sexta-feira, 30 de março de 2012

QUEM GERA A VIOLÊNCIA?



Na aula de história, a professora falava sobre a noite de São Bartolomeu, que ocorreu na França em 1572. Dizia ela:
-    Por intolerância religiosa, católicos e protestantes guerrearam em "nome de Deus". Foi um massacre de mais de 20 mil protestantes pelos católicos.
Um aluno mais curioso perguntou:
-          Professora, onde estava Deus que permitiu a morte de tantas pessoas?
A professora respondeu:
-          Deus estava ausente na “atitude das pessoas”...

É muito difícil acreditar na perfeição de Deus, para quem não conhece, ou para quem não quer conhecer, a Lei de Causa e Efeito. Principalmente quando assistimos diariamente a violência: na política, nos filmes, no esporte, nos programas infantis, no campo rural, na fome, na imortalidade infantil, no trânsito, na prostituição infantil e adulta, no meio policial, no vício, etc. A história nos mostra outras violências "em nome de Deus". Por exemplo: a "santa inquisição", “as guerras santa”, etc.  Por isso muitos perguntam: Onde estava Deus nestes momentos?
A maior dificuldade está em entender como o Criador pode ser justo e bom se há tanta injustiça e maldade no Mundo. Como pode permitir que crianças morram de fome? Que ditadores oprimam populações imensas? Que ricos mercadores explorem seus subordinados? Que bandidos aterrorizem as pessoas? Que torturadores façam tantas vítimas?
Mas a pergunta que devemos fazer é: QUEM GERA A VIOLÊNCIA? 
Quem gera a violência somos nós quando nossas atitudes não são baseadas nos ensinamentos cristãos. Observemos que, quase todo dia cometemos um ato violento, nem que seja através do pensamento ou da maledicência contra um irmão. Queremos paz, mas os filmes mais alugados ou assistidos são de sexo e violência; pais presenteiam filhos com jogos de video game violentos; damos ibope para jornalismo que só fala de violência, esportes violentos, programas onde “familiares” entram em conflito; reality show com nada a acrescentar em relação a moral e a ética; há quem torça pela vilã ou vilão de uma novela ou filme; há quem busque a falsa alegria através de drogas que alteram seu comportamento, etc. Além de buscarmos formas cada vez mais agressivas para acabar com a violência, como pena de morte, extermínio, tortura, cerceamento da liberdade em condições subumanas, etc. Ou seja, criamos um ciclo vicioso de agressões.
Como podemos ver, a violência está enraizada no ser humano, que a tem vivido e até mesmo cultivado através dos milênios. O que muitos ainda não entenderam é que Deus nos dá livre arbítrio para agir mas,  Sua lei explica que "o plantio é livre, mas a colheita obrigatória." Toda ação gera uma reação, ou seja, toda atitude boa ou má de nossa parte gerará uma reação, um retorno no mesmo sentido. Se não for nesta encarnação será na próxima. 
A violência revela a condição evolutiva do violento ou de quem gosta de violência.
É uma minoria que, tumultua, conturba, espalha sofrimento e confusão, como lobos em meio de ovelhas. Mas que fazem muito barulho.
O mais importante, é reverter o quadro de violência, através do bem, da escolha de nossos pensamentos, palavras, atitudes, gosto literário, televisivo e de lazer. Juntamente por meio de grupos de orações, evangelho no lar, usando as armas do amor, a fim de alterarmos nosso padrão vibratório e, consequentemente, o do planeta Terra, que é o nosso lar.
A luta é de todos aqueles que acreditam em um mundo melhor, no qual o bem se sobreponha ao mal e que seja um local de regeneração.




POR QUE MOISÉS DEMOROU 40 ANOS NA TRAVESSIA? - Divaldo Franco


Segundo Divaldo, há na Bíblia, uma das mais belas lições sobre a paciência. Diz ele que sempre o inquietava a travessia do deserto por Moisés e seus seguidores no êxodo do Egito para Israel. Pensava ele:
-          Por que Moisés demorou quarenta anos na travessia, se poderia fazê-la em menos de quarenta meses? Por que vagou tanto tempo no deserto?
Após muito meditar, aprendeu com Joanna de Ângelis que Moisés, acima de tudo, entendeu ser necessário preparar a juventude para formar uma raça forte e vígil. O hebreu acostumou-se à escravidão, só aparentemente queria libertar-se. Viveu no Egito quase trezentos anos, tornou-se descendente de escravo, acomodou-se a trabalhar, comer, procriar e dormir. Era o homem fisiológico, cheio de vícios. Deixou de lutar pelos ideais que dignificam a criatura humana.
Certa vez, indo Moisés jejuar para sintonizar com os Espíritos, os hebreus, viciados nas bacanais, modelaram o bezerro de ouro e prepararam uma festa dedicada a Moloch, levando à ira o seu condutor. Qual a conclusão de Moisés? Demorar por mais tempo no deserto para que sucumbisse aquela geração pervertida, e se organizasse outra, depurada, nobre, idealista. Moisés teve paciência. E mal viu a terra prometida, pois ele, também, era a geração anterior.

Qualquer mudança pede paciência.
Sejamos pacientes, pois a paciência é também caridade, que devemos praticar a lei da caridade ensinada pelo Cristo, enviado por Deus.
A caridade que consiste em dar esmolas aos pobres é a mais fácil de todas. Mas há uma bem mais penosa, e consequentemente com mais mérito, que é a de perdoar os que Deus colocou em nosso caminho, para serem os instrumentos de nossos sofrimentos e nos submeter à prova a nossa paciência.
A vida é difícil, sabemos, mas é necessário olhar para os deveres que nos são impostos, e para as consolações e compensações que obtemos, pois só assim veremos que as bençãos são mais numerosas que as dores.


 

quarta-feira, 28 de março de 2012

DILÚVIO NA VISÃO ESPÍRITA


O dilúvio bíblico, também conhecido como "grande dilúvio asiático", é fato cuja realidade não se pode contestar. Deve tê-lo ocasionado o levantamento de uma parte das montanhas daquela região, como o do México. Valida esta opinião a existência de um mar interior, que ia outrora do Mar Negro ao oceano Boreal, comprovada pelas observações geológicas. O mar de Azov, o mar Cáspio, cujas águas são salgadas, embora nenhuma comunicação tenham com nenhum outro mar; o lago Aral e os inúmeros lagos espalhados pelas imensas planícies da Tartália e as estepes da Rússia parecem restos daquele antigo mar. Por ocasião do levantamento das montanhas do Cáucaso, posterior ao dilúvio universal, parte daquelas águas foi recalcada para o norte, na direção do oceano Boreal; outra parte, para o sul, em direção ao oceano Índico. Estas inundaram e devastaram precisamente a Mesopotânia e toda a região em que habitavam os antepassados do povo hebreu. Embora esse dilúvio se tenha estendido por uma superfície muito grande, é atualmente ponto averiguado que ele foi apenas local; que não pode ter sido causado pela chuva, pois, por muito copiosa que esta fosse e ainda que se prolongasse por 40 dias, o cálculo prova que a quantidade d'água caída das nuvens não podia bastar para cobrir toda a terra, até acima das mais altas montanhas.
Para os homens de então, que não conheciam mais de que uma extensão muito limitada da superfície do globo e que nenhuma idéia tinham da sua configuração, desde que a inundação invadiu os países conhecidos, invadida fora, para eles, a Terra inteira. Se a essa crença aditarmos a forma imaginosa e hiperbólica da descrição, forma peculiar ao estilo oriental, já não nos surpreenderá o exagero da narração bíblica.
O dilúvio asiático foi evidentemente posterior (depois) ao aparecimento do homem na Terra, visto que a lembrança dele se conservou pela tradição em todos os povos daquela parte do mundo, os quais o consagraram em suas teogonias (relação com divindades cujo culto forma o sistema religioso de um povo politeísta).
É igualmente posterior ao grande dilúvio universal que assinalou o início do atual período geológico. Quando se fala de homens e de animais antediluvianos, a referência é àquele primeiro cataclismo.
Curiosidade: A lenda indiana sobre o dilúvio refere, segundo o livro dos Vedas, que Brama, transformado em peixe, se dirigiu ao piedoso monarca Vaivaswata e lhe disse: "Chegou o momento da dissolução do Universo; em breve estará destruído tudo o que existe na Terra. Tens que construir um navio em que embarcarás, depois de teres embarcado sementes de todos os vegetais. Esperar-me-ás nesse navio e eu virei ter contigo, trazendo à cabeça um chifre pelo qual me reconhecerás." O santo obedeceu; construiu um navio, embarcou nele e o atou por um cabo muito forte ao chifre do peixe. O navio foi rebocado durante muitos anos com extrema rapidez, por entre as trevas de uma tremenda tempestade, abordando, afinal, ao cume do monte Himawat (Himalaia). Brama ordenou em seguida a Vaivaswata que criasse todos os seres e com eles povoasse a Terra.
É evidente a semelhança desta lenda com a narrativa bíblica de Noé. Da Índia ela passara ao Egito, como uma multidão de outras crenças. Ora, sendo o livro dos Vedas anteriores ao de Moisés, a narração que naquele (Vedas) se encontra, do dilúvio, não pode ser uma cópia da deste último (Moisés). O que é provável é que Moisés, que aprendeu as doutrinas dos sacerdotes egípcios, haja tomado a estes a sua descrição.


A Gênese, capítulo IX, item 4a



Observação em negrito do Grupo Allan Kardec: Deus decidiu destruir o mundo por causa da perversidade humana. (Deus errou na Sua criação? Então, Ele não é perfeito?). Mas Ele poupou Noé, o único homem justo da Terra em sua geração. Mandou-lhe construir uma arca para salvar sua família e representantes de todos os animais, 2 exemplares de cada espécie, macho e fêmea. Da sua família foi ele, a esposa, 3 filhos e respectivas esposas. (Imaginemos o tamanho da arca para caber a família de Noé, os animais e os alimentos para todos). Quando todos estavam acomodados iniciou a chuva que durou 40 dias e 40 noites que cobriu as mais altas montanhas. (40 dias de chuva é suficiente para cobrir a Terra?) Mas, quando a chuva parou, a arca parou no monte Ararat. Noé então, soltou uma pomba que voltou trazendo uma folha de oliva no bico. (Se as águas devastaram tudo, onde a pomba achou a folha de oliva?) Noé esperou 7 dias, saiu da arca com a família e os animais. (os animais asiaticos, os polares, os africanos, etc., foram cada qual para seu respectivo habitat? E o que comeram para sobreviver se tudo foi eliminado com o dilúvio? Os animais carnívoros se alimentaram de que?) Então, Deus disse: "Sejam fecundos multiplicando-se e encham a Terra." (Daí a Terra iniciou, pela segunda vez, o povoamento da Terra com os filhos de Noé, já que este tinha 600 anos e sua esposa deveria ser idosa também?) Segundo a Bíblia tudo teve início há aproximadamente 4 mil anos. Já os estudos científicos, nosso planeta teve início há 4,5 bilhões de anos. A vida animal e vegetal teve início há mais ou menos 3,5 bilhões de anos. Os primeiros seres humanos surgiram sobre a Terra há aproximadamente 3 milhões de anos. Através de longos anos, as espécies sofreram transformações sucessivas, dando origem à várias espécies. Esse processo chama-se EVOLUÇÃO. Segundo o Gêneses (1º livro bíblico), o mundo, os animais e o homem foram criados diretamente por Deus durante 1 semana. Essa descrição é de uns 3 mil anos atrás, época em que o homem não tinha os conhecimentos científicos de hoje. Atualmente, a narrativa da criação do mundo seria bem diferente. Mas, num ponto ela continua igual: DEUS É O CRIADOR DE TUDO QUE EXISTE.




segunda-feira, 26 de março de 2012

EUTANÁSIA - história contada por Chico Xavier



Chico visitou durante muitos anos um jovem que tinha o corpo totalmente deformado e que morava num barraco à beira de uma mata. O estado de alienado mental era completo. A mãe deste jovem era também muito doente e o Chico a ajudava a banhá-lo, alimentá-lo e a fazer a limpeza do pequeno cômodo em que morava.
O quadro era tão estarrecedor que, numa de suas visitas em que um grupo de pessoas o acompanhava, um médico perguntou ao Chico:
-          Nem mesmo neste caso a eutanásia seria perdoável?
Chico respondeu:
-          Não creio doutor. Esse nosso irmão, em sua última encarnação, tinha muito poder. Perseguiu, prejudicou e com torturas desumanas tirou a vida de muitas pessoas. Algumas o perdoaram, outras não e o perseguiram durante toda sua vida. Aguardaram o seu desencarne e, assim que ele deixou o corpo, eles o agarraram e o torturaram de todas as maneiras durante muitos anos. Este corpo disforme e mutilado representa uma bênção para ele. Foi o único jeito que a providência divina encontrou para escondê-lo de seus inimigos. Quanto mais tempo agüentar, melhor será. Com o passar dos anos, muitos de seus inimigos o terão perdoado. Outros terão reencarnado. Aplicar a eutanásia seria devolvê-lo às mãos de seus inimigos para que continuassem a torturá-lo.
-          E como resgatará ele seus crimes? – Perguntou o médico.
-          O irmão X costumava dizer que Deus usa o tempo e não a violência. - respondeu Chico Xavier
 
 
Diante da dor e do sofrimento, ouvimos pessoas dizendo: “Eu não acho justo tanto sofrimento!”  Quem afirma isto, está achando indiretamente, que Deus é injusto.
São Luiz, no Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. V, item 28 diz: “Quem nos dá o direito de prejudicar os planos de Deus? (Se aquela pessoa sofre, é porque está ressarcindo no corpo, os débitos e liberta-se dos erros do passado).  Será que Deus não pode deixar uma pessoa chegar à beira da morte, para depois curá-la, com a finalidade de fazer com que aquela pessoa examine a si mesmo lhe dando a chance de modificar seu modo de pensar e agir?  Ninguém pode dizer que uma pessoa moribunda está perto do fim, porque a ciência, comete erros nas suas previsões. Sabemos que há casos que podemos considerar, desesperador. Mas se não há nenhuma esperança possível, lembremos que há doente que se reanima e recobra suas faculdades por alguns instantes. Essa hora é concedida por Deus, e pode ser de grande importância, porque o Espírito pode ter um súbito clarão de arrependimento que poupam muitos tormentos. Um minuto apenas pode poupar muitas lágrimas no futuro.”
Portanto: Matar nunca!
Nossa encarnação é planejada minuciosamente.
Nós formamos corpos físicos, quem dá vida ao corpo físico é Deus. Por isso, não temos o direito de destruí-la. Seja através do aborto, do suicídio, da pena de morte, eutanásia . . .
"Que os conhecimentos médicos vigentes possam ajudar os que se acham à beira da desencarnação, facilitando-lhe um tranqüilo retorno ao Invisível sem comprometimento negativo de médicos, enfermagem ou familiares." - Raul Teixeira







domingo, 25 de março de 2012

SOMOS ESPERTOS OU DESONESTOS?


Costumamos julgar ladrões, assassinos, enfim, os presos de uma penitenciária. Mas, será que fora dos presídios só tem pessoas honestas? Vejamos: quem compra produtos roubados são pessoas honestas? Elas não estão incentivando a violência através de roubos, assaltos, muitas vezes seguida de morte, etc.? Quem usa droga não está incentivando o tráfico de drogas e de armas? Não está fortalecendo as guerras entre traficantes? Não é a maioria deles que roubam, assaltam para sustentar o vício? Quem rouba objetos de colegas de trabalho e do local de trabalho é o que? Quem não devolve o troco que o comerciante deu a mais é o que? Quem compra ou empresta e não paga é o que? Quem constrói uma casa ou apartamento com material de segunda e vende pelo preço de material de primeira é o que?  Quem recebe para fazer um asfalto de primeira e faz um asfalto de segunda, causando morte na estrada é o que? Quem desvia verba pública que mata pessoas nas filas de hospitais, sem remédio, etc., é o que? Quem vende a palavra de Jesus dizendo ser para a obra de Deus, mas só faz uso para a obra do homem é o que? Quem coloca filhos na escola particular e não paga é o que? Quem conserta um eletrodoméstico ou eletrônico e mente para cobrar mais é o que? Político que promete e não cumpre é o que? Quem cobra preço abusivo de gasolina aproveitando-se de uma crise é o que? Quem aumenta o preço de gás, água, comida, etc., quando há uma enchente é o que? Quem desvia doações de pessoas carentes ou que sofreram perdas numa catástrofe é o que? Quem passa na frente de outras pessoas numa fila qualquer é o que? Quem estaciona na vaga de idoso ou deficiente sem ser idoso ou deficiente é o que? Quem encontra uma carteira com dinheiro e não devolve é o que? Quem usa de sua influência para retirar multas de trânsito é o que? Quem bebe e dirige é o que? Quem pode comprar remédio e pega remédio gratuito de pessoas carentes é o que? Vender ou comprar gabarito com respostas para passar em concurso, vestibular, etc. é o que? Etc., etc., etc. 
Veja que, julgamos os condenados pela justiça dos homens, mas aos olhos de Deus há muitos condenados que estão fora de presídios e achando-se “espertos”, quando na verdade são “desonestos”, transgressores das leis dos homens e de Deus, já que enganar o próximo não é cristão. A inversão de valores rotulam os honestos de "bobos". Mas os "bobos" são os verdadeiros "espertos" porque estão fazendo a vontade de Jesus que pediu que “fizéssemos ao outro o que gostaríamos que o outro nos fizesse”.  Enquanto que os "desonestos" que se intitulam "espertos" estão se comprometendo com as leis de Deus.

Então, perguntemos: “Somos espertos ou desonestos?”



Rudymara





sexta-feira, 23 de março de 2012

TER OU SER?


O apóstolo Paulo, disse: “se temos o que comer e com que nos vestir, fiquemos contentes com isso. Aqueles, porém, que querem tornar-se ricos, caem na armadilha da tentação e em muitos desejos insensatos e perniciosos, que fazem os homens afundarem na ruína e perdição. Porque a raíz de todos os males é o amor ao dinheiro. Por causa dessa ânsia de dinheiro, alguns se afastam da fé e afligem a si mesmos com muitos tormentos.”
Nós herdamos pela nossa tradição instintiva: A posse.
Nós acreditamos que quem tem pode, e quem pode é feliz.
O “ter” nós conquistamos de maneira legal ou ilegal, mas o “ser” é preciso todo um trabalho de transformação moral, e que os valores éticos tenham predominância. E são com estes valores éticos que nós passamos a “ser”. Nós esculpimos em nosso mundo interior estes valores indestrutíveis no espírito, e ao serem esculpidos, o “ter”, a posse, o material, tornam-se de secundária importância. O que temos nós deixamos, o que somos nós levamos. Por isso o apóstolo Paulo nos alertou dizendo: “Dá conta da tua administração.” Porque na verdade não temos nada, nós administramos valores amoedados (dinheiro, ouro), orgânicos (pés, mãos, saúde, etc.), sociais (família, emprego, amigos, etc.), que, transferem de mão, que passam de tempo, que desaparecem.
Como disse Pascal em O Evangelho segundo e Espiritismo: “O homem não possui como seu senão aquilo que pode levar deste mundo. O que ele encontra ao chegar e o que deixa ao partir goza durante sua permanência na Terra; mas, desde que é forçado a deixá-los, é claro que só tem o usufruto, e não a posse real. O que é, então, que ele possui? Nada do que se destina ao uso do corpo, e tudo o que se refere ao uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais (...)"
Pensemos nisso e tiremos nossa conclusão.

 
(Trecho da palestra de Divaldo Franco)






quinta-feira, 22 de março de 2012

APROVEITAR A VIDA


Você aproveita a vida?
É muito comum ouvir as pessoas e, principalmente os jovens, dizendo que querem aproveitar a vida. E isso geralmente é usado como desculpa para eximir-se de assumir responsabilidades.
Mas, afinal de contas, o que é aproveitar a vida?
Para uns é matar-se aos poucos com as comilanças, bebidas alcoólicas, fumo e outras drogas.
Para outros é arriscar a vida em esportes perigosos, noitadas de orgias, consumir-se nos prazeres carnais.
Talvez isso se dê porque muitos de nós não sabemos porque estamos na Terra. E, por essa razão, desperdiçamos a vida em vez de aproveitá-la.
Certo dia, um jovem que trabalhava em uma repartição pública, na companhia de outro colegas que costumavam se reunir todos os finais de expediente para beber e fumar à vontade, foi convidado a acompanhá-los.
Ele agradeceu e disse que não bebia e que também não lhe agradava a fumaça do cigarro. Os demais riram dele e lhe perguntaram, com ironia, se a religião não lhe permitia, ao que ele respondeu:
- A minha inteligência é que me impede de fazer isso.
- E que inteligência é essa que não lhe permite aproveitar a vida? Perguntaram os colegas.
O rapaz respondeu com serenidade:
-E vocês acham que eu gastaria o dinheiro que ganho para me envenenar? Vocês se consideram muito espertos, mas estão pagando para estragar a própria saúde e encurtar a vida que, para mim, é preciosa demais.

Observando as coisas sob esse ponto de vista, poderemos considerar que aproveitar a vida é dar-lhe o devido valor.
É investir os minutos!  preciosos que Deus nos concede em atividades úteis e nobres.
Quando dedicamos as nossas horas na convivência salutar com os familiares, estamos bem aproveitando a vida.
Quando fazemos exercícios, nos distraímos no lazer, na descontração saudável, estamos dando valor à vida.
Quando estudamos, trabalhamos, passeamos, sem nos intoxicar com drogas e excessos de toda ordem, estamos aproveitando de forma inteligente as nossas existências.
Quando realmente gostamos de alguma coisa, fazemos esforços para preservá-la. Assim também é com relação à vida. E não nos iludamos de que a estaremos aproveitando acabando com ela.
Se você é partidário dessa ideia, vale a pena repensar com seriedade em que consiste o aproveitamento da vida.
E se você acha que os vícios lhe pouparão a existência, visite alguém que está se despedindo dela graças a um câncer de pulmão, provocado pelo cigarro.
Converse com quem entrega as forças físicas a uma cirrose hepática causada pelos alcoólicos.
Ouça um guloso inveterado que se encontra no cárcere da dor por causa dos exageros na alimentação.
Visite um infeliz que perdeu a liberdade e a saúde para as drogas que o consomem lentamente.
Observando a vida através desse prisma, talvez você mude o seu conceito sobre aproveitar a vida.
 
A vida é um poema de beleza, cujos versos são constituídos de propostas de luz, escritas na partitura da natureza, que lhe exalta a presença em toda parte.
Em consequência, a oportunidade da existência física constitui um quadro à parte de encantamento e conquistas, mediante cuja aprendizagem o Espírito se embeleza e alcança os altos planos da realidade feliz.

Redação do Momento Espírita





quarta-feira, 21 de março de 2012

SÍNDROME DE DOWN NA VISÃO ESPÍRITA


 
Todo efeito tem uma causa. Logo, deduzimos haver uma causa para que esses espíritos vivam tal experiência, causa justa, levando-se em consideração a infinita bondade e justiça de Deus.
Todos os obstáculos que não resultem de ações na vida atual procedem de atitudes nas reencarnações passadas.
A Providência Divina permite que determinados espíritos reencarnem nesta condição, para aprenderem uma grande lição através do constrangimento a que ficam sujeitos, totalmente impossibilitados de se manifestarem normalmente.
Os amigos espirituais alertam: a imensa maioria dos casos de crianças portadoras de deficiência física e/ou mental são aqueles que se voltaram contra si mesmos, buscando o fim de dificuldades, na porta ilusória do suicídio. Ou então, são indivíduos que em encarnação passada abusaram da inteligência, de seu saber, para o mal, para enganar os outros, explorando-lhes a ignorância ou a boa-fé, inventores de engenhos de morte ou os que estragaram seus corpos carnais cultivando o vício.
O remorso, aliado aos prejuízos causados pelo ato infeliz, faz que o espírito não disponha de condições nem de méritos para reencarnar num corpo físico isento de quaisquer lesões. Sabemos que o perispírito é um arquivo minucioso e implacável de nossos menores atos bons e maus. Os excepcionais, quando reencarnam, trazem gravados em seus cérebros espirituais o mal que maquinaram contra seu próximo e, pela lei da causa e do efeito, contra si mesmos. Porque, todo mal que praticarmos contra o próximo, somos nós os primeiros lesados. Pois bem, para tirarem essa crosta maléfica que o perispírito deles guardam, só há um meio: "reencarnarem". E o corpo de carne funciona então como um filtro através do qual se escoará aquele lodo moral que ali se formou; esse lodo só deixará a inteligência do excepcional funcionar normalmente depois de se ter escoado por completo, ou seja, limpado o perispírito porque, enquanto houver um resquício desse lodo moral ali depositado, a inteligência não funcionará direito embaraçada por ele.
"QUAL A PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA DÍVIDA?" Os pais, como em qualquer ambiente doméstico, trazem vínculos profundos com seus filhos, carregando uma parte dos motivos que ocasionaram a queda desses espíritos, e, como tal, devem lutar e sofrer com eles. Por outro lado, podem ser espíritos com grande capacidade de amar que voltaram a Terra, para amparar essas criaturas em tão difícil experiência reparatória.
"QUAL A PERCEPÇÃO DA CRIANÇA EXCEPCIONAL? Não pensemos que a existência como excepcional seja perdida em termos de aprendizado. O espírito sofre não poder manifestar-se, contudo mantém todas as suas faculdades e gradativamente aprenderá a não utilizá-las mal. Crianças excepcionais significam, muitas vezes, o retorno de grandes intelectuais, gênios que caíram no orgulho e no abuso. Os mentores da vida maior elucidaram a Kardec: "A superioridade moral nem sempre guarda proporção com a superioridade intelectual". Sobretudo, quando fora do corpo, tem - de acordo com o grau evolutivo de cada um - percepção da situação e da prova a que estão submetidos. Chico Xavier elucida como se sentem e como são tratadas: "Sentem e ouvem, registram e sabem de que modo são tratadas; elas são profundamente lúcidas na intimidade do próprio ser".
E QUANDO HÁ REJEIÇÃO DOS PAIS? Infelizmente, existem pessoas que se julgam despreparadas para superarem determinados testes, passando a agir de maneira irresponsável, fugindo às próprias obrigações para com os mecanismos da lei de causa e efeito. Semelhante fuga ocasiona o agravamento do problema, comprometendo toda a programação reencarnatória, adiando, não raro, para muito longe, a reparação e a retomada do crescimento espiritual. Quando Deus nos confiar semelhante tarefa, utilizemos o recurso incondicional do Evangelho, a nos preparar e auxiliar em quaisquer testes, superando, desde os menores obstáculos, até as montanhas das grandes provas. Não fujamos dos testes que nos apresentam. Pais espíritas, toda prova no lar é bafejo da confiança que desce dos "Céus", gravando em nossos corações - à custa de lutas e alegrias, sofrimentos e satisfação - a legenda divina do amor e da justiça, da bondade e da misericórdia, que, proferida pelo meigo Rabi da Galiléia, ainda ecoa na acústica de nossas almas: "Todas as vezes que isso fizestes a um destes mais pequeninos dos meus irmãos, foi a mim mesmo que o fizestes".
 
 
 
Compilação de Rudymara
 


 
PROJETO LÍRIOS, DAS CASAS ANDRÉ LUIZ, É APRESENTADO POR PORTADORAS DA SÍNDROME DE DOWN






segunda-feira, 19 de março de 2012

CÓLERA PODE CAUSAR HEPATITE - história contada por André Luiz



No livro "Nos Domínios da Mediunidade", André Luiz nos mostra uma senhora que chega ao Centro Espírita com o ventre volumoso e semblante dolorido a procura do passe como ajuda. O Espírito Conrado explica para André Luiz e outros Espíritos que ali estavam analisando o caso que: A mulher estava com icterícia complicada, seu fígado estava comprometido, e que nasceu de terrível acesso de cólera, em que ela se envolveu no reduto doméstico. Ela sentiu extrema irritação, e adquiriu hepatite, da qual a icterícia é a conseqüência. E, segundo Aulus, a cura seria impossível, porque os órgãos e vasos estavam comprometidos, e a mente dela precisaria reanimar. Porque o passe, como explica Aulus, é importante contribuição para quem saiba recebê-lo, com o respeito e a confiança que o valorizam. Em outras palavras, sem fé as irradiações magnéticas não penetram o veículo orgânico. Quando Jesus curava ele dizia “a tua fé te curou”, assim, Ele queria dizer que aquela pessoa curou-se porque estava receptiva para a doação de magnetismo.

 
E “O grito de cólera é um raio mortífero, que penetra o círculo de pessoas em que foi pronunciado e aí se demora, indefinidamente, provocan­do moléstias, dificuldades e desgostos.” – Néio Lúcio, psicografia de Chico Xavier



Rudymara




domingo, 18 de março de 2012

VIANNEY, O VIGÁRIO QUE CURAVA

No capítulo VIII do O Evangelho Segundo o Espiritismo, item 20  temos a comunicação de um espírito que quando encarnado foi um cura de Ars, ou seja, foi um vigário da cidade chamada Ars (interior da França) cujo nome era Vianney (foto acima). Ele realizava curas quando estava encarnado.
Esse capítulo nos mostra uma pessoa cega que procurou um (a) médium para evocar Vianney para que este a curasse.
Vianney atendeu ao chamado e disse: “Por que me chamaste? Para que eu imponha as mãos sobre esta pobre sofredora que está aqui, e a cure? Ah, que sofrimento, bom Deus! Perdeu a vista e as trevas se fizeram para ela. Pobre criança! Que ore e espere. Todas as curas que obtive, e que conhecem, não atribua senão Àquele que é o Pai de todos nós. Nas vossas aflições, voltai sempre os olhos para o céu, e dizei, do fundo do coração: Meu Pai, curai-me, mas fazei que a minha alma doente seja curada antes das enfermidades do corpo; que minha carne seja castigada, se necessário, para que a minha alma se eleve para vós com a brancura que possuía quando a criastes . . .”
·         A primeira observação que fazemos  nessa  comunicação  é  que, Vianney  deixa  claro que  as  curas  que realizava só eram possíveis porque Deus permitia. Pois, muitos não conseguem obter a cura, e acabam achando que o curador é um charlatão, etc. Na verdade, é que Deus não permitiu. Porque Ele sabe o que é melhor para nós. O médium curador (santos e santas) é (são) apenas um instrumento de Deus.
·          A segunda observação é que Não há doença, há doente, como disse Joanna de  Ângelis. A Terra  é um planeta que ainda abriga Espíritos rebeldes à lei de Deus, ignorantes e maldosos. Portanto, são Espíritos doentes (da alma). Quando curarmos as doenças da alma, ou seja, quando tivermos o coração livre das impurezas, não haverá mais doenças no corpo físico.
·         A terceira observação é em relação a nossas aflições. Quando uma aflição não é consequência dos atos da vida presente, é necessário procurar a sua causa numa vida anterior. Lembrando que a maioria das aflições são causadas na vida presente. Vivemos abusando do nosso livre arbítrio, correndo na contra mão da vida a 200 km por hora, e dizendo que as conseqüências são do passado. Por exemplo: Um dia, um pai chegou a Chico Xavier e disse que o filho havia morrido num acidente de carro, e que ele queria saber se era um "carma" que o rapaz tinha que passar. Chico respondeu que era falta de "calma” nessa vida, o rapaz corria demais com o carro, foi imprudência. 
·         A quarta observação é sobre pessoas que procuram nos Centros Espíritas o dia de “consulta”. Essas pessoas, geralmente, querem dos Espíritos um milagre, como fez a cega que buscou a médium para evocar Vianney. Elas não buscam “consultar” os livros da Codificação que explicarão o porquê das dores e aflições, ou então, “consultar” os Espíritos de Emmanuel, Joanna de Ângelis, André Luiz, Bezerra de Menezes, etc.,  através dos livros espíritas, que são orientações baseados no receituário divino que é o Evangelho, trazido pelo médico de  nossa alma, que é JESUS.  Somente seguindo esse receituário divino curaremos as chagas de nossa alma, para não sofrermos dores e aflições no futuro. O remédio desse receituário, ás vezes, é amargo. Por isso muitos fogem, querendo um “milagre” que não precise fazer o sacrifício de engolir o remédio da abstinência dos vícios, dos erros, das falhas morais. As pessoas não querem entender as propostas de Jesus, não querem fazer a reforma íntima, enfim, só querem receber, mas não querem sacrificar, renunciar às coisas que lhe fazem mal.
Evidentemente, não é fácil. Cada encarnação é como um filme, mudam os cenários, mas o enredo é sempre o mesmo: começamos a vida como “mocinhos”, dispostos a mudar o mundo e, geralmente, terminamos como “bandidos”, comprometidos por vícios e mazelas (fraquezas). Como diz André Luiz: “contra a pálida réstia de luz do presente, simbolizada pelo desejo de melhorar, há montanhas de trevas do passado.”

Compilação feita por Rudymara




sábado, 17 de março de 2012

COMO É A NOSSA FÉ?




Certa vez, Chico Xavier chegou ao Centro Espírita e viu uma multidão na porta. Ele perguntou:
- O que estas pessoas querem?
- Eles vieram buscar passe. - respondeu um trabalhador da casa.
Chico respondeu:
- Eles não precisam de passe, precisam de "pá".

Os ensinamentos de Jesus pedem "pá", ou seja, trabalho no campo do espírito: sacrifício, renúncia, esforço, força de vontade, transformação moral, atitude, etc.
Precisamos aprender a não olhar para Deus e Jesus somente com interesse de pedir-lhes algo. Deveríamos nos desvincular da idéia de que frequentando uma casa religiosa e realizando liturgias, rituais, dogmas e pagando o dízimo já estamos agradando Deus. Por pensar assim, séculos de evolução foram perdidos. Pois, dentro da casa religiosa muitos seguem as exigências dos religiosos e fora dela transgridem as leis de Deus por acharem que já cumpriram sua obrigação dentro dela. Se cada vez que saíssemos de uma casa religiosa nos comprometêssemos, com nós mesmos, a praticar uma boa ação naquela semana, em nosso favor e/ou a favor do próximo, já estaríamos entendendo o propósito da vinda do Cristo à Terra. Em nosso favor é deixar de reclamar, cultivar bons pensamentos, boas palavras, boas atitudes, deixar de fazer comentários maldosos e humilhantes de alguém, é perdoar ou relevar uma ofensa, é diminuir ou eliminar o cigarro, a bebida alcoólica, é cuidar do corpo físico, etc. E em favor do próximo significa fazer o bem a alguém. Mas, infelizmente, muitas pessoas só buscam o centro espírita para solucionar problemas, para pedir algo, sendo que o Espiritismo explica a causa dos problemas, a necessidade da transformação moral, da prática da caridade com o próximo e com nós mesmos, etc. Querem atacar os efeitos de suas dores e aflições ao invés de atacarem as causas. É preciso agir na prevenção. Enfim, busquemos Jesus para aprender seus ensinamentos para colocá-los em prática onde estivermos. Porque Ele deixou bem claro que: “a fé sem obras é morta”, ou seja, acreditar Nele e não fazer o que Ele pediu é inútil. Fé é crer que Jesus pode e quer nos transformar em pessoas melhores. Mas para isso, precisamos estar dispostos a querer nos modificar. Ele nos estende a mão todos os dias, e nós estamos desviando de estender a nossa para Ele. Então perguntemos: "Como é a nossa fé?" "Com ou sem obras?" Pensemos nisso!



Rudymara



quinta-feira, 15 de março de 2012

QUEM SÃO OS ESPIRITEIROS? - Richard Simonetti


Espiriteiro é uma palavra nova que não se encontra no dicionário. Ela define as pessoas que se ligam ao Centro Espírita, mas são desligadas das finalidades do Espiritismo.Espiriteiro é o “papa passes”, que comparece às reuniões apenas para receber sua “hóstia”depuradora, representada pela transfusão magnética.
Frequentador assíduo de “consultórios do Além”,grupos mediúnicos que se formam apenas para receber favores espirituais, não consegue compreender que o Espiritismo não é mero salva-vidas para acidentes existenciais nascidos de sua própria invigilância.
Refratário a qualquer compromisso que imponha disciplinas de horário e assiduidade, alega absoluta falta de tempo, sem atentar a um princípio elementar tempo é uma questão de preferência.
Kardec fala dos espiriteiros, em “O Evangelho segundo o Espiritismo”, no capítulo XVII:
“(...) Nalguns, ainda muito tenazes são os laços da matéria para permitirem que o Espírito se desprenda das coisas da Terra; a névoa que os envolve tira-lhes a visão do infinito, donde resulta não romperem facilmente com os seus pendores nem com seus hábitos, não percebendo haja qualquer coisa melhor do que aquilo de que são dotados. Têm a crença nos Espíritos como um simples fato, mas que nada ou bem pouco lhes modifica as tendências instintivas. Numa palavra: não divisam mais do que um raio de luz, insuficiente a guiá-los e a lhes facultar uma vigorosa aspiração, capaz de lhes sobrepujar as inclinações. Atêm-se mais aos fenômenos do que a moral, que se lhes afigura cediça e monótona. Pedem aos Espíritos que incessantemente os iniciem em novos mistérios, sem procurar saber se já se tornaram dignos de penetrar Os arcanos do Criador. Esses são os espíritas imperfeitos, alguns dos quais ficam a meio caminho ou se afastam de seus irmãos em crença, porque recuam ante a obrigação de se reformarem, ou então guardam as suas simpatias para os que lhes compartilham das fraquezas ou das prevenções (...)”
A intenção de transferir para um futuro remoto nossas realizações espirituais é algo um tanto irracional, porque o contato com a verdade implica em compromisso com ela. Com o conhecimento espírita, não haverá justificativa para a omissão. Partindo da afirmativa evangélica de quemuito será pedido ao que muito recebe, concluímos que nós, espíritas, estaremos sempre em débito com a Doutrina, porquanto o empenho de uma vida será pouco, ante a gloriosa visão de realidade espiritual que ela desdobra aos nossos olhos.
Companheiros que se manifestam (após a desencarnação) nos Centros Espíritas a que estiveram vinculados, reportam-se a esse problema.
Não tiveram dificuldade em reconhecer sua nova condição, bafejados pelo conhecimento doutrinário.
Habilitam-se à proteção de benfeitores amorosos, ligados que estiveram a atividades no campo da fraternidade humana.
Reportam-se a indescritíveis emoções, no reencontro com familiares queridos.
Mas, com freqüência, revelam indefinível tristeza, por não terem aproveitado integralmente as oportunidades recebidas.
Guardam a nostalgia do ideal espírita não realizado.
Embora as conquistas alcançadas como espíritas, não conseguem furtar-se à penosa impressão de que estiveram mais para espiriteiros...


terça-feira, 13 de março de 2012

JESUS TRANSFORMA ÁGUA EM VINHO



Sou iniciante nos estudos da doutrina espírita e concordo que o álcool é um veneno. Só gostaria de entender a passagem bíblica onde Jesus transforma água em vinho. Não é um paradoxo?
Na verdade, queremos sempre buscar um “santo” álibi para justificarmos nossos vícios. Acredito que o vinho daquela época não tinha o teor alcoólico da nossa época. Tanto que as festas judaicas duravam dias. Se fosse regada com bebida de alto teor alcoólico, os convidados não aguentariam dias bebendo. E, talvez, Jesus tenha aproveitado o número de pessoas que ali estavam para iniciar seu apostolado, mostrando seus poderes, revelando o imenso potencial que ali se iniciava, chamando a atenção para Ele, ou melhor, para os ensinamentos que Ele trazia. Precisamos lembrar que Jesus não veio mudar as pessoas de uma hora para outra. Seu ensinamento foi e sempre será: “TUDO NOS É LÍCITO, MAS NEM TUDO NOS CONVÉM.” O livre arbítrio impera em Seu apostolado. E pode ser também uma passagem simbólica mostrando que o “vinho bom” (vinho da alegria, do respeito, da cordialidade) servido nos primeiros anos de casado não deve ser trocado depois de algum tempo de convívio pelo “vinho ruim” (vinho da indiferença, do desrespeito, da tristeza). Então, usemos sempre nosso bom senso.
(Pergunta de um anônimo que escreveu para o Grupo de Estudo Allan Kardec e a resposta é uma compilação de Rudymara)


quinta-feira, 8 de março de 2012

HOMEM E MULHER - Victor Hugo


Evocando as funções redentoras da alma feminina, Victor Hugo tece significativas comparações entre o homem e a mulher:

“O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher o mais sublime dos ideais. Deus fez para o homem um trono; para a mulher um altar. O trono exalta; o altar santifica.
O homem é cérebro; a mulher o coração. O cérebro produz a luz; o coração o amor. A luz fecunda. O amor ressuscita.
O homem é um gênio; a mulher um anjo. O gênio é imensurável; o anjo indefinível.
A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher a virtude extrema. A glória traduz grandeza; a virtude traduz divindade.
O homem  tem a supremacia; a mulher a preferência. A supremacia representa a força; a preferência o direito. O homem é forte pela razão; a mulher é invencível pela lágrima. A razão convence; a lágrima comove.
O homem é capaz de todos os heroísmos; a mulher de todos as martírios. O heroísmo enobrece; o martírio sublima.
O homem é o código; a mulher o evangelho. O código corrige; o evangelho aperfeiçoa.
O homem é um templo; a mulher um sacrário. Ante o templo, nós nos descobrimos; ante o sacrário, ajoelhamo-nos.
O homem pensa; a mulher sonha. Pensar é ter cérebro; sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é um oceano; a mulher um lago. O oceano tem a pérola que o embeleza; o lago tem a poesia que o deslumbra.
O homem é uma águia que voa; a mulher um rouxinol que canta. Voar é dominar os espaços; cantar é conquistar a alma.
O homem tem um fanal: a consciência. A mulher tem uma estrela: a esperança. O fanal guia e a esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a Terra. A mulher onde começa o Céu.”


Observação de Rudymara: Deus criou espíritos e estes não tem sexo. Tanto podemos encarnar em corpo masculino como feminino. Quando estamos encarnados, interpretamos papéis, como artistas num filme ou novela. Um homem, por exemplo, não é homem, ele está interpretando o papel de homem, porque veste um corpo masculino. Assim ocorre em relação à mulher. Na próxima encarnação não sabemos em que sexo reencarnaremos.
Então, ambos tem papéis importante no mundo e toda discriminação é preparação para nos transferirmos, através da reencarnação, para o lado discriminado.





domingo, 4 de março de 2012

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL E PERISPÍRITO


QUAL A RELAÇÃO DO PERISPÍRITO E O FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL?

O FCU (Fluido Cósmico Universal) é um elemento no qual todo o Universo está mergulhado: os planetas, constelações, sóis, mundos e seres.
O FCU é composto por elementos químicos. Por ex.: quando respiramos, estamos retirando do FCU um desses elementos químicos, o OXIGÊNIO. Então, quando se mistura alguns elementos que há neste FCU, ocorre uma reação. Por ex.: para formar a água, são necessárias uma parte de oxigênio com duas de hidrogênio (H2O). Se duas partes de oxigênio forem combinados com duas partes de hidrogênio (H2O2 ), em vez de água teremos a água oxigenada, líquido corrosivo, formado, no entanto, dos mesmos elementos que entram na composição da água, porém noutra proporção.
Em poucas palavras, a  formação de todos os corpos da Natureza (vegetal, animal e mineral), resulta de princípios elementares combinados em proporções diferentes no grande laboratório de Deus. E com o perispírito não é diferente. Cada vez que reencarnamos, nós espíritos,  utilizamos um corpo espiritual que é o perispírito. E o material que é utilizado para formar este perispírito é retirado do FCU daquele planeta que  reencarnaremos. Se o planeta for inferior, o perispírito será mais grosseiro, se o planeta for mais evoluido, o perispírito será mais sutil, mais fino. É como se no início de nossa evolução usássemos muitas blusas, conforme vamos evoluindo vamos retirando uma peça de roupa. E assim vamos ficando mais leve, até o dia que não precisaremos mais utilizar um perispírito. Mas, enquanto o utilizarmos, este será formado com elementos do FCU.


Pergunta de um seguidor do blog e resposta de Rudymara