domingo, 30 de outubro de 2011

PEDRO NÃO FOI O PRIMEIRO PAPA DA IGREJA CATÓLICA


 
Para a igreja católica o primeiro Papa foi o apóstolo Pedro, um dos 12 apóstolos de Jesus Cristo. Nascido em 10 a.C, e que exerceu seu pontificado entre os anos 30 e 67 d.C. Ele tem uma grande importância para os católicos, pois é considerado o fundador, junto com o apóstolo Paulo, da Igreja. Eles se baseiam no trecho evangélico onde o Cristo disse: “És Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”. Mas a história diz que o catolicismo romano nasceu somente em 325 d.C. com o concílio de Nicéia, promovido por Constantino, imperador de Roma. Ela recebeu esse nome em 381 com o imperador Teodósio. A história revela que o papado foi instituído com fins políticos e o teve início, segundo Emmanuel revela no livro "A Caminho da Luz", em 607. Antes disso não havia o chefe supremo de todas as igrejas, pois as igrejas eram independentes. Foi somente em 607 que o Imperador Focas deu ao Papa Bonifácio III o título de BISPO UNIVERSAL DE TODAS AS IGREJAS CRISTÃS, caracterizando, portanto o início da instituição do papado.
Segundo Emmanuel, a instituição do papado foi uma vitória das trevas, ou seja, da entidades espirituais que querem impedir a evolução da Terra.

Observação: "Igreja" no contexto bíblico pode designar reunião de pessoas, sem estar necessariamente associado a uma edificação ou a uma doutrina específica.
ONDE SURGIU O TERMO "PEDRA"?

Therezinha Oliveira: Quando Simão Pedro foi apresentado a Jesus este disse: “Tu és Simão, o filho de Jonas: tu serás chamado Cefas.” E a palavra “CEFAS”, em aramaico, significa “PEDRA” e é um substantivo masculino. Ao traduzirem para o grego, como não tinham o masculino de pedra, criaram um neologismo “PETROS”. Daí veio para o latim: Petrus; e para o português: Pedro.

MAS, POR QUE JESUS DIZ QUE SIMÃO PASSARIA A SER CHAMADO "PEDRA"?

Therezinha Oliveira: Os israelitas costumavam assinalar com pedras os locais onde se haviam dado manifestações espirituais. Elas eram marco de presença espiritual. Pedro iria se revelar excelente médium, servindo muitas vezes como marco de grandes manifestações espirituais. A partir de então, no agrupamento cristão, Simão bar Jonas (filho de Jonas) passou a ser chamado Simão Pedro (a pedra) ou, simplesmente, Cefas (a Pedra), Pedro.

O QUE SIGNIFICAM, NA REALIDADE, AS CHAVES DO REINO DOS CÉUS?
Paulo A Godoy: (...) As chaves do Reino dos Céus, prometidas por Jesus Cristo, são simbolizadas na sabedoria, nas obras meritórias, na evolução espiritual, na reforma íntima, pois, sem esses atributos ninguém terá possibilidades de ascender aos páramos de luz que os homens denominam Céus. Quem tiver obedecido às ordenações de Jesus Cristo no sentido de acumular um tesouro nos Céus, onde os ladrões não roubam nem a ferrugem consome, certamente terá garantida a posse dessas chaves. Todo aquele que pautar seus atos nos moldes dos ensinamentos legados por Jesus, todo aquele que viver os ensinamentos evangélicos, estará apto a conquistar esse decantado reino. A vivência dos preceitos ensinados pelo Cristo propiciará a todos aqueles que os assimilarem a oportunidade de viverem as qualidades intrínsecas que lhes possibilitarão o acesso a essas regiões elevadas. Eles entrarão realmente na posse das chaves para a conquista desse tão almejado Reino (...)

Compilação de Rudymara

 
 
 
Observação: Pedro era um pescador, simples, sem trono, cálice de ouro e roupas finas.  E Jesus pregava nas ruas e praças, não tinha templo de pedra. Não tinha religião. Pregava os ensinamentos divinos sem dar denominação. Apenas designou aos seus seguidores que propagassem seus ensinamentos. Mais tarde, os homens, por interesses vários, criaram denominações religiosas. Deram suas interpretações, criando separações, vaidade, orgulho, posse, ostentação, guerras, enfim, deturparam o cerne dos ensinamentos.   
 




 



Nenhum comentário:

Postar um comentário