domingo, 16 de julho de 2017

A SARÇA ARDENTE NA VISÃO ESPÍRITA


Conta a Bíblia (antigo testamento), em Daniel 3, que três homens foram lançados à fogueira a mando do rei Nabucodonosor. E o rei exclamou: "Olhem! Estou vendo quatro homens, desamarrados e ilesos, andando pelo fogo, e o quarto se parece com um filho dos deuses". Então Nabucodonosor aproximou-se da entrada da fornalha em chamas e gritou aos três homens: "Sadra­que, Mesaque e Abede-Nego, servos do Deus Altíssimo, saiam! Venham aqui!" E eles saíram do fogo sem nenhuma queimadura. Como isso é possível? Explica Divaldo Franco que: "Daniel Dunglas Home, era um grande médium de efeitos físicos. Ele ficou famoso como médium devido a sua habilidade de levitar até várias alturas, esticar-se e manipular fogo e carvões em brasa sem se machucar. Em uma experiência memorável diante do Imperador Napoleão III, antes de Allan Kardec, no mês de abril de 1852, convidado às Tulherias pelo imperador, deu as maiores demonstrações de mediunidade, porque o Imperador gostava de prestidigitação (ilusionismo) e acreditava que os fenômenos produzidos por Daniel e por outros, eram de ilusionismo, de malabarismo. Entre as manifestações notáveis que Daniel produziu naquela noite, uma foi tomar de uma folha de papel, atritá-la, atirando-a nas labaredas da lareira, dizendo: - "NÃO QUEIME". - e a folha de papel permaneceu intacta. Ele afastou-se alguns metros, e ordenou: - "PODE QUEIMAR". - e ela ardeu. Constatamos que ele a havia impregnado de energia anti-combustiva e, ao dar-lhe a ordem, a energia desgastada, não isolou o papel." Precisamos deixar claro que, embora ele fosse médium, ele não era espírita. Ele foi sucessivamente metodista, congregacionalista e católico, terminando na Igreja Ortodoxa Grega. E quem, também, não se lembra da Sarça Ardente, contada na Bíblia? É uma passagem do Antigo Testamento onde uma planta espinhosa chamada Sarça pegou fogo e, apesar de estar pegando fogo este não a consumia, não a queimava. E foi em meio a este fogo que "Deus" (espírito enviado por Deus) apareceu á Moisés para orientá- lo sobre sua missão.  Este fato ficou conhecido como SARÇA ARDENTE. Para entender melhor: O médium ou um Espírito consegue manipular fluidos que envolvem um papel, uma planta ou outra coisa qualquer e tal objeto fica protegido a ponto de não queimar. 

Texto de Rudymara




sábado, 15 de julho de 2017

JESUS TRANSFORMA ÁGUA EM VINHO

Sou iniciante nos estudos da doutrina espírita e concordo que o álcool é um veneno. Só gostaria de entender a passagem bíblica onde Jesus transforma água em vinho. Não é um paradoxo? É possível transformar água em vinho?
Na verdade, queremos sempre buscar um “santo” álibi para justificarmos nossos vícios. Acredito que o vinho daquela época não tinha o teor alcoólico da nossa época. Tanto que as festas judaicas duravam dias. Se fosse regada com bebida de alto teor alcoólico, os convidados não aguentariam dias bebendo. E, talvez, Jesus tenha aproveitado o número de pessoas que ali estavam para iniciar seu apostolado, mostrando seus poderes, revelando o imenso potencial que ali se iniciava, chamando a atenção para Ele, ou melhor, para os ensinamentos que Ele trazia. Precisamos lembrar que Jesus não veio mudar as pessoas de uma hora para outra. Seu ensinamento foi e sempre será: “TUDO NOS É LÍCITO, MAS NEM TUDO NOS CONVÉM.” O livre arbítrio impera em Seu apostolado. E pode ser também uma passagem simbólica mostrando que o “vinho bom” (vinho da alegria, do respeito, da cordialidade) servido nos primeiros anos de casado não deve ser trocado depois de algum tempo de convívio pelo “vinho ruim” (vinho da indiferença, do desrespeito, da tristeza). E a transformação da água em vinho é um fenômeno possível, pois uma ação fluídica, como o passe magnético, pode mudar as propriedades da água, transformando em remédio e, também, dando-lhe o sabor e cor do vinho. É o que chamamos de efeitos físicos. Jesus, sendo um Espírito elevado com energias sublimes, poderia ter produzido tal efeito. Então, usemos sempre nosso bom senso. Afinal, sabemos os danos que a bebida alcoólica causa em nosso corpo físico e o que sua alteração traz em nossa vida e sociedade através de desavenças, brigas, mortes, separações, violência, etc. Como disse Joanna de Ângelis no livro “Dias Gloriosos”: “Todo corpo físico merece respeito e cuidados, carinho e zelo contínuos, por ser a sede do Espírito, o santuário da vida em desenvolvimento.” Quando desencarnamos por danificar o corpo físico com bebida somos vistos, pela lei divina, como suicidas. Sem contar o assédio de obsessores. Portanto, o cristão não deveria compactuar com a indústria que mata mais gente e destrói mais lares do que uma guerra. Sigamos o conselho do apóstolo Paulo: "NÃO SEJAM INSENSATOS; AO CONTRÁRIO, PROCUREM COMPREENDER A VONTADE DO SENHOR. NÃO SE EMBRIAGUEM, QUE LEVA PARA A LIBERTINAGEM, MAS BUSQUEM A PLENITUDE DO ESPÍRITO.” (Efésios 5:18)
(Pergunta de um anônimo que escreveu para o Grupo de Estudo Allan Kardec e a resposta é uma compilação de Rudymara)


quinta-feira, 13 de julho de 2017

O MAL É A AUSÊNCIA DO BEM


Ouvimos muito, hoje em dia, falar do mal. Do mal da violência, da corrupção, da desigualdade social, etc. Mas, o que estamos fazendo para acabar com o mal? Para acabar com ele precisamos praticar o bem. O que é o bem? “O Bem é proceder de acordo com a Lei de Deus; e o Mal é desrespeitá-la.” (Questão 629 em O Livro dos Espíritos). Martin Luther King disse: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.” Os Espíritos disseram para Kardec: "Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem". Então, antes de dizer que o mal está no outro, na macumba, no espírito obsessor, no Governo, etc.., observemos nossas atitudes. Como explicou Richard Simonetti sobre espíritos que são contratados para fazer o mal: "Os espíritos não têm o poder de criar o mal. Apenas alimentam o mal que há na pessoa. Ninguém faz mal para ninguém, porque o mal só nos atinge porque está dentro de nós. Jamais seremos induzidos à violência se conquistamos a mansuetude." Explica Kardec que: "os maus espíritos não vão senão onde acham com o que satisfazerem a sua perversidade; para afastá-los, não basta pedir-lhes nem mesmo ordenar, é preciso despojar de nós o que os atrai. Os maus espíritos farejam as chagas da alma, como as moscas farejam as chagas do corpo; do mesmo modo que limpamos o corpo para evitar a bicheira, limpemos também a alma de suas impurezas para evitar o ataque dos maus espíritos." E o mal da fome? Chico Xavier responde: "Tudo aquilo que está sobrando em nossa casa está fazendo falta pra alguém." Então, o mal que devemos temer, é o mal moral, que ainda se encontra em nós. O mal do egoísmo, da ganância, do ódio, do revide, da reclamação, da fé sem obras. Está na hora de cortarmos a “A Corrente do Mal” nos filmes, esportes, novelas, desenhos “animados”, jogos eletrônicos, política, jornalismo, nos vícios, na compra de produtos roubados, no desejo de levar vantagem sobre o próximo de forma desonesta, etc.? Como disse Divaldo P. Franco: “o mal é o bem ausente. A treva é a luz apagada. Ao invés de amaldiçoarmos na escuridão, acendamos uma luz.” Como disse Gandhi: "Sejamos a mudança que queremos ver no mundo."

Texto de Rudymara



quarta-feira, 12 de julho de 2017

JOVENS DIFÍCEIS


DESIGUALDADE SOCIAL


Nosso planeta ainda não abriga espíritos de igual evolução, portanto, as dores e aflições ainda fazem parte da vida de quem encarna aqui. Como disseram os espíritos: Os homens “não são igualmente inteligentes, ativos e laboriosos (trabalhadores)”. Muitos se acomodam na preguiça, na ociosidade, na autocomiseração. Emmanuel explica no livro O Consolador: "dentre os mundos inferiores, a Terra pertence à categoria dos de expiações e provas, porque ainda existe predominância do mal sobre o bem. Aqui, o homem leva uma vida cheia de vicissitudes por ser ainda imperfeito, havendo, para seus habitantes, mais momentos de infelicidades do que de alegrias. A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual. A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um crime.” Diante de tal explicação, concluímos que não nascemos para sermos completamente felizes. Aqui, neste planeta, alegria e tristeza se revezam. Moramos num vale de lágrimas, ou seja, ora choramos de alegria, ora de tristeza. O médium José Raul Teixeira conta que viu uma mulher catando algo para comer numa lixeira e seu mentor disse que ela foi um político numa encarnação anterior. Como está no O Evangelho segundo o Espiritismo: "Nos mundos de provas e expiações o mal predomina; mas o mal é uma necessidade para seus habitantes darem valor ao bem, da noite para admirar a luz, da doença para apreciar a saúde. Esses mundos (é o caso da Terra) servem de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus. Neles os Espíritos lutam penosamente, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens que convivem com eles e a crueldade da natureza (tsunami, terremoto, maremoto, etc), para que desenvolvam de uma só vez as qualidades do coração e as da inteligência." Portanto, a dor faz parte do ensinamento e do crescimento. E, ninguém sofre por acaso, senão Deus não seria justo. Os Espíritos disseram à Kardec que a pobreza na Terra é para uns, prova de paciência e de resignação, da mesma forma que a riqueza é para outros, prova de caridade e da abnegação. Desse modo, fica bem claro que sem a lei da reencarnação, a desigualdade das riquezas não tem uma explicação no contexto do amor, da sabedoria e da justiça de Deus. Ela é justificada, pela possibilidade e necessidade de todos a experienciá-la, assim como a pobreza, para o desenvolvimento espiritual de cada um. Nas leis divinas não há privilégio, nem favores. Todos os habitantes da Terra, tendo de fazer sua evolução, experimentam, igualmente, na existência certa, segundo suas capacidades, as experiências adequadas para a continuidade desse processo. “O pobre não tem, portanto, motivos para acusar a Providência, nem para invejar os ricos, e estes não o têm para se vangloriarem do que possuem. Se, por um lado, estes abusam da fortuna, não será através de decretos, nem de leis suntuárias, que se poderá remediar o mal. As leis podem modificar momentaneamente o exterior, mas não podem modificar o coração: eis porque têm um efeito temporário e provocam sempre uma reação mais desenfreada. A fonte do mal está no egoísmo e no orgulho. Os abusos de toda espécie cessarão por si mesmo, quando os homens se dirigirem pela lei da caridade.” E os homens só viverão essa lei, quando eliminarem de si, essas duas chagas da humanidade, através da educação, “não essa educação que tende a fazer homens instruídos, mas a que tende a fazer homens de bem”. Nenhuma revolução, nenhuma lei humana, alterou o íntimo das pessoas. A educação e a autoeducação na melhoria de cada um é que vai levar os homens a saberem usar os bens materiais no desenvolvimento espiritual de si próprio e do mundo em que habita.
Concluímos que o problema não está no socialismo, comunismo ou democracia, mas em quem rege tais formas de Governo. Qualquer uma daria certo se as pessoas governassem pela causa de todos e não apenas em sua causa e, se o povo se ajudasse, estendendo aos mais necessitados alguma ajuda. Pois, não basta ter pena dos que sofrem ou aguardar uma atitude de Deus ou do Governo. André Luiz explica que Deus ajuda as criaturas através das criaturas. Portanto, nós também temos nossa obrigação social. Deus age através de nós. Como disse Madre Teresa: "O que eu faço é uma gota no meio de um oceano. Mas sem ela, o oceano será menor." Sejamos uma gota nesse oceano de dor e sofrimento.


Compilação de Rudymara





segunda-feira, 10 de julho de 2017

ORDEM E PROGRESSO


Quem se lembra dos trabalhos de escola que fazíamos buscando informação em biblioteca e passando a limpo no papel almaço ou datilografando? Era um tempo que aprendíamos de verdade. Onde as escolas estaduais eram excelentes. Havia repetência sem xororô de recurso, só passava quem estudava, fazia tarefa, trabalhos escolares, as chamadas orais, fosse de qualquer raça ou posição social. Alunos não precisavam de "bolsas" que, nada mais são que, declarações que o nível escolar é inferior. Tempo que os pais chamavam atenção dos filhos quando professores eram desrespeitados. Tempo que a maioria dos alunos diziam querer ser professor(a). Tempo que levantávamos da carteira, por respeito, quando um professor(a) ou diretor(a) entrava na sala de aula e dizíamos em coro "Bom dia". Tempo que cantávamos o Hino Nacional emocionadamente e aprendíamos a cantar os hinos da bandeira, do expedicionário, da independência.Tempo que tínhamos hora para chegar em casa, de dar satisfação de onde íamos e com quem estávamos, horário para fazer tarefa, de ajudar nos afazeres de casa. Tempo que aprendíamos a ser responsáveis, que gostávamos de estar com a família e de brincar na rua com os amigos(as). Tempo de muros baixos, pão e leite na porta sem medo de roubarem. Tempo de ORDEM e PROGRESSO em todos os setores, queiramos ou não. Depois, só andamos para trás na educação escolar que, quanto mais mudam a forma de ensino menos os alunos aprendem, na educação dos jovens, no respeito, na segurança, na saúde, nas músicas com suas letras chulas, simplórias e banais e nas artes em geral. As drogas dominaram muitos jovens e adultos, separou famílias, causou insegurança na sociedade. O jeitinho brasileiro chegou querendo levar vantagem "desonestamente" em todos os setores, dentro e fora da política de direita e esquerda, etc... Enfim, ganhamos "liberdade" e não soubemos lidar com ela. Pena! Mas faz parte do crescimento. Como está no livro “Transição Planetária” de Philomeno Miranda: “Antes, porém, de chegar o momento da transição planetária, a violência, a sensualidade, a abjeção, os escândalos, a corrupção atingirão níveis dantes jamais pensados, alcançando o fundo do poço, enquanto as enfermidades degenerativas, os transtornos bipolares de conduta, as cardiopatias, os cânceres, os vícios e os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno à ética, à moral, ao equilíbrio(...)" Mas, para que isso aconteça, precisamos agir. Separando o joio do trigo. Não aceitando programas de TV, músicas, danças, costumes, modas que atrapalham essa evolução. Pensemos nisso e façamos a nossa parte!

Rudymara



TODA DESENCARNAÇÃO É IGUAL?




Não, uma desencarnação não é igual a outra. O gênero de vida que alimentamos no estágio físico (quando estamos encarnados) dita as verdadeiras condições de nossa desencarnação. Lembremos a desencarnação de André Luiz narrado por ele através da mediunidade de Chico Xavier no livro Nosso Lar. Lembremos também a parábola "O rico e Lázaro", onde o rico sofreu muito após a desencarnação. Por isso, rogou que Abraão mandasse alguém avisar seus 5 irmãos (encarnados) do sofrimento dele, para que eles não sofressem também. Mas Abraão disse: "Eles têm Moisés e os Profetas: ouçam-nos." 
O mesmo acontece conosco. Nós temos Jesus, os ensinamentos dele estão aí, nós sabemos o que temos que fazer ou seguir, enquanto estamos encarnados, mas estamos sempre adiando vivenciá-los. Quando chegarmos ao plano espiritual e, se for o caso, de nos depararmos com o sofrimento, não poderemos dizer que "não sabíamos" ou que gostaríamos de avisar os que aqui ficaram. Então, façamos o melhor que pudermos, para chegarmos ao plano espiritual em condição mais feliz e tranquila.


Rudymara




sexta-feira, 7 de julho de 2017

AMOR



O Amor, sublime impulso de Deus, é a energia que move os mundos:
Tudo cria, tudo transforma, tudo eleva.
Palpita em todas as criaturas.
Alimenta todas as ações.
O ódio é o Amor que se envenena.
A paixão é o Amor que se incendeia.
O egoísmo é o Amor que se concentra em si mesmo.
O ciúme é o Amor que se dilacera.
A revolta é o Amor que se transvia.
O orgulho é o Amor que enlouquece.
A discórdia é o Amor que se divide.
A vaidade é o Amor que se ilude.
A avareza é o Amor que se encarcera.
O vício é o Amor que se embrutece.
A crueldade é o Amor que se tiraniza.
O fanatismo é o Amor que se petrifica.
A fraternidade é o Amor que se expande.
A bondade é o Amor que se desenvolve.
O carinho é o Amor que se enflora.
A dedicação é o Amor que se estende.
O trabalho digno é o Amor que se aprimora.
A experiência é o Amor que amadurece.
A renúncia é o Amor que se ilumina.
O sacrifício é o Amor que se santifica.
O Amor é o clima do Universo.

É a religião da vida, a base do estímulo e a força da Criação.
Ao seu influxo, as vidas se agrupam, sublimando-se para a imortalidade.
Nesse ou naquele recanto isolado, quando se lhe retire a influência, reina sempre o caos.
Com ele, tudo se aclara.
Longe dele, a sombra se coagula e prevalece.
Em suma, o bem é o Amor que se desdobra, em busca da Perfeição no Infinito, segundo os Propósitos Divinos; e o mal é, simplesmente, o Amor fora da Lei.

Do Livro "Falando à Terra –
Psicografia de Chico Xavier
Pelo espírito João de Brito







terça-feira, 4 de julho de 2017

“QUANDO O CORPO MORRE, DEMORAMOS PARA NOS DESLIGAR? PORQUE? ”


Morte física e desencarne não ocorrem simultaneamente. O indivíduo morre quando o coração deixa de funcionar. O Espírito desencarna quando se completa o desligamento, o que demanda algumas horas ou alguns dias.
Basicamente o Espírito permanece ligado ao corpo enquanto são muito fortes nele as impressões da existência física.
Indivíduos materialistas, que fazem da jornada humana um fim em si, que não cogitam de objetivos superiores, que cultivam vícios e paixões, ficam retidos por mais tempo, até que a impregnação fluídica animalizada de que se revestem seja reduzida a níveis compatíveis com o desligamento.
Certamente os benfeitores espirituais podem fazê-lo de imediato, tão logo se dê o colapso do corpo. No entanto, não é aconselhável, porquanto o desencarnante teria dificuldades maiores para ajustar-se às realidades espirituais. O que aparentemente sugere um castigo para o indivíduo que não viveu existência condizente com os princípios da moral e da virtude, é apenas manifestação de misericórdia. Não obstante o constrangimento e as sensações desagradáveis que venha a enfrentar, na contemplação de seus despojes carnais em decomposição, tal circunstância é menos traumatizante do que o desligamento extemporâneo.
Há, a respeito da morte, concepções totalmente distanciadas da realidade. Quando alguém morre fulminado por um enfarte violento, costuma-se dizer:
"Que morte maravilhosa! Não sofreu nada!"
No entanto, é uma morte indesejável.
Falecendo em plena vitalidade, salvo se altamente espiritualizado, ele terá problemas de desligamento e adaptação, pois serão muito fortes nele as impressões e interesses relacionados com a existência física.
Se a causa da morte é o câncer, após prolongados sofrimentos, em dores atrozes, com o paciente definhando lentamente, decompondo-se em vida, fala-se:
"Que morte horrível! Quanto sofrimento!"
Paradoxalmente, é uma boa morte.
Doença prolongada é tratamento de beleza para o Espírito. As dores físicas atuam como inestimável recurso terapêutico, ajudando-o a superar as ilusões do Mundo, além de depurá-lo como válvulas de escoamento das impurezas morais. Destaque-se que o progressivo agravamento de sua condição torna o doente mais receptivo aos apelos da religião, aos benefícios da prece, às meditações sobre o destino humano. Por isso, quando a morte chega, ele está preparado e até a espera, sem apegos, sem temores.
Algo semelhante ocorre com as pessoas que desencarnam em idade avançada, cumpridos os prazos concedidos pela Providência Divina, e que mantiveram um comportamento disciplinado e virtuoso. Nelas a vida física extingue-se mansamente, como uma vela que bruxuleia e apaga, inteiramente gasta, proporcionando-lhes um retomo tranquilo, sem maiores percalços.


Livro: Quem tem medo da Morte – Richard Simonetti


NÃO COMPRE PRODUTO ROUBADO


Allan Kardec perguntou aos Espíritos:
- Aquele que não faz o mal, mas aproveita o mal praticado por outro, é culpável no mesmo grau?
E eles responderam: 
— É como se o cometesse; ao aproveitá-lo, torna-se participante dele. Talvez tivesse recuado diante da ação; mas, se ao encontrá-la realizada, dela se serve, é porque a aprova e a teria praticado se pudesse ou se tivesse ousado.
Então, quem compra coisas roubadas não pratica o mal "diretamente", mas de maneira "indireta". Ele vai se aproveitar do produto que causou o mal a alguém. Por detrás de um produto roubado está o prejuízo financeiro de um trabalhador honesto e até a vida de alguém. Então, quem se aproveita do mal praticado por alguém será responsabilizado perante a lei divina. O que aconteceria se ninguém comprasse produto roubado? O ladrão pensaria duas vezes antes de roubar porque não teria para quem vender. Portanto, só há ladrão porque há "ladrões indiretos" que compram tais produtos. Roubar ou comprar produto roubado é crime. Mas, quem sair ileso das leis dos homens, saiba que não sairá ileso das leis divinas. Quem engana é o verdadeiro enganado. O que muitos acham ser "esperteza" na verdade é "desonestidade". Pensemos nisso, cristãos!


Texto de Rudymara



sábado, 1 de julho de 2017

OS ATOS VALEM MAIS QUE AS PALAVRAS


O PODER DO EXEMPLO


Todo indivíduo que gosta de literatura certamente leu as obras notáveis de Leon Tolstoi, o grande escritor russo de Guerra e Paz e Ana Karenina, ficando profundamente tocado pela sua beleza mágica.
O notável escritor, porém, escreveu muito mais obras que o destacaram na condição de um dos maiores do seu país e, por extensão, do mundo.
Não obstante, o livro pelo qual tinha mais consideração é O Reino de Deus Está em Vós.
Trata-se de uma obra criada após a sua conversão ao cristianismo ensinado e vivido por Jesus. Após meditar demoradamente na doutrina cristã ortodoxa a que se vinculara, por não concordar com a opressão que exercia sobre o povo sofredor da Rússia, pelo luxo e apoio ao poder do czar Nicolau II, leu, em grego, os originais do Evangelho e encontrou Jesus, Aquele que realmente modificara a ética da humanidade para o amor sem limites.
Renunciou à sua posição de nobreza, da condição de conde, e passou a cultivar as próprias terras, com os humildes e esfaimados trabalhadores, vivendo de maneira equivalente.
Escreveu uma carta longa ao czar, pondo-se contrário à pena de morte e às injustiças praticadas pelas suas forças armadas do exército e polícia, vaticinando que, se ele persistisse na crueldade contra as massas, não fugiria à lei divina. Mais tarde, a sua previsão tornou-se realidade durante a revolução de 1917, que o retirou do poder, enviou-o ao exílio e o fuzilou, bem como à família real.
Causou um tremendo escândalo a sua dedicação a Jesus na simplicidade do evangelho, havendo sido responsável pela mudança de comportamento para melhor de incontáveis criaturas.
Estimulou Gandhi, enviando-lhe o livro, e ele começou a notável campanha da não violência que, por sua vez, influenciou Martin Luther King Jr. na libertação do seu povo. O exemplo, mais do que as palavras, é o que vale. Nestes dias tumultuosos, se desejamos mudar o mundo, mudemos nossa conduta, especialmente aqueles que nos dizemos cristãos.


Divaldo Franco escreve quinta-feira, quinzenalmente.
Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 25-02-2016


domingo, 25 de junho de 2017

NÃO USE DROGA


Seja esperto, não use droga. Quem usa droga é visto, pela lei divina, como colaborador do crime, com a desarmonia familiar e da sociedade, além de ser um suicida indireto. O único que se dá bem, "financeiramente", são os traficantes. Mas esses ganham dinheiro com a desgraça alheia e, também serão responsabilizados, pela lei divina, pelo desequilíbrio familiar, da sociedade e muitas mortes. Será que vale a pena? Compartilhe para que outros leiam e reflitam sobre o assunto. 

Rudymara

NÃO USE DROGA


Todos os dias vemos notícias tristes relacionadas á droga: mortes, execuções, assaltos, roubos, cracolândia, famílias infelizes por ter um ente querido envolvido com drogas, desassossego dos familiares porque muitos roubam para sustentar o vício. Muitos pais colocam os filhos fora de casa porque não aguentam os prejuízos e as ameaças deles. Não é preciso ser muito esperto para observar que droga é nocivo à saúde de quem usa, à saúde emocional da família e sociedade. Então, por que usar? Precisamos aprender com os erros alheios. Quem é esperto, não usa droga. Compartilhe para outros leiam e reflitam sobre o assunto.

Rudymara



PENSE ANTES DE JULGAR




Ontem (24/06/2017), o ator Fabio Assunção foi preso por desacato a um policial. O que vemos nas redes sociais? JULGAMENTO FERRENHO. Mas, como diria Jesus numa situação dessa: "Atire a primeira pedra quem nunca errou." É muita gente de coração duro, que julga o rapaz de maneira dura, como se nunca tivesse errado ou se ninguém de sua família nunca tivesse feito algo que pudesse ser alvo de repreensão. E o que é pior, muitos que estão comentando de forma rígida são CRISTÃOS. Nossas ações mostram o que estamos aprendendo em nossa religião e que tipo de sentimento abrigamos dentro de nós. Claro que o Fábio terá que responder pelos seus atos. Afinal, nós escolhemos o caminho que queremos trilhar e, consequentemente, teremos que enfrentar as pedras do caminho. E, respeitar as leis e quem é autoridade para fazer a lei vigorar é um dever de todos. Mas,isso é problema dele com a lei. 
Então eu pergunto: Onde está o Jesus que dizemos amar nessas horas? Será que basta frequentar templo religioso, colocar crucifixo no pescoço, orar, e fazer cultos externos para agradá-lo? Foi isso que Ele veio nos pedir e ensinar? Claro que não. Está faltando Jesus em nossas ações. Nos coloquemos no lugar das pessoas antes de julgar. Antes de achar que somos melhores que os outros e que estamos acima de todo mal. Como pediu Jesus: "Faça ao teu próximo o que gostaria que teu próximo fizesse para você" ou para um dos seus. Como ensina André Luiz: "Levanta todos aqueles que estiverem caídos em seu redor. Você não sabe onde seus pés tropeçarão." Pensemos nisso, cristãos! 

Rudymara


quinta-feira, 22 de junho de 2017

A BÍBLIA CONDENA O ESPIRITISMO?


Quando alguém diz "a Bíblia condena o Espiritismo" eu pergunto: "Como a Bíblia pode condenar o Espiritismo se ela foi escrita muito antes do Espiritismo surgir?" A Bíblia foi escrita ao longo de 1571 anos (quase 16 séculos), começou por Moisés em 1437 a.C., até João em 98 d.C.. e o Espiritismo surgiu em 1857 e é uma palavra criada por Kardec.
Daí alguém diz "Em Deuteronômio 18 diz: "Nunca exista entre vós quem consulte adivinhos, quem observe sonhos e agouros, quem use de malefícios, sortilégios, encantamentos, ou consultem os que têm o Espírito pitônico e se dão a práticas de adivinhação interrogando os mortos. O Senhor abomina todas essas coisas e destruirá, à vossa entrada, as nações que cometem tais crimes." 
E eu digo:
- Não temos adivinhos no Espiritismo, não interpretamos sonhos e agouros (como fez José, filho de Jacó). Não fazemos o mal, pelo contrário, nosso lema é "fora da caridade não há salvação" e nosso guia e modelo a ser seguido é Jesus. Como dizer que "seguimos Jesus" que nos ensinou a perdoar sempre, amar até o inimigo, retribuir o mal com o bem, etc. e fazermos mal a alguém? Seríamos hipócritas. Não lemos a sorte, não fazemos encantamentos e não consultamos espíritos para que adivinhem nada, se isso fosse possível, os espíritas estariam ricos, pois pediriam o número da Mega Sena. E Jesus evocou 2 mortos no monte Tabor: Moisés e Elias. O rei Saul buscou uma médium para conversar com Samuel que já estava “morto”. Essa passagem está em I Samuel, cap. 28: vv 8 á 15. E Kardec os evocou para fazer perguntas para que tivéssemos informações edificantes sobre o mundo espiritual que complementam os ensinamentos do Cristo. E não acreditamos que Deus abomine nada. Ele instituiu o livre arbítrio. Nos concede aprender com os erros porque sabe de nossas limitações. Sua lei é de plantio e colheita. E essa lei citada não é de Deus, é de Moisés. Ele escreveu leis para conter a ignorância daquele povo da época. As únicas leis que são de Deus e que estão no antigo testamento são os 10 mandamentos. Tanto é verdade que a punição de muitas leis de Moisés é "a morte" e um dos 10 mandamentos diz "não matarás." Se todas as leis fossem de Deus, Ele seria contraditório, não é? Daí eu pergunto "será que essas pessoas que nos recriminam seguem todas as leis de Moisés?" Uma delas diz "Os filhos desobedientes e rebeldes, que não ouçam seus pais e se comprometam no vício, serão apedrejados até a morte" e está em Deuteronômio, 21: 18-21. Quem segue? Espero que ninguém. Por isso os espíritas seguem apenas o novo testamento. Jesus resumiu A LEI (os 5 primeiros livros do antigo testamento onde estão as leis escritas e recebidas por Moisés) e OS PROFETAS (os outros livros do antigo testamento atribuídos aos profetas Isaías, Ezequiel, etc) na seguinte lei: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos." Por que? Porque ainda é muito difícil segui-las. Para amar Deus precisamos amar tudo que Ele criou e para amar o próximo como a nós mesmos significa fazermos a ele o que queremos que ele nos faça. Então, antes de ficarmos discutindo e decorando leis do antigo testamento, tentemos seguir essas duas. Pensemos nisso! 


Texto de Rudymara



quarta-feira, 21 de junho de 2017

A RAIVA


Reagir no momento de raiva pode gerar consequência triste, difícil e dolorosa no futuro. Nessa ou em outra encarnação. Muitos agridem, ferem, matam, traem, se vingam, desfazem relacionamentos amorosos e familiares, perdem amizades, enfim, prestemos atenção no alerta de Kardec: "Nunca aja por impulso de uma raiva,ela nos leva a fazer coisas das quais iremos realmente nos arrepender.”

Rudymara



domingo, 18 de junho de 2017

JESUS É O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA


CARIDADE


SEMEADURA E COLHEITA


quinta-feira, 15 de junho de 2017

PEQUENAS DOAÇÕES


Não subestime as chamadas "pequenas doações".
o —
O prato frugal que você oferece ao necessitado será provavelmente o recurso de que precisa a fim de liberar-se dos últimos riscos da inanição.
o —
A peça de vestuário que você entregou ao companheiro em penúria terá representado o apoio providencial com que se livrou de moléstia grave.
o —
A reduzida poção de remédio que conseguiu você doar em favor de um doente foi talvez o socorro que o auxiliou a desviar-se do derradeiro corredor em que resvalaria para a morte.
o —
A visita rápida que você levou ao enfermo pode ter sido o estímulo inesperado que o arrancou do desânimo para os primeiros passos, em demanda ao levantamento das próprias forças.
o —
O bilhete ligeiro que você endereçou ao irmão em dificuldade, ofertando-lhe reconforto, possivelmente se transformou na âncora em que haverá retomado o acesso à esperança.
o —
O minuto de tolerância com que você suportou a exigência de uma pessoa, em difícil conversação, haverá sido aquele que a ajudou a descompromissar-se com um encontro desagradável ou com determinado acidente.
o —
Algumas poucas frases num diálogo construtivo serão o veículo pelo qual o seu interlocutor evitará render-se a idéias de suicídio ou delinquência.
o —
Os seus instantes de silêncio caridoso, à frente desse ou daquele agressor, significarão o amparo de que não prescinde, a fim de aceitar a necessidade da própria renovação.
o —
Não menospreze o valor das mini doações.
O seu concurso supostamente insignificante pode ser o ingrediente complementar que esteja faltando em valiosa peça de salvação.

André Luiz



terça-feira, 13 de junho de 2017

TERAPÊUTICA CONTRA O TÓXICO



Divaldo, qual a melhor terapêutica contra os tóxicos?

A do exemplo no lar. A apresentada pela sociedade familiar. A que decorre do Evangelho vivido em casa. Um velho adágio popular afirma com muita sabedoria: "Casa de pais, escola de filhos". O lar não é, apenas, o primeiro santuário, mas, também, o primeiro educandário.
Há excepções, mas estas são o corolário da regra geral.
Se há lares equilibrados onde, ainda assim, os jovens se desarmonizam, imaginemos se eles tivessem encontrado um lar em intranquilidade! Se, diante da medicação salutar, eles permanecem enfermos, tenhamos em mente o seu estado, caso não recebessem a conveniente terapêutica!
No lar, através do exemplo dos pais, se consolidam as disposições positivas dos filhos e se diluem as suas tendências negativas.
A problemática dos tóxicos, de certo modo, é uma decorrência do contexto anárquico da sociedade atual, do desvalor dos valores morais (...)

Extraída do livro "Perguntas & Lições", de Divaldo Franco


Observação de Rudymara: Muitos pais bebem, fumam, ou seja, fazem uso de tóxicos dentro do lar e depois querem aconselhar os filhos para que não usem. A bebida alcoólica é o primeiro passo para o jovem começar o uso de outras drogas. Como disse Chico Xavier: “Nossos filhos são tesouros e ao mesmo tempo, tesouras para cortarem nossas arestas . . .” , ou seja, devemos pensar antes de agir ou falar perto de nossos filhos. 


A LEI DO OLHO POR OLHO DEVE ACABAR


Estamos vivendo uma época onde as drogas estão, infelizmente, dominando os jovens. E o vício está levando estes jovens a delinquência. Esse rapaz da foto foi tatuado na testa por tentar ou por supor que ele iria roubar uma bicicleta, ele é um de muitos que vemos nos noticiários todos os dias. A sociedade está cansada e revoltada e alguns querem fazer justiça com as próprias mãos. Mas, quem faz tal "justiça" se iguala tal qual o delinquente. Lógico que somos a favor de aplicar a Justiça dos homens, devemos pagar pelos nossos erros, mas não somos a favor de fazer justiça pelas próprias mãos. Para quem é cristão a lei do OLHO POR OLHO, da época de Moisés, deve acabar. A lei que Jesus veio trazer é a LEI DE AMOR. Onde Ele ensinou que devemos amar nossos inimigos, devolver o mal com o bem, perdoar sempre, só deve atirar a primeira pedra quem nunca errou ou quem não tem alguém na família que não caiu em algum erro, fazer ao próximo o que queremos que nos faça ou aos que nos são caros. Enfim, um erro não se justifica outro erro. Como disse Jesus: “Nem todos os que me dizem: Senhor! Senhor! entrarão no reino dos céus, mas somente aqueles que fazem a vontade de meu Pai...” E como disse Simeão no O Evangelho segundo o Espiritismo: "Bastará dizer: “Sou cristão”, para que alguém seja um seguidor do Cristo? Procurai os verdadeiros cristãos e os reconhecereis pelas suas obras." Não devemos nos esquecer que quem compra produto roubado também deveria ser punido severamente pela lei dos homens, porque é o grande incentivador de roubos. Duas perguntas: "Se esse rapaz fosse irmão, amigo ou parente do tatuador, será que ele teria feito a tatuagem?" "Se Deus tatuasse em nossa testa nossos erros, será que teríamos testa suficiente?"  Exemplo: "Eu sou receptador de produtos roubados." "Eu não devolvo troco que recebo a mais."; "Eu paro em vaga de idoso e deficiente sem ser nenhum dos dois.", etc etc etc. Pensemos nisso, cristãos!

Rudymara



sexta-feira, 9 de junho de 2017

SOLIDARIEDADE


Todos temos algo para dividir, doar e compartilhar. Um pouquinho de cada um pode fazer a diferença na vida de alguém. Um sorriso, um abraço, uma palavra de carinho, uma peça de roupa, um lanche... Amar o próximo é amar-se, pois tudo que fizermos ao menor dos irmãos de Jesus, que também é nosso irmão, é a nós que estaremos fazendo. Então, eduque seu filho para ser amigo(a), solidário, bondoso, carinhoso, caridoso, enfim, desenvolva nele os melhores sentimentos. Eduque com palavras mas, principalmente com seu exemplo. Só assim construiremos um mundo melhor...

Rudymara



AUTO ILUMINAÇÃO


Muitos acham que nascem para curtir a vida nas festas, viagens, etc. Vai protelando sua evolução, até o dia que se depara, no plano espiritual com sua consciência cobrando o tempo perdido. Daí, é tarde demais. Como disse Chico Xavier: “Dos companheiros espíritas desencarnados que tenho visto, nenhum está satisfeito consigo mesmo – todos eles tem se queixado da sua falta de empenho no melhor aproveitamento do tempo.”.... Disse André Luiz: "Todas as criaturas gozam o tempo, raras aproveitam-na."....."Tempo é tesouro divino em nossas mãos, contudo somente vale se lhe damos valor."...Disse Emmanuel: "Faze o Bem agora, "depois" significa fora do tempo, ou tarde demais."....Aviso temos bastante, resta aproveitarmos as lições que não são para serem decoradas ou admiradas, mas vivenciadas. As lições que não fizermos nesse encarnação, teremos que fazer em outra. E elas poderão vir em forma de dores e aflições, como disse Chico Xavier: "Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar. As facilidades nos impedem de caminhar." Então, não esperemos as dores para nos impulsionar a andar. 

Rudymara


quinta-feira, 8 de junho de 2017

CORPO SEM ATIVIDADE ENFRAQUECE, A MENTE SEM TREINO NÃO SE EXPANDE, E A ALMA SEM TRABALHO NÃO CRESCE.


Assim como o corpo se desenvolve com exercícios físicos, o espírito também precisa se exercitar em seu aspecto transcendental. 
Veja alguns exercícios espirituais sugeridos por Irmão José:

 
UM PRATO DE SOPA AO FAMINTO.
UMA VISITA AO DOENTE.
UMA PALAVRA DE ÂNIMO AOS DESESPERANÇADOS.
UM MINUTO DE ATENÇÃO A QUEM NECESSITE SER OUVIDO.
UMA GENTILEZA NA VIA PÚBLICA.
UM SORRISO, AINDA QUE DISCRETO, A QUEM, HÁ MUITO, ESTEJA ESPERANDO POR ELE.
UM GESTO DE RECONCILIAÇÃO COM O ADVERSÁRIO.

De: José Carlos de Lucca



É PRECISO SABER VIVER



O rico, da parábola "O rico e Lázaro", contada por Jesus, sofreu muito após a sua desencarnação (morte). Porque enquanto estava encarnado (vivo) ele se vestia de púrpura e de linho finíssimo, e todos dias se banqueteava esplendidamente, mas não dava uma migalha de sua mesa ao mendigo chamado Lázaro, que era coberto de chagas e ficava deitado no seu portão enquanto os cães vinham lamber-lhe as úlceras. Quando o mendigo desencarnou (morreu), foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. E o rico sofreu os tormentos do remorso a queimar-lhe a consciência. Por isso, rogou que Moisés mandasse alguém avisar seus 5 irmãos encarnados (vivos) do seu sofrimento, para que eles mudassem seu comportamento para que não sofressem também. Mas Abraão disse: Eles têm Moisés e os Profetas: ouçam-nos. 
Jesus quis dizer que a vida continua após a morte do corpo físico. E se nós não queremos ter uma surpresa ruim ao desencarnar, comecemos a mudar agora. O rico da parábola tinha os ensinamentos de Moisés e os profetas a seguir e nós temos os de Jesus. Chega de adiarmos. Como disse Joamar Zanolini Nazareth: “O Espiritismo é uma doutrina que nos coloca no dever de sempre caminhar. Não nos pede santidade. Pede-nos apenas caminhar, e, a cada passo dado no rumo do progresso, surge o convite ao trabalho dentro do que já conquistamos, atribuindo oportunidades de adquirir as virtudes que ainda não trazemos na alma. O erro não está em ter imperfeições, mas em algemar-se à preguiça e não buscar melhorar-se.”
Então, como diz a letra da música da banda Titãs: "É preciso saber viver..." para que a vida após a vida não nos surpreenda. Como disse Emmanuel: "Viver, todos vivem, mas viver com consciência, é privilégio de poucos."


Texto de Rudymara



MALEDICÊNCIA


Reflexão para todo aquele que adora espalhar notícias que denigrem a vida alheia, incluindo o compartilhamento de certas notícias nas redes sociais que humilha a pessoa que é alvo da maledicência. Tais compartilhamentos ou comentários maledicentes também podem ter consequências perigosas como o linchamento e morte da pessoa. Pois lidamos com todo tipo de pessoa no dia a dia e nas redes sociais....Pense nisso! 



O MAL É AUDACIOSO E O BEM É TÍMIDO




Na questão 932 do O Livro dos Espíritos, Kardec pergunta:
- Por que, no mundo, frequentemente, a influência dos maus sobressai a dos bons? 
Os espíritos responderam:
- Por fraqueza dos bons o mal se sobressai. Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando o bem quiser, dominará.

Quando há um acidente na estrada muitas pessoas param e tiram foto da tragédia para depois chamar o SAMU.
As pessoas compartilham facilmente nas redes sociais o corpo do cantor autopsiado, piadas, pornografia, fofocas de pessoas públicas e outras futilidades que não acrescentam nada em nossa evolução.
Divulgam rapidamente o favelado que trafica, que rouba, mata ou virou um delinquente. Mas não mostra o favelado que estudou, se formou e que faz algo de bom. 
O TELETON tem que ficar 24 horas implorando para o povo ligar para ajudar a instituição. Mas, quando um reality show pede para ligar e votar em quem deve ficar ou sair, o programa ganha milhões em pouco tempo e alguém gasta mais de mil reais com ligações.
Quando alguém posta algum ato de caridade, poucos curtem ou compartilham, mas desgraça, tragédias, maledicências e coisas negativas recebem milhões de visualizações, compartilhamentos, curtidas e comentários.
Quando uma pessoa posta a caridade que fez com seu GRUPO religioso, as pessoas gritam dizendo ser vaidade e que caridade deve ser às escondidas senão não vale. Então seja vaidoso. Chame a atenção das pessoas para o bem, para o que é edificante, para o que é moral. 
A mídia só investe em programações escandalosas, brigas de família, tragédias, fofocas de artistas, etc., porque tem audiência. O bem e o mal estão dentro de nós. Quando mostrarmos que só aceitamos programações, músicas, entretenimento de cunho elevado, o mal deixará de existir. 
 O apóstolo Paulo disse: “Leia tudo e retenha o que for bom.”
A palavra “leitura”, segundo Emmanuel, não se restringe a ler um texto, um livro ou qualquer escrita. Mas, fazer uma leitura, avaliação, daquilo que lemos, vemos e escutamos. Só devemos dar importância e dar continuidade se for do bem.
O “bem” tem que ser mais audacioso que o “mal” para que o mundo seja melhor.

Texto de Rudymara


PRECISAMOS PEDIR MENOS E AGIR MAIS

 


Estamos em plena Nova Era. Em plena transição planetária. Por isso, as religiões precisam ajudar seus seguidores a melhorar suas atitudes em relação à sua vida e a dos outros. 
Chega de viciar seus fieis a buscarem religião com segunda intenção, somente com interesse de resolver problemas físicos e materiais.
Chega de buscar a voz de “espíritos” em consultas espirituais para saber coisas que a voz da nossa consciência pode responder.
Chega de querer afastar negatividade com amuletos, fórmulas mágicas, orações milagrosas. Quem atrai ou repele o mal são nossas atitudes.
Chega de pedir curas milagrosas do corpo físico aos céus sem se esforçar para cuidar da saúde física e espiritual. 
Chega de empurrar nossas culpas, falhas, erros, vícios aos desencarnados, aos pais ou a outra pessoa qualquer. 
Chega de buscar a casa espírita sem o propósito de buscar fora dela a reforma íntima. 
Chega de achar que agradamos Deus, Jesus ou os santos com rezas repetidas, frequentando um templo religioso, tomando hóstia ou passe, batizando, decorando a bíblia ou as obras básicas de Kardec. Já aprendemos que "fé sem obras é morta." 
Chega de pedir coisas para Deus e Jesus sem se esforçar em ouvir Seus pedidos para nós.
Somos hoje o que fizemos de nós ontem e seremos amanhã o que fizermos hoje. É o plantio e a colheita..
Moramos num planeta que abriga espíritos rebeldes e ignorantes, dentre eles estamos nós. Como querer ter pai, mãe, irmãos, filhos, etc., perfeitos?
Precisamos tirar lições dessa convivência.
Muitas vezes nos encontramos na família para aparar arestas que deixamos para trás no passado reencarnatório.
Temos que nos perguntar: Será que não fui um filho ingrato e relapso? Será que não fui um pai ou uma mãe irresponsável? Por que estas pessoas com quem convivo são assim? Por que eu sou assim? Onde devo ajudá-los? Como posso melhorar?
A maior cobrança deve vir de nós para nós. 
É hora de assumirmos responsabilidades, as consequências dos nossos atos.
Mas, onde devemos nos apoiar para pedir ajuda? No Evangelho de Jesus. Nele há as normas de conduta que nos fará responsáveis, fortes e úteis na Sua seara.

Texto de Rudymara