quarta-feira, 29 de junho de 2016

NOSSAS RESPONSABILIDADES PERANTE A VIDA

 
 
Médica morre após ser baleada na cabeça durante uma tentativa de assalto na saída da via Dutra, acesso para a Linha Vermelha, pista sentido Centro do Rio, no fim da noite deste sábado (25/06/2016).
Cercada por 18 favelas, a Linha Vermelha se tornou alvo frequente da violência. Assaltos, tiroteios e apedrejamentos tornam os engarrafamentos no local cada vez mais perigosos.
"Sempre vejo bandidos passando com arma de um lado para o outro após roubar alguém. Eu prefiro ir pela Avenida Brasil, que tem para onde escapar. Aqui na Vermelha não tem para onde fugir, é um perigo”, afirmou Giovani Braga, 33.
"As UPPs estão falidas. Ela foi criada em Medellín, na Colômbia, para separar traficantes do segmento A e B, que estavam se matando. UPP hoje é segurança de luxo de traficante. Continua tendo morte, tráfico, fuzil, policiais mortos....." - dispara Sandro Matos, prefeito de São João de Meriti.
Vejam, meus amigos(as), o que o tráfico de drogas está fazendo com nosso país. Não sejamos coniventes com isso. Não devemos fechar os olhos como se nada estivesse acontecendo. Chega de jogarmos a culpa apenas no Governo. Usuários são os que fortalecem esta violência. Só tem traficante porque há usuário. Jovens, sejam livres. Usuários viram marionetes das drogas. Nem bem acabam de usar já estão pensando em usá-la novamente. E os traficantes agradecem. Seremos responsabilizados pelo mal que causamos à sociedade, de maneira indireta e direta. E também seremos responsabilizados pelo mal que estamos causando ao corpo físico. Se não podemos tirar uma pessoa do vício ou do crime, evangelizemos nossos jovens e crianças. Participemos da evangelização na casa religiosa em que fazemos parte. Montemos um grupo jovem em nosso bairro ou casa. Abra uma página social esclarecedora e evangelizadora. Falemos de Deus e de Jesus a eles. Talvez não atingiremos todos, mas se desviarmos "um" do caminho das drogas, já teremos feito a diferença neste mundo. Pensemos nisso com carinho.
 
Rudymara
 
 
 

SOFREMOS PORQUE AINDA SOMOS IMPERFEITOS

 
 
Diz Emmanuel no livro O Consolador: "dentre os mundos inferiores, a Terra pertence à categoria dos de expiações e provas, porque ainda existe predominância do mal sobre o bem. Aqui, o homem leva uma vida cheia de vicissitudes por ser ainda imperfeito, havendo, para seus habitantes, mais momentos de infelicidades do que de alegrias. A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual. A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um crime.”
Diante de tal explicação, concluímos que não nascemos para sermos completamente felizes. Aqui, neste planeta, alegria e tristeza se revezam. Moramos num vale de lágrimas, ou seja, ora choramos de alegria, ora de tristeza. Como está no O Evangelho segundo o Espiritismo: "Nos mundos de provas e expiações o mal predomina; mas o mal é uma necessidade para seus habitantes darem valor ao bem, da noite para admirar a luz, da doença para apreciar a saúde. Esses mundos (é o caso da Terra) servem de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus. Neles os Espíritos lutam penosamente, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens que convivem com eles e a crueldade da natureza (tsunami, terremoto, maremoto, etc), para que desenvolvam de uma só vez as qualidades do coração e as da inteligência." Portanto, a dor faz parte do ensinamento e do crescimento. E, ninguém sofre por acaso, senão Deus não seria justo.


Rudymara



 

ACEITEMOS COMO SOMOS E COMO AS PESSOAS SÃO

 
 
A Doutrina Espírita tem uma valiosa contribuição em favor da extinção dos preconceitos em geral, revelando que somos todos Espíritos em evolução, submetidos à experiência reencarnatória. E que podemos ressurgir na Terra como negros, brancos ou amarelos, homem ou mulher, pobres ou ricos, em qualquer continente ou região, enfim, de conformidade com nossos compromissos e necessidades. Só não nascemos para sermos preconceituosos, maldosos, avarentos, violentos, delinquente, vicioso ou qualquer atitude ou sentimento negativo. Quem se utiliza de sentimentos inferiores está fazendo mau uso de seu livre arbítrio. E a auto-piedade é um alimento venenoso, uma espécie de erva daninha que intoxica o espírito, dificulta as relações e promove medo, desconfiança, solidão, melancolia e revolta. É filha do egoísmo e da lamentação, afilhada do orgulho e irmã da necessidade de aprovação e de atenção especial. Precisamos entender que nada é por acaso e tudo faz parte do nosso crescimento. Necessitamos aceitar como somos e como as pessoas são. Deus não erra, sua lei é perfeita.
 
Rudymara
 
 
 
 
 

AS PROVAS CIENTÍFICAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS


                      

 

Divaldo responde:

1)      Existe estudos ou obras recentes no campo científico sobre a existência de Deus?

R: Em Nova York apareceu uma obra literária perturbadora (As 7 provas científicas da existência de Deus) firmada por um homem admirável, o dr. Cressey Morrison, que durante 40 anos foi diretor do Museu de História Natural de Nova York. Diante da calamidade do ceticismo, que voltou a crescer na década de 60, ele resolveu fazer a sua colaboração. Assim, o dr. Cressey Morrison afirmou, na sua postura de acadêmico e homem de cultura, que acreditar em Deus não diminui a dignidade da criatura humana. E que Deus já não é mais entidade mitológica, mas a única fonte para explicar a realidade do Universo.

2)  Haverá, dentro da Ciência, evidências desta realidade?

R: O dr.Morrison estabeleceu que facilmente se pode demonstrar a existência de Deus. Ele se utiliza de uma experiência matemática, da chamada Lei das Probabilidades, para demonstrar de uma forma muito simples a realidade de Deus. Para realizarmos uma experiência de casualidade, por exemplo, ele propõe que reunamos 10 moedas e as enumeremos, em ordem crescente, de 1 até 10. Se as colocarmos no bolso, e tentarmos tirar a moeda número um, sem olhá-la, a nossa probabilidade de êxito é de uma vez para 10 tentativas falsas. Se devolvermos a moeda número um e tentarmos, de imediato, retirar a número 2, a nossa probabilidade de êxito será de uma vez em 100. Se devolvermos a moeda número 2 e tentarmos retirar a de número 3, a nossa probabilidade será de êxito em mil possibilidades. E se repetirmos a experiência, até retirarmos em ordem cronológica a moeda de número 10, a nossa probabilidade de êxito será de uma vez em 10 bilhões de experiências fracassadas. Logo, se analisarmos as condições da habitabilidade na Terra, veremos que alguém que pensou sobre elas. Não foi o acaso que criou as condições de nosso habitat.

3)      Em outras palavras, o senhor quer dizer que ocorreu um número muito grande de experiências bem sucedidas que respondem pela existência da vida e que só são explicadas pela existência de uma inteligência superior?

R: Comecemos pelo movimento de rotação do sol, que é de cerca de 1.600 quilômetros horários. Se, por acaso, este movimento fosse 10 vezes menor, o que eqüivale dizer de 160Km/h, a vida na Terra seria impossível. Os dias teriam 120 horas, assim como as noites. E durante as 120 horas de calor, a vida seria totalmente destruída pela excedência de luminosidade, pela ardência. E qualquer forma de vida que sobrevivesse morreria nas 120 horas de trevas, portanto de frio. Logo, alguém pensou sobre isso!
Se, por exemplo, o sol não se encontrasse a 150 milhões de quilômetros de distância, digamos que ele estivesse a 100 milhões, a vida seria impossível, porque os raios caloríficos seriam tão terríveis que absorveriam todas as águas e a vida desapareceria. Mas, se por acaso, o sol estivesse a 200 milhões de quilômetros de distância, a vida também seria impossível por falta de calor suficiente. Se, por acaso, a lua estivesse mais próxima da Terra, a vida seria totalmente impossível, porque a pressão magnética sobre as águas ergueriam marés tão altas que lavariam as cumeadas das montanhas e, através da erosão, destruiriam, duas vezes ao dia, todas formas de vida. Logo, alguém – ou algo – pensou matematicamente em como manter esse equilíbrio.
Se, por acaso, o fundo do mar fosse mais baixo dois metros apenas não haveria a vida na superfície da Terra, pois a água do mar absorveria o oxigênio e o gás carbônico e os seres vivos não poderiam respirar. Se, por acaso, a atmosfera da Terra, que mede 60 quilômetros, fosse menor, a vida seria totalmente impossível porque diariamente caem sobre a Terra milhões de aerólitos, pedaços de planeta. Se a atmosfera da Terra não houvesse sido necessariamente calculada, eles destruiriam a vida e provocariam milhões de incêndios diariamente. Logo, alguém pensou sobre isso!

4)      O instinto dos animais, segundo Morrison, seria outra prova da existência de Deus. Quais as bases argumentativas desta tese?

R: Ninguém sabe qual é a sede do instinto dos animais. É algo tão admirável que a Ciência ainda não localizou. Tomemos como exemplo o “nosso” João de Barro, pássaro que, quando chega a Primavera, sobe no galho mais alto da árvore mais elevada, coloca o bico na direção do vento e ele sabe de que direção virá o vento quando chegar o próximo inverno. Assim, o João de Barro constrói a casa colocando a porta no sentido oposto do vento de inverno. Se a porta for colocada errada, as suas crias morrerão. Mas o João de Barro não erra nunca.
Vamos usar outro exemplo: o instinto das enguias, que sabem que quando procriam, elas morrem. E elas, só podem procriar em águas muito profundas. Quando chega a época da reprodução, elas nadam milhares de milhas marítimas, de todos os lados, de todos os mares, de todos os oceanos onde estão, e vão reproduzir-se nas águas abissais das Bermudas. Ali elas se reproduzem e morrem. E os seus filhos? Sem saberem de onde vieram os seus ancestrais, nadam e voltam às águas de onde vieram os seus genes. E não erram nunca. Jamais foram encontradas enguias européias em águas americanas ou enguias americanas em águas européias. E esse instinto foi tão caprichoso que, sabendo que a enguia européia está mais longe do que a americana das águas das Bermudas, atrasa um ano a reprodução européia para chegarem todas ao momento da reprodução na América Central. É maravilhoso narrar a respeito dos instintos dos animais. Mas quem ensinou primeiro pássaro fez isso. E fazem-no até hoje. E Morrison afirma crer em Deus por causa também dos instintos dos animais.

5)      Nesta linha de raciocínio, o equilíbrio ecológico também evidencia a existência de Deus?

R: Vamos ilustrar este equilíbrio com um fato que ocorreu na Austrália. Os australianos desejavam transformar seu país em uma região agrícola, mas a colocação da Austrália não permitia grandes plantações. Os ventos que sopram do mar, em determinadas épocas, destruiriam as mudas. Surgiu uma idéia: plantar cercas vivas, que se transformariam em paredes contra os ventos. Importaram uma cactácea e naturalmente não havia na Austrália nenhum inimigo natural para este tipo de cactos. O resultado inicial foi excelente. Só que os australianos não se deram conta de que esses cactos se multiplicavam com muita rapidez. E em breve eles constituíram-se em uma verdadeira praga. Os australianos usaram tratores, usaram lança-chamas, e não havia solução, porque o vento carregava o pólen e os cactos continuava a se multiplicar. Dez anos depois, a Austrália havia perdido uma área correspondente à das ilhas Britânicas. Foi dado um alarme internacional e houve um congresso na cidade de Sidney. Entomologistas do mundo inteiro reuniram-se para estudar uma forma de acabar com os cactos e chegaram à conclusão de que só havia uma fórmula: conseguir um besouro que gostasse de cactos e que também se reproduzisse muito. E encontraram este besouro no Brasil, na Amazônia. Os insetos começaram a comer os cactos na Austrália e a multiplicar-se. De repente, os australianos ficaram apavorados: “Quando acabarem os cactos, o que faremos com os besouros?”
Mas a ecologia manteve o equilíbrio. Na medida em que os cactos diminuíram, os besouros também diminuíram, mantendo a harmonia ecológica. E esse fenômeno é tão extraordinário que não ocorre por acaso.

6)  Com base em tudo o que o senhor argumentou, e que Morrison estudou, a que conclusão podemos chegar sobre Deus?

R: O apóstolo João escreveu que Deus é amor. E somente através do amor podemos receber Deus. Allan Kardec, o codificador da Ciência, da Filosofia, e da Religião Espírita, também interrogou aos espíritos: “O que é Deus?” E os espíritos imortais responderam: “É a causa primeira de todas as coisas e a inteligência suprema do universo.” Allan Kardec volta a interrogar: “E que prova nós poderemos ter de Deus?” A resposta é comovedora pela simplicidade: “Tudo aquilo que não foi feito pelo homem, por Deus foi feito.” Eu era jovem quando tive a oportunidade de ouvir uma pessoa contar-me que um materialista, cheio de orgulho e vazio de cultura, chegou certa tarde à periferia de uma cidade e encontrou um camponês que trabalhava a terra. Era um daqueles entardecer em que o sol coroava o planeta por trás das montanhas. Fascinado pela natureza lírica, o materialista perguntou ao homem do campo: “Matuto, tu crês em Deus?” O modesto trabalhador tirou o chapéu de palha, em respeito ao nome pronunciado, e disse: “Eu creio em Deus!” E o orgulhoso, então, perguntou-lhe: “Se tu crês em Deus, mostra-me um lugar aqui onde está Deus?” O homem do campo olhou ao derredor e na sua simplicidade respondeu: “Eu não posso doutor, mas agora eu queria pedir ao doutor que me mostrasse aqui um lugar ‘adonde’ Deus não está."

(Parte da entrevista com Divaldo Pereira Franco em Catanduva, em 30 de setembro de 2002)
 

 
Questão 11:
 
Kardec perguntou: Será que um dia compreenderemos o mistério da Divindade?
 
Os Espíritos responderam: “Quando vocês não mais estiverem obscurecidos pela matéria e, pela sua imperfeição, se tiverem aproximado d’Ele, então vocês O compreenderão e O verão.” E Allan Kardec, comentando esta resposta, nos diz: “A inferioridade das faculdades do homem não lhe permite compreender a natureza íntima de Deus. Na infância da Humanidade, o homem O confunde muitas vezes com a criatura, cujas imperfeições lhe atribui; mas, à medida que seu senso moral se desenvolve, seu pensamento penetra melhor o fundo das coisas; e ele faz então a respeito d’Ele uma idéia mais justa e mais conforme com a boa razão posto que sempre incompleta.”

domingo, 26 de junho de 2016

A DIFICULDADE DE NOS COLOCARMOS NO LUGAR DO OUTRO

 


Jesus nos deixou uma regra de ouro: FAÇA AO OUTRO O QUE QUER QUE O OUTRO FAÇA A VOCÊ. Mas, ainda temos muita dificuldade em viver este ensinamento, que, se seguíssemos, o mundo seria melhor. Vemos pessoas buscando seus direitos, mas não são capazes de respeitar o direito do outro. Acham certo seus filhos responderem, serem desrespeitosos com seus professores e funcionários da escola, mas quando tais funcionários são seus familiares sentem-se revoltados com tal comportamento do aluno. Reclamam do chefe, mas quando são chefes não aceitam reclamação dos subalternos. Chefes exploram funcionários, mas não gostam de ser explorados ou que explorem seus entes queridos. Há homens que humilham, exploram, abusam, magoam, maltratam uma mulher, mas não admitem que nenhum homem faça o mesmo com sua filha, irmã, esposa, mãe ou mulher da sua família. Jovens afrontam a autoridade dos pais, mas quando se tornam pais não toleram desrespeito dos filhos. Muitos ignoram os idosos, mas quando chegam na velhice querem ser respeitados e receber atenção. Há quem fale do filho do vizinho, do amigo, mas quando sabem que estão falando de seu filho, se revoltam. Muitos querem igualdade social, mas não são capazes de dividir o que tem aos mais necessitados. Querem distribuição de renda, desde que não mexam com a sua; querem políticos honestos, mas não devolvem o troco que recebem a mais, param em vagas de idosos e deficientes sem ser nenhum dos dois; desrespeitam as leis do trânsito; não pagam o que devem; não devolvem o que emprestam; compram produtos roubados, mesmo sabendo que alguém foi lesado financeiramente ou com a vida; usam drogas mesmo sabendo que por trás disso há morte, furto, roubo, infelicidade familiar e da sociedade, enfim, cometem muitas corrupções no dia a dia porque não se colocam no lugar de quem está sendo lesado. Então, o que devemos fazer? Se somos cristãos, sejamos cristãos nas atitudes, não só freqüentador de templo religioso. Está mais do que na hora de despertarmos para o que o Cristo nos pede todos os dias e há séculos.


Rudymara
 





 
 
 
 


 

sábado, 25 de junho de 2016

CONTRIBUA PARA QUE O MUNDO SEJA MELHOR

 
 
Observemos que, a maioria dos assaltos é para sustentar o vício dos dependentes de drogas. Todos os dias assistimos, nos noticiários, jovens que roubam celular, tênis, produtos eletrônicos, ou seja, objetos fáceis de vender. Quem compra? Os que se intitulam “espertos” porque acham que estão levando vantagem, mas estão apenas incentivando a violência e a estes mesmos assaltantes, hora ou outra, a assaltar ele próprio ou um de seus familiares. Infelizmente, as drogas estão tomando conta de nosso país. Vemos diariamente: Traficantes matando para disputar ponto de venda de drogas, execução de devedores de drogas, facções criminosas dominando vários setores, filhos executando familiares por estarem alterados, por abstinência da droga ou por estar muito “louco” pelo seu uso. A lei vê o usuário como um doente. Ora! Se é doente, precisa de tratamento. Pois, sua doença está adoecendo a sociedade.
Cristãos, lembrem-se: “A cada um segundo suas obras.” Pergunte-se: “O que estou fazendo para contribuir para um mundo melhor?” Afinal, responderemos pelas “obras” no BEM ou no “MAL” que causarmos em nossa vida e na do nosso próximo. Colheremos o que estamos plantando. Chega de viver achando que a vida termina no túmulo. Se as leis dos homens não funcionam, as de Deus não falham.
COMO A PAZ SE INSTALARÁ NA TERRA? Com a contribuição de quem mora nela. Paz na Terra só com a boa vontade dos homens e mulheres que moram nela. Ela não se instalará porque vestimos branco e fazemos passeatas levando cartazes com pedido de PAZ ou apenas orando e esperando a intervenção do Céu.
Pensemos que, não haveria traficante se não houvesse usuário. Ninguém roubaria se não tivesse quem comprasse produtos roubados. Portanto, a punição deveria ser mais rígida e não deveria ser apenas para o assaltante, mas para o receptador, não só para o traficante, mas também para o usuário. O cerco deveria ser maior. E a conscientização também. Um país onde achamos “errado” uma mãe amamentar um filho em público e achar “normal” uma cracolândia, um jovem usando droga na porta de escola, mulheres seminuas se prostituindo na praça e esquinas do nosso bairro, homens parando carro, caminhão, moto em via pública para contratar o serviço de tais mulheres, é inversão de valor. Precisamos rever isso, cristãos. Chega de dizer ser cristão só da boca para fora. Precisamos mostrar que somos cristãos nas atitudes.




Rudymara
 
 
 


 

sexta-feira, 24 de junho de 2016

EDUCAR DÁ TRABALHO

O que vem ocorrendo nos lares é que a maioria dos pais e mães estão despreparados para enfrentar as dificuldades do trabalho educativo e acabam por tomar atitudes erradas, tanto na prevenção quanto na terapêutica, para corrigir os problemas que surgem. Como disse André Luiz: “NA FASE ATUAL EVOLUTIVA DO PLANETA, EXISTEM NA ESFERA CARNAL RARÍSSIMAS UNIÕES DE ALMAS GÊMEAS, REDUZIDOS MATRIMÔNIOS DE ALMAS IRMÃS OU AFINS, E ESMAGADORA PORCENTAGEM DE LIGAÇÕES DE RESGATE. O MAIOR NÚMERO DE CASAIS HUMANOS É CONSTITUIDOS DE VERDADEIROS FORÇADOS POR ALGEMAS." Portanto, diante dos ajustes de seus próprios problemas, os filhos tornam-se, muitas vezes, mais problemas. Numa separação, há pais que se separam também dos filhos, deixando-os em segundo plano. Muitos tentam compensar o tempo que ficam fora trabalhando ou por estarem separados comprando coisas para os filhos, fazendo suas vontades e não colocando limites. Com isso, muitos estragam seus filhos porque os liberam demais, outros prendem demais, outros os ignoram, transferindo a responsabilidade de educar para outras pessoas, ou então, superprotegem, transformando-os em egoístas, orgulhosos, frágeis diante dos problemas. Fazendo tudo para nossos filhos, eles acostumarão e acharão que todos terão que fazer o mesmo. Terão dificuldade de respeitar regras, leis... Muitos pais que agem assim costumam achar que todos também devem fazer a vontade de seus filhos. Não aceitam que coloquem limites a eles, geralmente, ambos darão trabalho na escola. Filhos mimados, provavelmente, fraquejarão no primeiro obstáculo. Os meninos acharão que suas esposas deverão fazer tudo para eles e que eles não devem ajudar. E as meninas serão péssimas organizadoras do lar, e irão querer empregadas para mínimas coisas, ou dependerão dos pais para tudo. Resumindo, provavelmente, terão um casamento fracassado. Lar em desarmonia incentiva os filhos a não sentirem prazer em ficar em casa e a buscarem alegria em coisas ilusórias como as drogas lícitas e ilícitas. Não adianta dar os melhores brinquedos, as melhores roupas e escola se os pais não dão o que eles querem mais: "o melhor carinho, a melhor atenção, o dizer "sim e não" na hora certa. O simples ato de dizer "não", demonstra que os pais se importam e se preocupam com eles. É um ato de amor. Naquele momento, talvez, eles não enxerguem isso, mas no futuro entenderão e agradecerão. Os pais "apaixonados" não enxergam ou não querem enxergar as falhas dos filhos, por isso passam a mão na cabeça, não corrigem, não educam e fazem todas as vontades deles. Os pais que "amam" enxergam as falhas dos filhos e corrigem. Então, não os carreguemos nos braços, caminhemos com eles. Porque “Aquele que estraga seus filhos com mimos terá que pensar as feridas.” (Eclesiástico, 30:7). E aos pais Santo Agostinho aconselha: “Espíritas, compreenda agora o grande papel da humanidade, compreenda que, quando produzem um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir. Inteirem-se dos seus deveres e ponha todo o seu amor para aproximar de Deus essa alma, esta é a missão que lhes está confiada e cuja recompensa receberão se fielmente a cumprirem. Os seus cuidados e a educação que lhe derem auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem-estar futuro. Lembrem-se de que, a cada pai e a cada mãe, Deus perguntará: Que fizestes do filho confiado à vossa guarda?”
Portanto, educar dá trabalho, mas quando bem executado dá muita alegria.

Compilação de Rudymara
 
 
 


 

quarta-feira, 22 de junho de 2016

PEDREIRO ADOTA CRIANÇAS QUE SERIAM ABORTADAS

 
 
Se você já ouviu falar em compaixão e solidariedade, veja a história deste homem, que é pai de mais de 100 crianças. O pedreiro vietnamita Tong Phuoc Phuc salvou a vida de dezenas de bebês que seriam abortados nos últimos anos.
Phuc abriu as portas da própria casa para que essas gestantes tivessem onde ficar e se ofereceu para adotar os bebês que elas não quisessem. Desde então, ele adotou mais de cem bebês que seriam abortados e conseguiu que, com o tempo, muitas dessas mães voltassem para buscar os filhos quando estivessem em melhores condições.
Todos os bebês que Phuc adota, se são meninos, tem o nome de Vihn (que significa “Honra”), e se são meninas, são chamadas de Tam (que é “Coração”).
O segundo nome é sempre o da mãe, ou da cidade de origem dela – caso a mãe retorne; e o sobrenome é Phuc, que é o dele, pois ele considera todos como seus próprios filhos.Ele diz que “essas crianças agora têm um lar seguro. Eu estou disposto a ajudar e a ensiná-las a serem boas pessoas”.
COMO COMEÇOU?

Tudo começou em 2001, quando a esposa dele estava grávida e teve muitas complicações.
O parto foi difícil e Phuc conta que enquanto aguardava no hospital pela recuperação de sua esposa, viu que muitas mulheres entravam grávidas na sala de parto mas saiam sem nenhum bebê.
A princípio ele não entendeu, mas quando viu os médicos jogando os fetos no lixo, se deu conta do que estava acontecendo.
Ele se compadeceu e então pediu para levar esses corpos. Com todas as economias que tinha de seu trabalho como construtor, comprou um pequeno campo para poder enterrar os restos dos bebês que eram jogados.
No começo, sua esposa pensou que ele tivesse enlouquecido, mas ele continuou fazendo isso e atualmente já são mais de 10.000 fetos abortados que aí descansam.
Desde que ele começou a enterrar os corpos, mães pós-abortivas começaram a ir ao cemitério para rezar pelos filhos sepultados, mas também apareceram grávidas em risco de aborto que começaram a pedir ajuda a ele.
Começam ali as adoções deste pedreiro, que não pararam mais.
ADOÇÃO

Apesar de parecer cansativo, Phuc não pensa em parar de adotar bebês nesta situação.“Continuarei a fazer esse trabalho até meu último suspiro de vida, e encorajo meus filhos a continuarem ajudando outras pessoas desprivilegiadas,” conta o pedreiro.
 




DISSE JESUS: “Tudo o que fizerdes ao menor dos meus irmãos, é a Mim que o fazeis” (Mt 25, 40)
 
 
 

QUEM QUISER RECEBER APOSTILA QUE FALA SOBRE ABORTO NA VISÃO ESPÍRITA, ESCREVA PARA

grupoallankardec@gmail.com  MANDO NO SEU ANEXO E É GRATUITA, OK?
 
 
 
 

domingo, 19 de junho de 2016

DEUS ESTÁ NO COMANDO?

 
Tudo que acontece no Universo faz parte da nossa evolução. Num planeta de provas e expiações como a Terra, os moradores "ainda" são maus e ignorantes. Mas, com o tempo evoluiremos e sairemos dessa condição e estaremos melhores. Nós nascemos para EVOLUIR. Para sermos hoje melhores do que fomos no passado. Então, ninguém nasce para matar, lesar, enganar, delinquir, maltratar nada e ninguém, nem para ser preconceituoso, etc....Se isso acontece, nada tem a ver com Deus. Ele nos enviou Jesus para nos ensinar leis que "deveríamos" seguir. Se algo de ruim acontece é porque usamos mal o livre arbítrio. Mas, embora tenhamos o livre arbítro, devemos lembrar que todo plantio tem colheita, seja para o bem ou para o mal. Como disse o apóstolo Paulo: "Nós podemos tudo, mas nem tudo nos convém...
Então, Deus fez leis que comandam as leis naturais de evolução dos mundos e, consequentemente, dos seres que habitam neles. Mas, embora Ele tenha nos dado a vida, o que fazemos com ela corre por nossa conta...


Rudymara
 
 


 

DOER E DOAR

 
 
Esta frase é forte, mas verdadeira. Encontramos muita gente com "dozinho" dessa ou daquela situação, pessoa ou animal, mas não é capaz de ajudar, doar e se doar, as vezes, nem para aquele que está próximo dele. Está na hora de nos "doarmos" o mesmo tanto que nos "doemos"
 
Rudymara

A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO?

 
 
Em várias ocasiões, Kardec demonstrou a idéia de que a Terra é realmente um “vale de lágrimas”. E ele tinha toda razão. Aqui derrubamos lágrimas de tristeza, de dor, de aflição. Mas, também derrubamos lágrimas de alegria, de satisfação, de gratidão. Aqui todos choram, desde o magnata ao miserável. Portanto, nosso planeta não é um mundo de felicidade completa. Uma hora choramos de alegria, e em outra choramos de tristeza. Nosso planeta recebe espíritos endividados, para se purificarem e seguirem sua jornada rumo a mundos mais felizes. A Terra é um local onde devemos plantar a semente da felicidade, a colheita desse plantio se dará em outros mundos que não sejam de provas e expiações. Embora, muitos busquem a felicidade completa de várias formas, a felicidade se origina da calma, da tranqüilidade, do equilíbrio entre o SER e o TER.
O SER é o esforço que fazemos para nos libertarmos das falhas morais, de nos evangelizarmos e vivenciarmos o Evangelho no exemplo de cada dia. Ex: ser caridoso, ser tolerante, ser paciente, ser solidário, etc.;
O TER é a satisfação do necessário para vivermos, sem a preocupação de escravizarmos a própria alma ao egoísmo, de fartar-se num supérfluo desmedido, em prejuízo de nós mesmos e dos familiares. Tudo que é excesso leva ao desequilíbrio, se não estivermos bem preparados para administrar o que temos em mãos.
Enquanto não adquirirmos esse equilíbrio, sofreremos as conseqüências dessa busca e continuaremos infelizes. Porque invejaremos aquele que tem mais; nos revoltaremos contra Deus e a vida; buscaremos o desejado lesando o próximo, etc. Enfim, sem equilíbrio, continuaremos transgredindo as Leis de Deus e, consequentemente, continuaremos colhendo infelicidade.
 

Compilação de Rudymara




quarta-feira, 15 de junho de 2016

DEUS AJUDA A CRIATURA ATRAVÉS DE OUTRA CRIATURA


 
Ultimamente temos lido a seguinte frase nas redes sociais: “Deus ajude os moradores de rua neste frio.” Mas, precisamos lembrar que Ele não vem trazer roupas quentes a estes moradores de rua. Como disse André Luiz: “Deus ajuda a criatura através de outra criatura.” Ou seja, Deus conta com nossa ajuda para ajudar estas e outras pessoas que sofrem neste mundo. Nós pedimos muito a Ele, mas nos esquecemos, muitas vezes, de ouvir os pedidos Dele para nós. Seus ensinamentos foram trazidos por Jesus. E um deles é: “Faça ao teu próximo o que gostaria que teu próximo fizesse a você.” Este pedido é claro. Diz para que nos coloquemos no lugar de quem sofre e façamos algo para amenizar este sofrimento. Como disse Bezerra de Menezes: “Não substimes as pequenas doações.” Pequenas doações podem fazer a diferença na vida de uma pessoa. Leve um agasalho no carro e entregue a alguém que precise, doe em algum posto de arrecadação. Deus aguarda nossa ajuda para poder ajudar.
 
Rudymara
 
 
 

segunda-feira, 13 de junho de 2016

SANTO ANTONIO NA VISÃO ESPÍRITA

 
 
 
Na VISÃO ESPÍRITA, os “santos(as)” da igreja católica, foram homens e mulheres que marcaram sua vida na Terra com atitudes de caridade que deveriam servir de exemplo aos seus adeptos e devotos. Mas, a maioria não segue esses exemplos de amor ao próximo, lembram-se deles apenas para pedir: emprego, curas, solução de problemas, etc. Exemplo: Irmã Dulce socorria os pobres e doentes e construiu um hospital para eles. Quando ela for canonizada alguém seguirá seu exemplo? Será que ela ficará feliz em receber velas, preces, pedidos, peregrinações ou donativos para seu hospital e aos pobres? Assim acontece com outros santos(as). No caso de Santo Antonio, por exemplo, muitos usam chantagem em suas preces, torturam sua imagem colocando-a de ponta cabeça dentro de um copo d'água, sequestram o menino Jesus dos braços dele e o pagamento do resgate é para que o santo arrume um marido a sequestradora, enfim, foge da razão e da finalidade de seus ensinamentos. Uma de suas frases foi: “Quem não pode fazer grandes coisas, faça ao menos o que estiver na medida de suas forças." Então, pensemos nisso com cuidado!
 


Rudymara
 
 
 


 

domingo, 12 de junho de 2016

TODAS AS FORMAS DE AMOR

 
 
Quem quer respeito, deve aprender a respeitar. 

O AMOR ACABA?

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO MORAL NA INFÂNCIA

 
 
O Espírito necessita passar pelo estado de infância porque durante esse período, é mais fácil assimilar a educação que recebe de seus pais ou daquele que está com a responsabilidade de educá-la, de auxiliá-la no adiantamento. As crianças são espíritos velhos em corpos novos, seres que Deus manda para novas existências. Nós não conhecemos o que a inocência das crianças esconde. Para que os Espíritos não possam mostrar excessiva severidade, eles recebem todo o aspecto da inocência. Essa inocência, muitas vezes, não constitui o que realmente eram antes. É a imagem do que deveriam ser, e não o que são. As más inclinações são cobertas com o esquecimento do passado. O amor dos pais se enfraqueceria diante do caráter áspero e intratável do Espírito encarnado. Pois não sabemos se o Espírito que recebemos com todo amor, possa ter sido um assassino(a), um amigo(a), um inimigo(a), um viciado(a), um(a) sexolatra, etc. Na adolescência surge o caráter real e individual, por isso mudam tanto de comportamento. Devemos educar nossos filhos desde o berço, e começar a conversar com eles desde os 4 anos, sem esperar pelos 12, 13 anos. Os frutos plantados na infância serão colhidos na adolescência. Esta visão espiritual nos alerta para a importância da “educação moral” dos nossos filhos. Quando permitimos ou incentivamos que tenham certas condutas podemos estar ajudando estes espíritos, que estão sob nossa guarda, “relembrar” os erros do passado e com isso repeti-los. É preciso ensiná-los que não devemos seguir tudo o que a mídia ou a moda determina, mas sim o que Jesus nos deixou como ensinamento. Devemos apresentar Deus e Jesus o quanto antes a eles. Por isso, nessa fase devemos reformar os caracteres e reprimir os maus pendores. Esse é o dever que Deus impôs aos pais, missão sagrada de que terão de dar contas. Assim, portanto, a infância não é só útil, necessária, indispensável, mas também consequência natural das leis que Deus estabeleceu e que regem o Universo. Como nos aconselha Santo Agostinho no O Evangelho Segundo o Espiritismo: “Espíritas, compreenda agora o grande papel da humanidade, compreenda que, quando produzem um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir. Inteirem-se dos seus deveres e ponha todo o seu amor para aproximar de Deus essa alma, esta é a missão que lhes está confiada e cuja recompensa receberão se fielmente a cumprirem. Os seus cuidados e a educação que lhe derem auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem-estar futuro. Lembrem-se de que, a cada pai e a cada mãe, Deus perguntará: Que fizestes do filho confiado à vossa guarda?”



Compilação de Rudymara baseado no O livros dos Espíritos e O Evangelho segundo o Espiritismo




 


sexta-feira, 3 de junho de 2016

MALEDICÊNCIA É O ATO DE FALAR MAL DAS PESSOAS

 
 
"Certa feita, um homem esbaforido achegou-se ao grande filósofo Sócrates e sussurrou-lhe aos ouvidos:
- Escuta, Sócrates... Na condição de teu amigo, tenho alguma coisa de muito grave para dizer-te, em particular...
- Espera!... - ajuntou o sábio, prudente. Já passaste o que me vais dizer pelos três crivos?
- Três crivos? - perguntou o visitante, espantado.
- Sim, meu caro, três crivos. Observemos se a tua confidência passou por eles. O primeiro é o crivo da verdade. Guardas absoluta certeza quanto aquilo que me pretendes comunicar?
- Bem - ponderou o interlocutor -, assegurar, mesmo, não posso... Mas, ouvi dizer e...então...
- Exato. Decerto peneiraste o assunto pelo segundo crivo, o da bondade. Ainda que não seja real o que julgas saber, será pelo menos bom o que me queres contar?
Hesitando, o homem replicou:
- Isso não ... Muito pelo contrário...
- Ah! - tornou o sábio - então recorramos ao terceiro crivo, o da utilidade, e notemos o proveito do que tanto te aflige.
- Útil?!... - aduziu o visitante ainda mais agitado. - útil não é...
- Bem - rematou o filósofo num sorriso -, se o que me tens a confiar não é verdadeiro, nem bom e nem útil, esqueçamos o problema e não te preocupes com ele, já que de nada valem casos sem qualquer edificação para nós. . . "


OBSERVAÇÃO DE RICHARD SIMONETTI: Maledicência é o ato de falar mal das pessoas. Definição bem amena para um dos maiores flagelos da Humanidade. Mais terrivel do que uma agressão fisica. Muito mais do que o corpo, fere a dignidade humana, conspurca reputações, destrói existências. Mais insidiosa do que uma epidemia, na forma de boato - eu "ouvi dizer" alastra-se como rastilho de pólvora. (...) Tribunal corrupto, nele o réu está, invariavelmente, ausente. É acusado, julgado e condenado, sem direito de defesa, sem contestação, sem misericórdia. (...) A maledicência tem sua origem, sem dúvida, no atraso moral da criatura humana. Intelectualmente, a Humanidade atingiu culminâncias. Chegamos à Lua, desintegramos o átomo. Moralmente, entretanto, somos subdesenvolvidos, quase tão agressivos e inconseqüentes como os habitantes das cavernas, e, se o verniz de civilidade nos impede de usar a clava, usamos a língua, atendendo a propósitos de auto-afirmação, revide, justificação ou pelo simples prazer de atirar pedras ein vidraças alheias. (...) Jesus adverte que o maldizente fatalmente será vítima da maledicência, quer porque onde estiver criará ambiente propício à disseminação de seu veneno, quer porque a Vida o situará, inelutavelmente, numa posição que o sujeitará a críticas e comentários desairosos, a fim de que aprenda a respeitar o próximo. Deixando bem claro que a ninguém compete o direito de julgar, o Mestre recomenda que, antes de procurarmos ciscos no olho de nosso irrnäo, tratemos de remover a lasca de madeira que repousa, trânqüila, no nosso.
 
 
 
 

 

É CERTO A ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS?

 
 
“O amor não tem sexo. Como é que podemos imaginar que o melhor para uma criança é ser criada na rua, ao relento, submetida a todo tipo de execração, a ser criada nutrida, abençoada por um lar de casal homossexual? Muita gente assevera que a criança corre riscos. Mas como? Nós estamos acompanhando as crianças correndo riscos nas casas de seus pais heterossexuais todos os dias. Outros afirmam que a criança criada por homossexuais poderá adotar a mesma postura, a mesma orientação sexual. O que também é falso. A massa de homossexuais do mundo advêm de lares heterossexuais. Então, teremos de concluir que são os casais heterossexuais que formam os homossexuais. Logo, não devemos entrar nessa discussão que é tola e preconceituosa. Aquele que tem amor para dar que dê.”
 
 
José Raul Teixeira




 

quarta-feira, 1 de junho de 2016

PROCURANDO UM CENTRO ESPÍRITA FORTE

 
 
- Senhor Fabrício - disse o freqüentador da casa espírita - há várias semanas venho comparecendo às reuniões de assistência espiritual, segundo suas recomendações e, até o momento, não experimentei nenhuma melhora. Continuo com a enxaqueca de sempre, acompanhada de insuperável angústia e incômodos desajustes digestivos . . .
- Meu irmão - responde o dirigente - é assim mesmo. Como venho lhe explicando, você está sob a ação de um obsessor do passado. É preciso dar tempo ao tempo . . .
- Mas, senhor Fabrício - reclama o freqüentador - informaram-me que este é um "centro forte". Mentores poderosos aqui trabalham. Poderiam resolver minha situação rapidamente . . .
- Não apenas aqui, mas em qualquer agrupamento onde se procure observar a orientação espírita e as lições de Jesus, há benfeitores espirituais agindo em nosso benefício. Ocorre que a solução de nossos problemas não depende tanto da ajuda do céu; é imperiosa a boa vontade dos interessados da Terra. Não basta receber ajuda dos Espíritos, os benefícios do "passe" ou o conforto da mensagem espírita cristã. É preciso cultivar a oração, disciplinar as emoções, superar irritações e ressentimentos e, sobretudo, exercitar o Bem. O esforço da caridade é recurso fundamental de libertação, sensibilizando os perseguidores espirituais e demovendo-os de suas intenções malévolas.
- Sim, sim - concorda o cavalheiro, sem convencer-se - Mas o senhor há de convir que com as dificuldades que venho enfrentando é possível seguir semelhante orientação!
- Realmente, não é fácil, nem tanto em virtude de seu estado, mas muito mais porque semelhante tentativa exige uma mudança radical em nossas motivações, no empenho por superar o imediatismo terrestre para raciocinar em termos de Vida Eterna. Raros se dispõem a essa "guinada existencial"...
- Quer dizer que não há outro caminho?
- Penso que não - concluiu Fabrício - pelo menos não o conheço. O próprio Cristo referiu-se a ele quando falou sobre a porta estreita...
- Pois bem - informou o cavalheiro - seguirei sua orientação.
O cavalheiro freqüentador da casa espírita despediu-se e partiu. Nunca mais voltou! Seguiu em frente, à procura de um "centro forte" . . .



Muitos enxergam o Centro Espírita como um mero recurso de cura para males corporais e espirituais, cuja eficiência está subordinada à "força" de seus dirigentes e guias.
Fazem "via sacra" nos agrupamentos espiritistas, sem aprender a lição fundamental: a cura de seus males está subordinada, essencialmente, ao esforço de sua própria renovação.

 
(Richard Simonetti)
 

Quem procurar o Espiritismo somente para obter cura imediata de seus males físicos e espirituais, ou para resolver de pronto seus problemas materiais, poderá ficar decepcionado.
Porque somente se realiza o que estiver dentro das leis divinas. E o Espiritismo não tem por finalidade principal a realização de fenômenos, mas, sim, o progresso moral da humanidade.