quarta-feira, 2 de março de 2011

LEI DE CAUSA E EFEITO - história contada por André Luiz


No livro “Ação e Reação”, psicografia de Francisco Cândido Xavier, o Espírito André Luiz realiza um estudo notável do funcionamento da Lei de Causa a Efeito, em que somos chamados a responder por todos os males causados aos semelhantes, desfazendo complicados “nós” que comprometem o fio de nosso destino.

O autor refere-se à experiência de um homem que assassinou friamente seus dois irmãos para ficar só para ele a herança que o pai deixou. Ele simulando um acidente de barco onde ambos morreram afogados.
Crime perfeito, sob o ponto de vista humano.
Ninguém desconfiou de nada.
A justiça humana foi enganada, mas, Justiça Divina não.
Após inúmeras peripécias, vários anos depois, já desencarnado, sofrendo tormentos inenarráveis, o criminoso foi acolhido numa organização socorrista, onde mentores amigos planejaram para ele uma nova reencarnação, com o propósito de resgate de suas culpas.
Ele reencarnaria como filho de seu filho, ou seja, ele seria neto de si mesmo, e quando adulto, se casaria para receber os dois irmãos assassinados como filhos. Desta forma, devolveria aos dois os bens que lhes roubara: a vida e a herança.

Aqui, temos duas observações:

1ª - Situações assim ocorrem com freqüência, estabelecendo o confronto entre algozes (carrascos) e vítimas, no recesso do lar, ligados pelo sangue.
Aqueles que prejudicamos no passado retornam a nós na condição de familiares, a fim de que nos harmonizemos, resgatando nossos débitos.
Daí os problemas que surgem envolvendo pais e filhos, irmãos e irmãs, marido e mulher, porquanto, embora as bênçãos do esquecimento e os laços da consangüinidade, persistem, inconscientemente, as mágoas do passado.
Daí a ausência de afinidade, as discussões, os desentendimentos, que somente à custa de humildade e sacrifício conseguiremos superar.
Experiência dessa natureza, por mais penosa pareça, são indispensáveis em favor de nossa paz.
O passado pesa sobre nossos ombros, acutilando-nos a consciência e comprimindo nosso coração.
Na Terra ou no Além, jamais seremos felizes em plenitude, enquanto não estivermos plenamente quitados com a Justiça Divina, resgatando nossos débitos com o semelhante.

2ª - A diferença da lei dos homens e da lei divina.
Aqui na Terra, muita gente escapa das leis humanas. Crimes que permanecem ocultos, traições nunca descobertas, enfim, impunidade. Mas, tudo é diferente quando se trata da lei de Deus. Sendo ela perfeita e justa, da lei divina ninguém escapa. O céu e o inferno são estados de consciência. Portanto, ao desencarnarmos, as lembranças aflorarão em nossa mente, e nos atrairão para regiões que condizem com nossa consciência. Não adianta usar desculpas, porque ninguém engana a própria consciência. É nela que está escrita a lei de Deus.
E após passarmos um tempo no plano espiritual, retornaremos à carne, ou seja, reencarnaremos para prestarmos contas perante a lei divina.



Nenhum comentário:

Postar um comentário