terça-feira, 27 de setembro de 2016

LEI DE MERECIMENTO


Jesus disse: “A cada um segundo suas obras”, ou seja, cada um receberá segundo o que tenha feito. Esta frase fala de recompensa futura, nossos atos ditarão o que colheremos na próxima encarnação. A lei divina não irá querer saber se erramos porque fomos excluídos, desprezados, humilhados, porque fomos pobres, dessa ou daquela raça, etc. Mas, como nos comportamos nestas situações. Então, deixemos a condição de “coitadinho”, de “vítimas” e lutemos para mostrar que todos somos capazes, inteligentes, dignos em qualquer situação... Ninguém veste um corpo físico que seja alto ou baixo, com ou sem defeito, precisando usar óculos ou não, dessa ou daquela raça ou posição social, etc., sem motivo. Tudo é teste e aprendizado. Precisamos passar por certas situações para podermos dar valor, para respeitarmos quem, talvez, desrespeitamos em outra encarnação, para aprendermos a utilizar o dinheiro ou viver sem ele, etc. Se um teve mais recurso ou oportunidade, é porque ele deveria estar ali recebendo aquilo. Deus não erra de endereço. Observemos que muitos que nasceram com menos recursos e oportunidades alcançaram o que muitos com recursos e oportunidades não conseguiram. Os que tem menos, é lógico, terão que lutar mais, mas nada é por acaso. Muitos pediram, antes de encarnar, para estar naquela situação (prova). Se não pediram a lei divina os colocou ali (expiação). O que não devemos é sentir pena de nós e escolhermos um caminho errado e colocarmos a culpa no Governo, na sociedade, etc. A lei divina não privilegia ou desprivilegia ninguém. Tudo está dentro da lei de causa e efeito ou plantio e colheita. Já a lei humana não é justa nem perfeita como a lei de Deus. Basta observarmos a lei que diz: "saúde é direito de todos e dever do Estado". Isto não é cumprido e ninguém é punido por não obedecê-la. E entre as pessoas, muitas vezes, a justiça também não acontece. Muitos que pedem igualdade ou justiça social, por exemplo, se fosse dono de uma grande empresa, e tivesse procurando uma pessoa para uma vaga administrativa em sua empresa, e entre os concorrentes tivesse um irmão(ã) menos qualificado para o cargo que os outros, quem será que esta pessoa contrataria? Será que esta pessoa avaliaria todos de maneira igual, com justiça? É fácil pedir ou exigir igualdade e justiça social para os outros. Então, precisamos entender que, ainda moramos num mundo de provas e expiações, ou seja, qualquer sofrimento que venhamos a enfrentar é uma prova ou uma expiação. Na prova somos nós que pedimos para passar por certas situações: para resgatar ou para acelerar a evolução. Na expiação é uma imposição da lei divina para que resgatemos algo que fizemos. Faz parte da nossa evolução. Somos espíritos endividados com a lei divina e, obviamente, falhos. Todos, ainda, cometemos injustiças. O que devemos fazer é, utilizar para o BEM o que Deus nos empresta para que, no futuro, venhamos com menos dívidas e, consequentemente, sofrendo menos. Não queiramos méritos sem esforço. Como disse Emmanuel: "Cada conquista é serviço de cada um. Deus não tem prerrogativas ou exceções.Toda glória tem preço. É a lei do mérito, da qual ninguém escapa."

Rudymara





COSME E DAMIÃO


Embora o Espiritismo não comemore o dia de Cosme e Damião, eu aprendi com ele a respeitar quem comemora. É o ensino básico de um cristão. Eu resolvi falar porque vi um dirigente religioso (que não vem ao caso a denominação religiosa, até porque nem todos de sua religião pensam assim, graças a Deus), dizer que distribuição de doces é para "aqueles demônios chamados Cosme e Damião". Quem prega isso, só decorou a Bíblia, mas ainda não entendeu os ensinamentos que há nela. Nem que fosse coisa do demônio, o que ele ou qualquer um de nós tem com isso? Assim como este religioso tem o livre arbítrio de pensar como acha certo, ele deve dar o mesmo direito aos outros. A recomendação de Jesus é: "Faça ao outro o que quer que o outro lhe faça." Então, se queremos que respeitem nossa religião, respeitemos a do nosso próximo também. Se nosso próximo está errando, quem irá prestar contas com a lei divina, é ele. E quem disse que nós somos 100% corretos? Quem segue 100% a Bíblia? Vamos ler para entender: no calendário católico, o Dia de São Cosme e Damião é 26 mas no sincretismo religioso a festa é dia 27 de setembro. Eles eram dois irmãos gêmeos que se tornaram médicos e viajavam pelo oriente curando pessoas com a sua ciência, a fé em Deus e no poder da oração. Conseguiram tantas curas que o Rei Diocleciano mandou decapitá-los com medo da sua popularidade. Foi a partir daí que Cosme e Damião começaram a ser conhecidos como santos gêmeos. Não se sabe ao certo quando surgiu a tradição de distribuir doces, mas ganhou a cada ano mais força com o sincretismo entre a igreja católica e a umbanda. 
As pessoas ofertam dinheiro, terrenos, etc., em nome de Deus para suas religiões. Na festa de Santo Antonio distribuem pães. Na de São Benedito distribuem doces. Por que os umbandistas não podem distribuir doces no dia de Cosme e Damião? Por que a distribuição deles é demoníaca e da outra religião não é? Chega de intolerância, não é? Como disse Jesus: “Meus discípulos verdadeiros serão conhecidos por muito se amarem”. Que tal refletir sobre esta frase?

Rudymara



segunda-feira, 26 de setembro de 2016

PACIÊNCIA TAMBÉM É CARIDADE


Todo sábado o grupo de voluntários que trabalhava com Chico Xavier saía para fazer caridade. Daí, de repente, chega um conhecido do médium, totalmente bêbado, que havia virado alcoólatra. Impacientes, a equipe pedia a Chico para irem logo fazer caridade, mas o paciente Chico acolheu o bêbado com alegria e pediu para ele começar a cantar algumas músicas.
- “Cante aquela do Nelson Gonçalves, depois aquela do Altemar Dutra”
O bêbado, feliz, foi cantando.
E o grupo ficando mais impaciente para sair.
O bêbado tanto cantou tanto que ficou bom do porre.
Daí Chico falou para o grupo: 
- “Pronto irmãos, fizemos nossa primeira caridade de hoje”.
O bêbado, feliz, se ajoelhou aos pés de Chico, chorando:
- “Só você me entende e é meu amigo...”
Depois Chico disse ao grupo: 
- “Ele perdeu a esposa e os filhos em um acidente de carro e sente-se culpado por isso, a partir daí virou alcóolatra. Não podemos julgar nossos irmãos”, - concluiu.


OBSERVAÇÃO DE RUDYMARA: Vejamos que o grupo saía para fazer caridade, mas não exerceram a caridade da paciência com o amigo de Chico. Por isso, Um Espírito Amigo, no O Evangelho segundo o Espiritismo disse: "Sede paciente, pois a paciência é também caridade, e deveis praticar a lei de caridade, ensinada pelo Cristo, enviado de Deus. A caridade que consiste em dar esmolas aos pobres é a mais fácil de todas. Mas há uma bem mais penosa, e consequentemente bem mais meritória, que é a de perdoar os que Deus colocou em nosso caminho para serem os instrumentos de nossos sofrimentos e submeterem à prova a nossa paciência." 
Pois é, muitos ainda não se deram conta que paciência também é caridade. E aqui cabe também o alerta de Jesus: "Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão a vós. …"





FIM DO MUNDO E FIM DOS TEMPOS



O planeta Terra está em transição. É o "FIM DO MUNDO" de provas e expiações e o início do mundo de regeneração. Muitos chamam de "FINAL DOS TEMPOS". Sim, final do tempo ruim e início de tempo bom. Enfim, nosso planeta está evoluindo, embora não pareça. Segundo Divaldo Franco no livro Entrevistas & Lições "...no terceiro milênio haverá uma grande transformação...o processo de evolução é muito lento e costumamos dizer que, até o dia 31 de dezembro de 2999 ainda estaremos no terceiro milênio." Entendemos que, a transição acontecerá dentro do terceiro milênio, portanto, não acontecerá tão rapidamente. Mas, os futuros moradores do Planeta Terra terão que ser mansos e pacíficos, porque a Terra não terá lugar para os coléricos, os odiosos, os violentos, os maldosos e egoístas. Estamos naquela "peneira" simbólica que Jesus mencionou, onde está havendo a separação do joio e do trigo. E esta separação ocorre no plano espiritual ao desencarnarmos. Os bons continuarão reencarnando na Terra para dar exemplo e continuidade a um planeta regenerado. E os maus estão tendo a oportunidade de regenerar-se, senão terão que mudar para outro planeta que condizem com seu comportamento. Mas, como está no livro “Transição Planetária”: “Antes, porém, de chegar esse momento, a violência, a sensualidade, a abjeção, os escândalos, a corrupção atingirão níveis dantes jamais pensados, alcançando o fundo do poço, enquanto as enfermidades degenerativas, os transtornos bipolares de conduta, as cardiopatias, os cânceres, os vícios e os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno à ética, à moral, ao equilíbrio(...)
“Como em toda batalha, momentos difíceis surgirão exigindo equilíbrio e oração fortalecedores, os lutadores estarão expostos no mundo, incompreendidos, desafiados por serem originais na conduta, por incomodarem os insensatos que, ante a impossibilidade de os igualarem, irão combatê-los, e padecendo diversas ocasiões de profunda e aparente solidão... Nunca, porém, estarão solitários, porque a solidariedade espiritual do Amor estará com eles, vitalizando-os e encorajando-os ao prosseguimento (...)”
Então, colaboremos com esta transição. O mundo só será melhor quando melhorarmos o mundo que existe dentro de nós. Que o novo tempo seja como a primavera, florido, perfumado e cheio de alegria.  

Rudymara




VELHICE NA VISÃO ESPÍRITA


Quando encarnamos, recebemos uma carga de fluido vital (fluido da vida). Quando este fluido acaba, morremos. Somos como a pilha que com o tempo vai descarregando.
Chegamos ao ponto que os remédios já não fazem mais efeito. Daí não resta outra alternativa senão trocar de “roupa” e voltar para a escola planetária.
Mas a quantidade de fluido vital não é igual em todos seres orgânicos. Isso dependerá da necessidade reencarnatória de cada um de nós.
Quando chegamos á Terra cada um tem uma "estimativa de vida". Vai depender do que viemos fazer aqui. A pessoa que está estimado viver em torno de 60 anos receberá mais fluido que a pessoa que está estimado viver 20 anos. 
André Luiz, através da psicografia de Chico Xavier, explica que poucos são completistas, ou seja, nascemos com uma estimativa de vida e, com os abusos, desencarnamos antes do previsto, não completamos o tempo estimado, isso chama-se suicídio indireto.
Se viemos acertar as pendências biológicas por mau uso do corpo, como o suicídio direto ou indireto, nós vamos ficar aqui pouco tempo. É só para cobrir aquele buraco que nós deixamos. Exemplo: Se nossa estimativa de vida é 60 anos e nós, por abusos, desencarnamos aos 40 anos, ficamos devendo 20 anos. Então, na próxima encarnação viveremos somente 20 anos. 
Mas há outros indivíduos que vem para uma tarefa prisional. E daí vai ficar, 70, 80, 90, 100 anos. Imaginamos que quem vira os 100 anos está resgatando débitos. Porque vê as diversas gerações que já não são as suas. E o indivíduo vai se sentindo cada vez mais um estranho no ninho. Os jovens o olham como se ele fosse um dinossauro. Os da sua idade já não se entendem mais porque já faltam certos estímulos (visuais, auditivos, etc.). Já não podem visitar reciprocamente, com raras exceções. Tornam-se pessoas dependentes dos parentes, dos descendentes para levar aqui e acolá. Até para cuidar-se e tratar-se. Então, só pode ser resgate para dobrar o orgulho, para ficar nas mãos de pessoas que nem sempre gostam dela. Alguns velhos apanham, outros são explorados na sua aposentadoria, outros são colocados em asilos onde nunca recebem visitas. 
Em compensação, outros vêm, cuidam da família, educam os filhos em condição de caminhar, fecham os olhos e voltam para a casa com a missão cumprida com aqueles que se comprometeu em orientar, impulsionar, a ajudar.
Por isso, precisamos conversar com os jovens. Dizer a eles que é na juventude que a gente estabelece o que quer na velhice, se chegar lá. E que vamos colher na velhice do corpo o que tivermos plantado na juventude. Se ele quiser ter um ídolo, que escolha alguém que esteja envolvido com a paz, com a saúde, a ética, ao invés de achar ídolos da droga, do crime, das sombras. 
E aqueles que não tem jovens para orientar e que estão curtindo a própria maturidade, avaliar o que fizeram da vida até agora. Se a morte chegasse hoje, o que teriam para levar? Se chegarem a conclusão que não tem nada para levar lembrem que: HÁ TEMPO.
Enquanto Deus nos permitir ficar na Terra, HÁ TEMPO, para fazermos algum serviço no Bem seja ao próximo ou a nós mesmos: estudar, aprender uma língua, uma arte, praticar um esporte. Enquanto respirarmos no corpo perguntemos: “O QUE DEUS QUER QUE EU FAÇA?” Usemos bem o fluido que nos foi disponibilizado.
ATENÇÃO: a vida bem vivida pela causa do Bem pode nos dar “MORATÓRIA”, ou seja, uma sobrevida, uma dilatação do tempo de permanência do Espírito no corpo de carne. Por isso vemos muitos trabalhadores do BEM desencarnando com idade bem avançada. Estes receberão uma carga extra de fluido vital para estender seu tempo no corpo físico. 
Então, há idosos em caráter expiatório e em caráter de moratória.

José Raul Teixeira




terça-feira, 20 de setembro de 2016

TODOS DESENCARNAM NA HORA CERTA?


Costumamos ouvir algumas frase como:
“Só peru morre de véspera!”;
"Chegou sua hora, Deus o levou!”
"Puxou a ficha, vai mesmo."
São frases populares fazendo referência ao fato de que ninguém desencarna antes que chegue seu dia.
Piedosa mentira! Na realidade ocorre o contrário. Poucos cumprem integralmente o tempo que lhes foi concedido, ou seja, a maioria desencarna antes da hora. Com raras exceções, o homem terrestre atravessa a existência abusando da máquina física, comprometendo sua estabilidade. Segundo André Luiz, raros os que atingem a condição de “completistas”, isto é, que aproveitam, integralmente, as experiências humanas, estagiando na carne pelo tempo que lhes foi concedido.
DESTRUÍMOS O CORPO FÍSICO DE FORA PARA DENTRO, com vícios, a intemperança, a indisciplina, o álcool, o fumo, o tóxico, os excessos alimentares, tanto quanto a ausência de exercícios, de cuidados de higiene e de repouso adequado, minam a resistência orgânica ao longo dos anos, abreviando a vida física.
DESTRUÍMOS O CORPO FÍSICO DE DENTRO PARA FORA com o cultivo de pensamentos negativos, idéias infelizes, sentimentos desequilibrados, envolvendo ciúme, inveja, pessimismo, ódio, rancor, revolta. Há indivíduos tão habilitados a reagir com irritação e agressividade, sempre que contrariados, que um dia “implodem” o coração em enfarte fulminante. Outros “afogam” o sistema imunológico num dilúvio de mágoas e ressentimentos, depressões e angústias, favorecendo a evolução de tumores cancerígenos.
Tais circunstâncias fatalmente implicarão em problemas de adaptação, como ocorre com os suicidas. Embora a situação dos que desencarnam prematuramente em virtude de intemperança mental e física, seja menos constrangedora, já que não pretendiam a morte, ainda assim responderão pelos prejuízos causados à máquina física, que repercutirão no futuro reencarnatório, impondo-lhes penosas impressões, dando origem a deficiências e males variados que atuarão por indispensáveis recursos de reajuste.
Não somos proprietários de nosso corpo físico. Usamo-lo em caráter precário, como alguém que alugasse um automóvel para longa viagem. Há um programa a ser observado, incluindo roteiro, percurso, duração, manutenção. Se abusamos dele, acelerando-o com indisciplinas e tensões, envenenando-o com vícios, esquecendo os lubrificantes do otimismo e do bom ânimo, fatalmente nos veremos às voltas com graves problemas mecânicos. Além de interromper a viagem, prejudicando o que fora planejado, seremos chamados a prestar contas dos danos provocados num veículo que não é nosso.
No futuro, em nova “viagem”, provavelmente teremos um “calhambeque” com limitações variadas, a exigir maior soma de cuidados, impondo-nos benéficas disciplinas.

Richard Simonetti




ABORTO NA VISÃO ESPÍRITA


Nós espíritas, acreditamos que a partir do momento em que o óvulo é fecundado pelo espermatozóide, surgindo o embrião, inicia-se uma reencarnação, ou seja, um Espírito é ligado ao organismo em desenvolvimento, com a supervisão de técnicos da Espiritualidade. Então, a sexualidade deveria ser exercida com responsabilidade. Porque, para nós, o aborto provocado é sempre um crime contra a vida, e dos mais lamentáveis, mesmo no caso de fetos defeituosos (ex.: os anencéfalos).
QUE FAZER QUANDO A VIDA DA MÃE ESTÁ EM JOGO? Há exceção quando se trata de aborto terapêutico, cujo objetivo é salvar a vida da mulher-mãe, porque sendo ela poupada, outra oportunidade terá.
E O ABORTO CLANDESTINO? Querem justificar dizendo que, quando o aborto for legalizado, a onda de crimes se fará muito menor. Quem pensa assim, está equivocado. Em países onde o aborto foi legalizado, as estatísticas demonstram a continuidade do aborto clandestino, pondo-se em risco a vida da mulher.
QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS ESPIRITUAIS? O espírito abortado poderá voltar-se contra a responsável por sua infelicidade (a mãe), tornando-se seu obsessor. Ainda que o filho assassinado seja de índole pacífica, disposto a afastar-se sem rancor, ela se situará em estado latente de desajuste, que se refletirá em seu psiquismo na forma de angústias e depressões, favorecendo o assédio de Espíritos obsessores que exploram as fraquezas humanas. Além disso, o aborto criminoso gerará desajustes perispirituais na mulher. Estes desajustes, mais cedo ou mais tarde, na existência atual ou futura, darão origem a enfermidades e limitações que se fixarão nos órgãos correspondentes à natureza de seu crime. Exemplo: esterilidade, tumores, infecções renitentes, etc.
E QUANDO A MULHER ENGRAVIDA CONTRA SUA VONTADE, COMO NO CASO DO ESTUPRO? O Espiritismo, em qualquer caso, entende a maternidade como digna e nobre. Além do mais, não sabemos se essa criatura, recebida em circunstâncias tão sofridas, não será o amparo e o amigo de que a mulher terá mais tarde em outras condições, quem sabe não menos dolorosas. Receber nos braços um filho que a vida nos enseja é sempre uma bênção. O estuprador apenas produziu um corpo carnal, o espírito que irá se vincular àquele corpo e dará vida a ele é um filho de Deus. Caso a mulher não queira conviver com o "filho de Deus", dê esta criança para adoção, mas não mate.
E O LIVRE ARBÍTRIO DA MULHER? Há quem defenda o livre arbítrio da mulher. Mas, quem defende o livre arbítrio do feto? O aborto, como o suicídio, é um dos maiores crimes que se podem perpetrar, porquanto a vítima do aborto não tem oportunidade de defesa. Já a gravidez pode ser prevenida. Abortar para fugir da responsabilidade, geralmente livremente aceita, nunca! O sexo deve ser exercido com responsabilidade, é natural se arque com as conseqüências. No caso, o filho. A mulher deveria considerar que o filho que está a caminho, sejam quais forem as circunstâncias em que venha ao mundo, ainda que represente para ela sacrifícios e lutas, é alguém enviado por Deus para oferecer-lhe a mais elevada de todas as funções, a mais nobre de todas as missões. As mulheres são COLABORADORAS DO CRIADOR NA OBRA DA CRIAÇÃO. Muitas mulheres gritam: "o corpo é meu". Mas, aprendemos que, o corpo não é dela, se fosse dela ela levaria após a morte física. O corpo é um empréstimo de Deus para que façamos bom uso na finalidade da nossa encarnação que é: EVOLUIR. 
E O CONTROLE DA NATALIDADE? É uma medida muito válida. Entre programarmos a prole, mantendo a harmonia familiar e deixarmos que venhamos a derrapar pelo aborto, o planejamento familiar, do ponto de vista espiritista, é profundamente ética.
E OS QUE INDUZEM OU AUXILIAM A MULHER NO ABORTO? Todos aqueles que induzem ou auxiliam a mulher na eliminação do nascituro possuem também a sua culpabilidade no ato criminoso: maridos ou namorados que obrigam as esposas; médicos que estimulam e o realizam; enfermeiras e parteiras inconscientes. Para a justiça humana, não há crime, nem processo, nem punição, na maioria dos casos, mas para a JUSTIÇA DIVINA todos os envolvidos no ato criminoso sofrerão as conseqüências sombrias, imediatas ou em longo prazo, de acordo com o seu grau de culpabilidade.
QUE DEVE FAZER A MULHER QUE FEZ ABORTO E ARREPENDEU-SE? Demonstra a Doutrina Espírita que a mulher comprometida no crime do aborto pode superar o remorso ajudando filhos que perderam suas mães, em obras assistenciais. Há muito serviço em creches, berçários, hospitais, casas de sopas, lares de infância, que esperam por corações generosos e mãos dispostas a servir. Se a dor é a moeda com a qual a justiça divina cobra nossos débitos, o Bem é inestimável valor alternativo, com o qual a divina misericórdia nos permite abreviar nossos padecimentos exercitando tarefas redentoras. Portanto, qualquer pessoa de mediana capacidade de discernimento, sabe que O ABORTO É CRIME. Podem legalizá-lo um milhão de vezes, mas nunca o moralizarão. O fato de ser legal não implica em ser moral.
Você que discorda do como pensamos, você está no seu direito, assim como nós estamos no nosso de pensar diferente de você. Então, nos respeitemos.

COMPILAÇÃO DE RUDYMARA




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

NEM TODA MORTE FOI PLANEJADA




Como diz Richard Simonetti: “A Terra é um planeta de provas e expiações. O simples fato de aqui vivermos significa que somos Espíritos comprometidos com débitos que justificam qualquer tipo de sofrimento ou morte que venhamos a enfrentar, como contingência evolutiva, sem que tenha ocorrido um planejamento dos superiores celestes nesse particular.”
Então, se desencarnarmos com um tiro, por exemplo, isso não significa que nascemos para desencarnar com um tiro. Por que? Porque ninguém nasce para atirar em alguém, matar, enganar ou prejudicar seu próximo e nem a si mesmo. Nascemos para EVOLUIR.  
Os espíritos disseram na questão 741 que, “muitos flagelos resultam da imprevidência do homem”. O que acontece é que, muitos de nós usamos mal o livre arbítrio. Vejamos estes exemplos: Transgredimos a lei de trânsito, daí sofremos acidente que pode colocar a nossa vida e de outras pessoas em risco; nos atiramos num rio perigoso para nos refrescar e daí, acontece a desencarnação por afogamento... Assim somos nós, quando vivemos perigosamente ou na adrenalina. Sofremos as conseqüências de nossas inconseqüências. Nossos atos podem ocasionar a desencarnação antes da hora planejada. Mas, não é um suicídio direto, porque não teve intenção de se matar. É um suicídio indireto, porque a pessoa sabe que aquilo é perigoso e assim mesmo arrisca a vida. Então, se alguém atirar, esta bala vai atingir algo e este algo pode ser uma pessoa. Como disse Richard Simonetti: O simples fato de aqui vivermos significa que somos Espíritos comprometidos com débitos que justificam qualquer tipo de sofrimento ou morte que venhamos a enfrentar Também não podemos esquecer que, a maioria de nós tem algo a resgatar. Salvo os casos onde o Espírito pede, antes de encarnar, uma prova difícil ou dolorosa. Exemplo: para adiantar sua evolução, para despertar familiares a observar sua fé e por tantos outros motivos. Mas a maioria são devedores, uns resgatam individualmente, outros coletivamente. Num acidente de carro, por exemplo, a lei divina pode poupar quem ainda não chegou a hora ou está em MORATÓRIA (explicação no final do texto), como foi o caso do médium José Raul Teixeira que sofreu um acidente e sua vida foi poupada. Um dia, numa palestra de Divaldo Franco, este o chamou e disse que no momento do acidente Joanna de Angelis entrou na sala de Divaldo e pediu para que  ele orasse em agradecimento por Raul ter recebido uma longa moratória. Mas, a lei divina também pode aproveitar o acidente para levar quem precisa ir, foi o caso de Luiz Sérgio, que desencarnou num acidente de carro e que ele relata no livro “O mundo que encontrei.” No carro havia várias pessoas, mas só ele desencarnou. Em seu segundo livro ele conta que em uma de suas encarnações ele sabotou a carruagem de uma pessoa para ficar com o cargo dela. Isto não significa que todos os que escapam de um acidente estão recebendo moratória, pode ser que precisem continuar sua expiação. Como vemos, cada caso é um caso e só Deus sabe os detalhes. Cabe a nós cuidarmos e preservarmos a vida, pois ela é dada por Deus como oportunidade de evoluirmos. 
ATENÇÃO: a vida bem vivida pela causa do Bem pode nos dar “MORATÓRIA”, ou seja, uma sobrevida, uma dilatação do tempo de permanência do Espírito no corpo de carne. Por isso vemos muitos trabalhadores do BEM desencarnando com idade bem avançada. Estes receberão uma carga extra de fluido vital para estender seu tempo no corpo físico. 


Rudymara 





sexta-feira, 16 de setembro de 2016

MOVIMENTO FEMINISTA NA VISÃO ESPÍRITA


No livro "Entrevistas e Lições" foi feito a seguinte pergunta a Divaldo Franco: DIVALDO FRANCO, COMO VOCÊ VÊ O MOVIMENTO FEMINISTA? E ele respondeu: "Como de libertação da mulher, digno como todos os outros que tem como objetivo contribuir para a felicidade da criatura humana, na Terra. O excesso, as paixões, as lutas perturbadoras são prejudiciais em qualquer tipo de atividade, não sendo, portanto, exclusivo do Movimento Feminista. Certamente, há pessoas que exageram nas suas posturas e ideações, porém isto é da criatura humana e, não, especificamente, deste ou daquele grupamento." 
E no livro "O Consolador", Emannuel também fala sobre o assunto: "A ideologia feminista dos tempos modernos, com as diversas bandeiras políticas e sociais, pode ser um veneno para a mulher desavisada dos seus grandes deveres espirituais na face da Terra." 
Então, como vemos, o problema não é o movimento feminista, mas como se faz o movimento. Tudo deve ser dentro da lei, dos bons costumes, do respeito ao próximo e a si mesmo... Afinal, se é uma busca por direitos, seus membros não devem esquecer seus deveres e, consequentemente, os direitos do seu próximo. E os espíritas sabem, ou deveriam saber, porque um espírito encarna num corpo feminino e quais são seus deveres espirituais. A mulher tem os mesmos direitos que os homens, dizem os espíritos no O livro dos espíritos, mas os deveres são diferentes. Mas, muitas feministas buscam ser iguais ao homem no que ele mais erra há séculos: sexo desregrado, vícios, etc., quando deveriam mostrar a eles, através de seus exemplos e da educação que dão aos seus filhos homens, de como estes deveriam se comportar. E quando acontece uma gravidez, por exemplo, elas querem se livrar do "problema" através do aborto. Daí, tal ato, pode acarretar muita dor no futuro, através de resgate reencarnatório.  Muitas gritam: "o corpo é meu". Mas, aprendemos que, o corpo não é dela, se fosse dela ela levaria após a morte física. O corpo é um empréstimo de Deus para que façamos bom uso na finalidade da nossa encarnação que é: EVOLUIR. Por isso, Emmanuel alerta dizendo que conforme a maneira que se busca e o que se busca pode ser um veneno para a mulher ou ao espírito que veste um corpo feminino. Então, que as pessoas de tal movimento usem seu livre arbítrio com cautela. Pois, "tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém", como disse o sábio apóstolo Paulo. E aqueles ou aquelas que pensam diferente de nós, queremos dizer que, vocês estão no seu direito de discordar mas, nos dê o direito de pensar diferente de vocês.

Texto de Rudymara




VIVER É INTERPRETAR


O ator Domingos Montagner desencarnou ontem, 15 de setembro de 2016, causando muita comoção em seus fãs. Aproveitemos este momento para falar sobre a morte na visão espírita. Pois, vemos a vida como um grande palco, onde nós somos os atores. Quando encarnamos é como se entrássemos neste palco para interpretar um papel. E quando desencarnamos é como se a cortina fechasse e a interpretação terminasse. Daí, retornamos ao plano espiritual de onde viemos, para nos preparar para um novo retorno e uma nova interpretação. E nesta nova interpretação poderemos trocar de raça, posição social, nacionalidade, sexo, família, etc. A única certeza que temos é que, chegando do lado de lá, CADA UM PRESTARÁ CONTAS DE SI PARA DEUS, como disse Jesus. E Ele não irá querer saber dos tesouros que juntamos na Terra e que, a traça e a ferrugem podem destruir e que os ladrões roubam, mas sim dos tesouros do céu que levaremos na alma: AS VIRTUDES. Por isso, precisamos aprender a viver. Pois, não sabemos quando e como sairemos de cena. Se será hoje, amanhã ou daqui a alguns anos, Se será por vontade divina ou por nossa inconsequência. Seja como for, busquemos interpretar nossos papéis neste palco da vida, da melhor forma possível. Tentando ser melhor a cada dia. Preservando a vida cuidando do corpo físico. Respeitando tudo que Deus criou. Fazer o bem sempre. Usar as coisas materiais para viver sem a ânsia de viver somente para ter coisas. Porque o script da nova atuação dependerá da nossa última interpretação, como disse Jesus A CADA UM SERÁ DADO SEGUNDO SUAS OBRAS. Pensemos nisso! Neste momento, Domingos está na coxia desse teatro, avaliando sua atuação, aguardando sua nova entrada em cena e sendo amparado pelo Amoroso Diretor dessa peça, que é DEUS.

Rudymara