muita saudade e ensinamentos. Difícil não lembrar dele todos os dias quando lemos as mensagens ditas e psicografadas por ele que circulam nas redes sociais. Difícil esquecer daquele eterno sorriso no rosto, da atenção com todos, da palavra que conforta, da caridade sem mesmo dizer nada. Um espírito que amou até o último momento de vida na Terra, pois dizia que gostaria de desencarnar no dia em que o povo brasileiro estivesse feliz. Seu pedido foi atendido. Desencarnou no dia em que o Brasil ganhou a Copa do Mundo. Merecimento por tantos anos de dedicação à causa espírita cristã. Pensou até o último instante na dor alheia e mostrou mais um ato de humildade. Não queria a atenção só para si. Psicografou mais de 400 livros e, cada centavo da venda desses livros, foi doada, em cartório, à obras sociais. Era pobre, materialmente falando, mas partiu levando muita riqueza no espírito. Este era Francisco Cândido Xavier, o homem AMOR. Embora não desse importância ás homenagens e títulos, ele ganhou o título de "O maior brasileiro de todos dos tempos", realizado pelo SBT. Ele ressuscitou os "mortos" dando a eles a chance de se comunicarem através da psicografia. Graças a ele tivemos a comprovação que a vida continua após a desencarnação. Portanto, sabemos que Chico vive lá e cá e, cabe a nós homenageá-lo lendo e estudando os livros psicografados por ele, fazendo valer seu esforço e trabalho em prol do Amor e da Caridade. Obrigada, Chico!
Rudymara



quinta-feira, 28 de junho de 2018

COMO AFASTAR OS MAUS ESPÍRITOS



Explica Kardec em O Evangelho segundo o Espiritismo e em O Livro dos Médiuns: 
"Os maus espíritos não vão senão onde acham com o que satisfazerem a sua perversidade; para afastá-los, não basta pedir-lhes nem mesmo ordenar, é preciso despojar de nós o que os atrai. Os maus espíritos farejam as chagas da alma, como as moscas farejam as chagas do corpo; do mesmo modo que limpamos o corpo para evitar a bicheira, limpemos também a alma de suas impurezas para evitar o ataque dos maus espíritos." 
“O melhor meio de expulsar os maus Espíritos consiste em atrair os bons. Atraí, pois, os bons Espíritos, praticando todo o bem que puderdes, e os maus desaparecerão, visto que o bem e o mal são incompatíveis. Sede sempre bons e somente bons Espíritos tereis junto de vós.”
Portanto, não há amuletos, banhos, defumações e rezas que afastarão os maus espíritos de nós e sim nossa mudança de conduta como: abolir vícios, maus sentimentos, palavras e atitudes. Como está no O Livro dos Médiuns, 2ª parte, cap. XXV, item 282-17ª diz: “(...) A VIRTUDE DOS TALISMÃS, DE QUALQUER NATUREZA QUE SEJAM, NÃO EXISTEM SENÃO NA IMAGINAÇÃO DAS PESSOAS CRÉDULAS.” Por isso a doutrina enfatiza a reforma íntima, ela nos livra de maus espíritos e de resgates dolorosos. Como disse Chico Xavier: "O espírita que não se preocupa com a renovação íntima ainda não compreendeu a essência do Espiritismo." Pensemos nisso!


Rudymara



PRECISAMOS APRENDER A CONVIVER


Estamos vivendo uma época onde muitos querem impor sua religião, seu time de futebol, sua escolha política e outros. E quando o outro não aceita, acontece violência verbal ou física. Ninguém é obrigado a pensar como nós, gostar do que gostamos, de aceitar nosso jeito de ser e de viver, basta respeitar, podemos conviver mesmo divergindo em alguns pontos. Assim como não queremos que nos imponham seu modo de agir e pensar, o outro também não quer que façamos o mesmo com ele. Se eu não gosto de cebola, por exemplo, não significa que eu deixarei de ser amiga de quem gosta. Se sairmos para fazer um lanche, eu pedirei algo sem cebola e a outra pessoa pedirá com cebola, a amizade não vai mudar. Nem tudo é assédio, homofobia, preconceito e outros. Quem não separa as coisas corre o risco de ficar intransigente, intolerante, chato, antipático e de difícil convivência. Como disse André Luiz: "Muito difícil viver bem se não aprendemos a conviver..."
Pensemos nisso!


Texto de Rudymara



domingo, 24 de junho de 2018

NOSSAS AÇÕES TEM RETORNO



Tudo na vida tem retorno, tanto de bom que fizermos como de mau, nesta ou em outra encarnação. Deus mandou os 10 mandamentos na época de Moisés para que os seguíssem, mas não deram muita importância. Mais tarde Ele enviou Jesus para dar significado e exemplificar tais mandamentos e, muitos de nós, ainda estamos relutantes em segui-los. Por isso vemos tanta gente sofrendo, elas estão apenas colhendo os frutos do seu mau plantio. Cada dificuldade é uma lição que nos induz a errar cada vez menos porque, como disse Jesus: "... de lá não sairás enquanto não pagares até o último ceitil (centavo)." Portanto, encarnaremos quantas vezes for necessário até quitarmos nossos débitos. O livre arbítrio nos dá livre escolha para fazermos o que quisermos, mas a razão nos lembra o alerta do apóstolo Paulo: "Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém." Por que? Porque "o resultado do que fizermos (de bom ou de ruim) nos espera mais adiante." Pensemos nisso!
Rudymara



SÃO JOÃO NA VISÃO ESPÍRITA


Hoje, 24 de junho os católicos comemoram o dia de São João. Por isso, resolvemos colocar a história de João Batista pela ótica espírita. 
João Batista, chamado de “O Precursor’, era primo de Jesus, filho de Isabel e Zacarias e vestia-se de peles e alimentava-se de mel e animais silvestres. Tinha rigidez em suas ideias, opiniões e comportamento. Abstendo-se de bens e prazeres, vivendo unicamente para o bem, convocando o povo ao arrependimento dos pecados e a se prepararem para receber o Redentor (Jesus). João utilizava o ato simbólico do batismo para ressaltar ser indispensável o arrependimento, o reconhecimento dos deslizes do passado, para receber as bênçãos que o mensageiro divino (Jesus) traria. A imersão era precedida de uma confissão pública e da profissão de fé do iniciado, que se dispunha à renovação, combatendo as próprias fraquezas. É o que fica evidente, em passagens como estas: “Arrependei-vos, fazei penitência, porque é chegado o reino dos céus”; “Eu na verdade, vos batizo com água para vos trazer à penitência; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo e com o fogo”. MAS O QUE É O BATISMO COM FOGO E COM O ESPÍRITO SANTO? Batismo de fogo é o esforço de vencermos nossos instintos e hábitos inferiores, procurando praticarmos o bem. Este esforço é uma luta dentro de nós e em meio a tudo e a todos. E o batismo com o Espírito Santo é a sintonia com os benfeitores do plano invisível, através de manifestações mediúnicas ostensivas (ver, ouvir, etc., os desencarnados) ou sutis (pressentir, intuir, etc.). Os discípulos, receberam um magnífico Batismo do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, quando os Espíritos do Senhor se manifestaram através deles, em diversos idiomas, aos habitantes e visitantes de Jerusalém (Atos, cap.2)."
João pedia ao povo: "QUEM TIVER TÚNICAS, REPARTA COM QUEM NÃO TEM, E QUEM TIVER ALIMENTOS, FAÇA DA MESMA MANEIRA”; aos publicanos (coletores de impostos) orientava dizendo: "NÃO PEÇAIS MAIS DO QUE VOS ESTÁ ORDENADO”; aos soldados aconselhava: "A NINGUÉM TRATEIS MAL NEM DEFRAUDEIS, E CONTENTAI-VOS COM O VOSSO SOLDO”.
Mas, certa vez, João chamou a atenção de Herodes por se divorciar de sua esposa e, ilegitimamente, tomar como amante Herodias, a esposa de seu irmão Herodes Filipe I. No aniversário de Herodes, a filha de Herodias (tradicionalmente chamada de Salomé) dançou perante o rei e seus convidados. Sua dança agradou tanto Herodes que, bêbado, ele prometeu a ela qualquer coisa que desejasse, limitando a promessa em metade de seu reino. Quando a filha perguntou à mãe o que deveria pedir, Herodias pediu que ela pedisse a cabeça de João Batista numa bandeja. Mesmo chocado com o pedido, Herodes relutantemente concordou e mandou decapitar João na prisão.
Mais tarde, como conta no evangelho de Mateus 17:10: "OS DISCÍPULOS DE JESUS LHE PERGUNTARAM: O QUE QUEREM DIZER OS DOUTORES DA LEI, QUANDO FALAM QUE ELIAS DEVE VIR? Jesus lhes explicou: "CERTAMENTE ELIAS VIRÁ PRIMEIRO, E RESTAURARÁ TODAS AS COISAS. MAS DIGO-VOS QUE ELIAS JÁ VEIO, E NÃO O CONHECERAM, MAS FIZERAM-LHE TUDO O QUE QUISERAM." 
Comenta Mateus em 17:13 "ENTÃO OS DISCÍPULOS COMPREENDERAM QUE JESUS LHES FALARA A RESPEITO DE JOÃO BATISTA."
Nesta passagem, Jesus deixa claro que Elias, que muitos esperavam a volta, já veio, ou seja, já REENCARNOU, e já haviam feito com ele o que quiseram. Então, os discípulos entenderam que João Batista era a reencarnação de Elias.
Que João não seja lembrado apenas na festa junina e com interesse de fazer pedidos, mas para que sigamos seus pedidos que ecoam até os dias de hoje.
Viva São João! Aliás, vivamos os ensinamentos de João!

Compilação de Rudymara

SOMOS FALÍVEIS



Tem muita gente que vive como se fosse infalível, como se nunca tivesse cometido um erro. Daí, quando se depara com alguém em situação difícil, ao invés de estender a mão e ajudar, julga, aponta erros e dita regras de moral. Mas não é bem assim que acontece conosco. Todos nós erramos e estamos sujeitos a precisar de uma mão estendida para nos socorrer. Então, antes de julgar pense que, no lugar daquela pessoa poderia estar qualquer um de nós ou algum ente querido. Somos falíveis.

Rudymara

MEDIDAS DA ALMA


A mensagem de Emmanuel diz: 
"Não lastimes as dificuldades que nos ensinam a viver. Ninguém aprende sem lições. 
Quem suporta os próprios reveses com serenidade e coragem, entesoura resistência.
Recorda: obstáculos e provações são medidas para a avaliação de nossa fé em Deus e em nós mesmos."
Ela nos ensina que, tudo que nos acontece é sob medida porque a lei divina é precisa e justa, não nos dá ou tira nada. Ninguém sofre sem merecer, ninguém nasceu nessa ou naquela família, naquele corpo físico, naquela raça, nacionalidade e outros por acaso. Tudo que passamos tem uma razão de ser. Temos débitos do passado e do presente. Apenas estamos colhendo os frutos que plantamos. Cabe a nós observar as dificuldades como prova ou expiação e transformá-las em lições para não contrairmos outros débitos para a próxima encarnação. Como disse Haroldo Dutra: "fé não é acreditar, se acreditássemos não brigaríamos com Deus quando algo ruim acontece em nossa vida. Fé é confiar." Por isso os obstáculos testam nossa fé. Pensemos nisso!



Texto de Rudymara



AMAR O INIMIGO



Se você amar somente quem te ama, que recompensa você terá?....disse Jesus 
Afinal, é fácil amar quem é bom para nós, quem nos agrada, quem nos quer bem. O desafio é amar quem não nos ama.

Rudymara

DEUS SABE

Muitos de nós acusamos este ou aquele pelos problemas que há no mundo. Pelo sofrimento que muitos passam. Mas, nós desconhecemos o plantio das pessoas, ninguém sofre por vontade divina. Apenas colhemos o que plantamos. DEUS SABE o que e porque estamos passando. Senão ELE seria injusto. E se, estamos incomodados com o sofrimento de alguém, paremos de acusar e façamos nossa parte. Não basta querer um mundo melhor é preciso faze-lo ser. Deus conta com cada um de nós. Pensemos nisso!
Rudymara



CRÍTICA E SERVIÇO



 Enquanto uns criticam seu trabalho outros esperam sua ajuda. Qual grupo de trabalho agrada Deus? O grupo que CRITICA ou o do SERVIÇO no Bem?

Rudymara

sexta-feira, 22 de junho de 2018

CRÍTICAS



APESAR DAS CRÍTICAS

"Apesar das críticas que recebi a vida inteira, o que me animou a continuar foi saber que Jesus me aceita como sou...
Se eu fosse escutar os espíritas, eu não teria feito nada.
Sim, porquanto as críticas mais contundentes que me foram e ainda me são endereçadas, sempre partiram dos companheiros - principalmente daqueles com os quais eu nunca pude estar."
Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar… As facilidades nos impedem de caminhar.  Mesmo as críticas nos auxiliam muito. Emmanuel sempre me ensinou assim: — “Chico, se as críticas dirigidas a você são verdadeiras, não reclame; se não são, não ligue para elas…” 

Chico Xavier

HORA DA CRÍTICA

Salientamos a necessidade de moderação e equilíbrio, ante os momentos menos felizes dos outros; entretanto, há ocasiões em que as baterias da crítica estão assestadas (apontadas) contra nós.
Junto de amigos, quanto de opositores, ouvimos objurgatórias (censura) e reprimendas e, não raro, tombamos mentalmente em revolta ou depressão.
Azedume e abatimento, porém, nada efetuam de construtivo. Em qualquer dificuldade, irritação ou desânimo apenas obscurecem situações ou complicam problemas.
Atingidos por acusação e censura, convém estabelecer minucioso autoexame. Articulemos o intervalo preciso, em nossas atividades, a fim de orar e refletir, vasculhando o imo da própria alma.
Analisemos, sem a mínima compaixão por nós mesmos, todos os acontecimentos que nos ditam a orientação e a conduta, sopesando (ponderando) fatos e desígnios (planos) que motivaram as advertências em lide, com rigorosa sinceridade. Se o foro íntimo nos aponta falhas de nosso lado, tenhamos suficiente coragem a fim de repará-las, seja solicitando desculpas aos ofendidos ou diligenciando meios de sanar os prejuízos de que sejamos causadores. Entanto, se nos identificamos atentos ao dever que a vida nos atribui, se intenção e comportamento nos deixam seguros, quanto ao caminho exato que estamos trilhando em proveito geral e não em exclusivo proveito próprio, saibamos acomodar-nos à paz e à conformidade. E, embora reclamação e tumulto nos cerquem, prossigamos adiante, na execução do trabalho que nos compete, sem desespero e sem mágoa, convencidos de que, acima do conforto de sermos imediatamente compreendidos, vige a tranquilidade da consciência, no cumprimento de nossas obrigações. 

Emmanuel

Se muitos companheiros estão vigiando os teus gestos, procurando o ponto fraco para criticarem, outros muitos estão fixando ansiosamente o caminho em que surgirás, conduzindo até eles a migalha do socorro de que necessitam para sobreviver. É impossível não saibas quais deles formam o grupo de trabalho em que Jesus te espera.

Emmanuel

quinta-feira, 21 de junho de 2018

DOENÇA É HERANÇA DE FAMÍLIA?



No passado, culturas materialistas, como a de Esparta, eliminavam deficientes físicos no nascedouro, pretendendo sustentar uma raça de guerreiros impecavelmente fortes e saudáveis.
Essa eugenia amoral está presente hoje nos modernos centros médicos, onde sofisticados exames, durante a gestação, determinam, quanto à conveniência de eliminar embriões "defeituosos", como se fossem peças de uma fábrica rejeitadas nos testes de qualidade.
O Espiritismo tem uma contribuição a nos oferecer, neste particular, demonstrando que crianças com problemas mentais e físicos são Espíritos em provação, enfrentando situações compatíveis com suas necessidades evolutivas e seus débitos cármicos.
Os pais, por sua vez, situam-se, geralmente, por parceiros ou mentores de seus delitos. Tem, por isso, o intransferível compromisso de ajudá-los nessas penosas jornadas de reabilitação.
O problema, portanto, não pode ser reduzido a simples acidente biológico. Embora as leis de genética estejam presentes no ato reencarnatório, não funcionam de forma casual. O mecanismo é causal. Não é o acaso que promove a combinação de elementos hereditários. A causa está nas vivências anteriores do reencarnante, que determinam a natureza de seu corpo, com as facilidades ou dificuldades que enfrentará.
Há casos em que os pais abortaram o feto que nasceria com problemas mentais, e numa nova tentativa o feto formou-se sem problemas, mas depois de alguns anos, contraiu meningite que deixou seqüelas mentais. Daí, os pais não tiveram coragem de descartá-lo, porque já aprenderam a amá-lo. É a lei perfeita de Deus agindo a nosso favor.
ENTÃO, DOENÇA NÃO É HERANÇA GENÉTICA?
A fatalidade hereditária funciona na composição da cor dos cabelos, da pele, dos olhos, da estrutura física, da morfologia. Quanto às questões envolvendo saúde, inteligência, vitalidade, o reencarnante tenderá a aproveitar os elementos genéticos compatíveis com suas necessidades e compromissos.
Recebemos de nossos genitores (pais) o material (genes) para uma nova moradia (corpo) e este será construido conforme a história que escrevemos em nosso passado, ou seja, nossa estrutura orgânica será compatível com nossas necessidades evolutivas. Nosso corpo será a colheita do nosso plantio.
Um indivíduo violento, sempre pronto a resolver "no braço" suas pendências, terá corpo frágil que inibirá seus impulsos agressivos. Ainda que reencarne em família de gente forte e saudável, ressurgirá na carne com educativas deficiências.
Geralmente, quem nasce cego dentro de uma família de cegos, é porque este espírito está aproveitando a herança genética daquela família para regastar, coletivamente, débitos do passado.
E OS QUE NASCEM SAUDÁVEIS EM FAMÍLIA COM SÉRIOS PROBLEMAS GENÉTICOS?
Neste caso chamamos de missão. É quando um Espírito reencarna com importante missão no seio de uma família que tende a gerar deficientes físicos, por exemplo, em virtude de problemas genéticos. Mas, pela natureza de suas tarefas, ele deve ter corpo saudável. Assim, técnicos da Espiritualidade atuando com segurança, selecionam o óvulo mais promissor, o espermatozóide mais adequado e promovem a fecundação, aproveitando da melhor forma possível os caracteres hereditários, favorecendo o reencarnante.
Então, missionário ou reeducando, tarefeiro ou aprendiz, teremos sempre o corpo, a saúde compatível com nossos compromissos, de acordo com os sábios desígnios de Deus, presentes até mesmo na folha que cai de uma árvore, como ensinava Jesus.

Richard Simonetti

FILHO DE PEIXE PEIXINHO NÃO É



Frequentemente, os pais transmitem aos filhos a parecença física. Transmitirão também alguma parecença moral?
Resp.: Não, que diferentes são as almas ou Espíritos de uns e outros. O corpo deriva do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito. Entre os descendentes das raças apenas há consanguinidade. (questão 207).

Vários provérbios ressaltam a ideia de que os filhos reproduzem defeitos e qualidades dos pais:
Tal pai, tal filho; Filho de peixe, peixinho é; Quem sai aos seus não regenera . . .
Bem, depende do ângulo em que observamos o assunto. Quanto à estrutura física é notório que funciona a hereditariedade. Filha de pais obesos dificilmente será manequim. Filho de pais magérrimos terá poucas chances de ser lutador de sumô.
É necessário recordar sempre, no estudo da reencarnação, que o Espírito subordina-se às possibilidades do corpo que lhe serve às experiências humanas. Um gênio da Espiritualidade terá imensas dificuldades em mobilizar seu potencial num corpo subnutrido desde a gestação.
Isto é claramente demonstrado nas experiências com adoção. Filho de favelados humildes, paupérrimos, é adotado por família rica, ainda recém-nascido. Recebe desde logo o que há de melhor em nutrição e cuidados médicos. O confronto deste bebê, na idade adulta, com um irmão que permaneceu na favela, revelará sensível diferença em favor do primeiro.
O mesmo não se pode dizer quanto à moral.
Não herdamos a bondade ou a maldade, o altruísmo ou o egoísmo, o vício ou a virtude de nossos pais. Estes valores não estão impressos nos genes, nem se condicionam à estrutura ou desenvolvimento do corpo físico. Constituem patrimônio do Espírito. Os pais geram um corpo físico, o espírito que irá vincular-se a este corpo tem sua história á parte.
Há, sem dúvida, a influência do meio. A criança é sensível aos exemplos que recebem ao pressionamento do ambiente em que vive. Mas é uma influência relativa, mesmo porque a evolução moral opera-se de dentro para fora, a partir da disposição íntima do indivíduo em lutar contra suas imperfeições e deficiências. Por isso os filhos revelam suas próprias características, eminentemente pessoais, sua maneira de ser, não raro em oposição ao lugar em que vivem e aos estímulos que recebem. A melhor demonstração disso está no próprio lar. Numa família de cinco filhos, com os mesmos pais, o mesmo ambiente, os mesmos cuidados, sob as mesmas condições, são todos diferentes entre si, como os dedos da mão. Há um carinhoso; outro que é muito agressivo; Há o que não gosta de mentir; outro que se destaca por ser amigo do engodo; Há o fascinado por sons estridentes; outro que prefere música suave; Há o ávido por aventuras amorosas; outro extremamente comedido no relacionamento afetivo. A moral, portanto é a carteira de identidade do Espírito, dando-nos conta de que ele é filho de si mesmo, de seus patrimônios íntimos, de suas experiências pretéritas, revelando-nos o estágio de evolução em que se encontra.

Richard Simonetti

quarta-feira, 20 de junho de 2018

AMOR


O Amor, sublime impulso de Deus, é a energia que move os mundos:
Tudo cria, tudo transforma, tudo eleva.
Palpita em todas as criaturas. 
Alimenta todas as ações.
O ódio é o Amor que se envenena.
A paixão é o Amor que se incendeia.
O egoísmo é o Amor que se concentra em si mesmo.
O ciúme é o Amor que se dilacera.
A revolta é o Amor que se transvia.
O orgulho é o Amor que enlouquece.
A discórdia é o Amor que se divide.
A vaidade é o Amor que se ilude.
A avareza é o Amor que se encarcera.
O vício é o Amor que se embrutece.
A crueldade é o Amor que se tiraniza.
O fanatismo é o Amor que se petrifica.
A fraternidade é o Amor que se expande.
A bondade é o Amor que se desenvolve.
O carinho é o Amor que se enflora.
A dedicação é o Amor que se estende.
O trabalho digno é o Amor que se aprimora.
A experiência é o Amor que amadurece.
A renúncia é o Amor que se ilumina.
O sacrifício é o Amor que se santifica.
O Amor é o clima do Universo.
É a religião da vida, a base do estímulo e a força da Criação.
Ao seu influxo, as vidas se agrupam, sublimando-se para a imortalidade.
Nesse ou naquele recanto isolado, quando se lhe retire a influência, reina sempre o caos.
Com ele, tudo se aclara.
Longe dele, a sombra se coagula e prevalece.
Em suma, o bem é o Amor que se desdobra, em busca da Perfeição no Infinito, segundo os Propósitos Divinos; e o mal é, simplesmente, o Amor fora da Lei.
Do Livro "Falando à Terra –
Psicografia de Chico Xavier
Pelo espírito João de Brito

ESTÓRIA DA VAQUINHA



Morava num sítio, uma família muito pobre. O lugar estava sem cuidado, a casa de madeira sem acabamento; os moradores, um casal e três filhos, vestidos com roupas rasgadas e sujas. Diante de tantas privações, eles oravam muito para Santo Antônio, pedindo ajuda.
Um dia, Santo Antônio, junto com um amigo espiritual, resolveu ir até o sítio ver o que estava acontecendo. Pois queria saber porque a família o chamava tanto. 
Chegando lá, começou a observar a família e o lugar. 
Notou que a família sobrevivia graças a uma vaquinha que dava vários litros de leite todos os dias. Uma parte do produto eles vendiam ou trocavam na cidade vizinha por gêneros de alimentos; com a outra parte produziam queijo, coalhada, etc., para o consumo, era assim que sobreviviam.
Depois de pensar muito, Santo Antônio pegou a vaquinha, levou ao precipício e jogou-a lá em baixo. O amigo espiritual, arregalou os olhos, assustado com a cena que presenciava. Mas, Santo Antônio pediu que o amigo tivesse calma e desse tempo ao tempo. 
No dia seguinte, a família viu a tragédia, ficou desesperada e orava dizendo:
- Ai, meu Santo Antônio! Por que o senhor deixou acontecer isso com nossa vaquinha? E agora, o que será de nós?
O tempo passou, e Santo Antônio junto do amigo espiritual voltaram ao sítio. Quando se aproximaram do local, avistaram um sítio muito bonito, com árvores floridas, todo murado, com carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim. O amigo ficou triste, imaginando que aquela humilde família tivera que vender o sítio para sobreviver. Mas, ao se aproximar mais, notou que era a mesma família que visitaram antes. O amigo, assustado e confuso perguntou:
- Santo Antônio, como eles melhoraram o sítio e estão bem de vida?
E o Santo respondeu:
- Eles tinham uma vaquinha que lhes davam o sustento. Quando perderam a vaquinha, tiveram que fazer outras coisas e desenvolver habilidades que nem sabiam que tinham. Assim, alcançaram o sucesso que seus olhos vislumbram agora.


Desta estória do Irmão X, podemos tirar duas lições:

1ª Todos nós temos uma “vaquinha” que nos dá alguma coisa básica para sobrevivência e uma convivência com a rotina, limitando nosso progresso, seja ele, material ou espiritual. Muitos de nós acomodamos com certas situações, e em nossas orações lamentamos a vida. Não buscamos saber porque sofremos, porque há pobres e ricos, e outros. Quantas pessoas nos momentos difíceis, recebem ajuda de pessoas, instituições, Governo, etc., e depois se acomodam. Retiram o benefício de outros que também precisam ou precisam mais. Muitas instituições fornecem cursos de informática, reforço escolar, trabalhos manuais, e outros, mas, as pessoas não buscam aprender a pescar, elas querem apenas buscar o peixe que alguém pescou com sacrifício. Outras instituições, são as vaquinhas, porque mantêm alguns assistidos dependentes do auxílio por muito tempo.
2ª Muitas vezes, Deus responde nossas preces, não como gostaríamos, mas como é necessário ao nosso progresso. O que nos parece ruim hoje, amanhã terá nos servido de lição. Nem tudo o que nos aborrece e faz sofrer é, forçosamente, um mal. Quando os irmãos de José o venderam, o que parecia um mal tornou-se maravilhoso bem, pois lhe deram oportunidade de chegar a ser governador do Egito. Tenhamos confiança no Pai, que sabe extrair o bem daquilo que nos parece um mal. E não podemos esquecer que "não" também é resposta. 
Resumindo: Precisamos aprender a fazer caridade porque, como disse Bezerra de Menezes: "...não devemos induzi-los à excessiva dependência, sob pena de viciar-lhes o espírito." E tb a entender que, o que parece um mal pode ser um bem disfarçado. 
Pensemos nisso!


Rudymara



FAZER PEDIDOS À DEUS


ASSISTÊNCIA FRATERNA NAS CASAS ESPÍRITAS



“Filhos, participando dos vossos estudos em torno das páginas de “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, destacaríamos o trecho que nos sugere mais acuradas reflexões: “Amar, no sentido profundo da palavra, é procurar ao redor de si o sentido de todas as dores que oprimem vossos irmãos, para abrandá-las . . .”
Ninguém extingue um o incêndio com, simplesmente, combater-lhe as labaredas. Para erradicá-lo por completo, indispensável concentrar esforços no ponto em que se origina e se propaga.
Segundo a palavra dos Espíritos Superiores a Allan Kardec, o verdadeiro amor é aquele que sonda a causa do sofrimento, não se limitando a minimizá-lo em seus efeitos.
O mal apenas deixará de existir entre os homens quando as suas raízes forem arrancadas do solo do Planeta!
A carência material, seja ela qual for, exterioriza uma necessidade de ordem moral. A indiferença humana ante verdades que transcendem, permanece na base dos problemas que afligem a Humanidade.
Socorrer a dor imediata é dos mais triviais deveres que a solidariedade impõe, no entanto identificar-lhe as origens para, ao longo do tempo, impedir as suas reaparições, é tarefa indispensável.
Atendei, assim, à fome do corpo; providenciai o agasalho e o remédio, sem vos esquecerdes, porém, de fazer luz para que as trevas da ignorância se desfaçam.
Se é justo cooperar com o pai de família que, de um instante para outro, se vê às voltas com o desemprego, mais justo ainda será ampará-lo com uma nova oportunidade de trabalho.
A assistência fraterna aos irmãos carentes não deve induzi-los à excessiva dependência, sob pena de viciar-lhes o espírito.
É evidente que, cada qual é encorajado pela Vida a equacionar as próprias dificuldades: a solução definitiva dos problemas que enfrenta passa, necessariamente, pela maior conscientização do homem no processo da evolução.
Filhos, não vos esqueçais, portanto de que amar é ensinar o caminho, encorajando a quem deve tomar a iniciativa de percorrê-lo.”

Bezerra de Menezes.

COMO VOCÊ ANALISA AS CESTAS BÁSICAS DE ALIMENTOS NAS CASAS ESPÍRITAS?



JOSÉ RAUL TEIXEIRA RESPONDE: Ás cestas básicas, vestuários, remédios, médicos, etc., deveremos ter a nítida consciência de que fazemos isso por causa dos descompromissos das autoridades governamentais, a quem caberia tais providências. Precisamos ter a consciência de que esse não é o papel fundamental do centro espírita. Não será de bom alvitre abrir-se um Centro Espírita com essa finalidade, uma vez que o centro deve ser o educandário básico da mente popular.
Entretanto, com base no Evangelho de Jesus, se nos chega alguém padecendo fome, não adiantará fazer discursos bonitos e doutrinários para essa pessoa; ela precisa é de alimentação. Tem que se lhe dar comida. Se se aproxima alguém ao relento, desnudo, precisando de roupa, não adianta oferecer-lhe comida, será preciso dar-lhe uma peça de roupa. Por outro lado, se aparece em nossa instituição alguém doente, não valem discursos nem peças de roupa; há que se lhe providenciar um atendimento médico, seja num posto de saúde, seja num hospital para que seja devidamente tratado. Assim, atenderemos os nossos irmãos do caminho em função das carências que apresentem.
Não viveremos para dar cestas básicas ou roupas. Seria um trabalho de mera filantropia e nós, os espíritas, precisamos ter a consciência de que isto é o de menor importância na pauta de nosso trabalho. Torna-se por demais importante ensinar as pessoas a se conduzir no mundo, ensinar-lhes a viver... Ao lado de tudo o que o centro espírita possa ofertar, a importância maior recairá sobre aquilo que possamos dar de nós mesmos aos necessitados de quaisquer matizes. Muitas vezes somos hábeis na entrega de muitas "coisas" a necessitados, embora tenhamos muita dificuldade de abrir o coração às pessoas. Costumamos ficar sempre longe deles; não procuramos saber quem são, seus nomes, ou quais são as suas necessidades verdadeiras.
Os nossos irmãos necessitados não deverão ser transformados em números fichados, a fim de que os espíritas os utilizemos para sermos caridosos, às custas da exibição da miséria ou das carências deles. O aprendizado espírita nos faz compreender que são, todos, nossos irmãos, são os filhos e as filhas do calvário. Por isso é que todos os trabalhos desenvolvidos pelo centro espírita devem ser bem pensados, devem ter um porquê, precisam ter um sentido, uma razão de ser, a fim de que não percamos tempo realizando atividades que podem ser comparadas às de quem enxuga gelo.
Jamais deveremos fazer algo somente por fazer, sem que haja um sério e espiritual objetivo nessa realização.

Entrevista realizada na sede da SEF - Sociedade Espírita Fraternidade, publicada no jornal Correio Espírita em março/2007.
 "A assistência fraterna aos irmãos carentes não deve induzi-los à excessiva dependência, sob pena de viciar-lhes o espírito." - Bezerra de Menezes
 "A finalidade do Espiritismo é auxiliar no progresso MORAL da humanidade." - O Livro dos Espíritos