quarta-feira, 30 de maio de 2012

ADVOGADO AMBICIOSO REENCARNA COM HIDROCEFALIA- Irmão X




O Dr. Abelardo Tourinho era, indiscutivelmente, verdadeira águia de inteligência. Advogado de renome, não conhecia derrotas. Sua palavra sugestiva, nos grandes processos, tocava-se de maravilhosa expressão de magnetismo pessoal. Seus pareceres denunciavam apurada cultura. Abelardo se mantinha, horas e horas, no gabinete particular, surpreendendo as colisões das leis humanas entre si. Mas, seu talento privilegiado caracterizava-se por um traço lamentável. Não vacilava na defesa do mal, diante do dinheiro. Se o cliente prometia pagamento farto, o advogado torturava decretos, ladeava artigos, forçava interpretações e acabava em triunfo espetacular. Chamavam-lhe “grande cabeça” nos círculos de convivência comum. Era temido pelos colegas de carreira. Os assistentes se atropelavam a fim de atendê-lo no que desejasse. Muita vez, foi convidado a atuar, em posição destacada, nas esferas político-administrativas; entretanto, esquivava-se, porque as gratificações dum deputado eram singelas, perto dos honorários que recebia. Seus clientes degradantes eram sempre numerosos. Sua banca era freqüentada por avarentos transformados em sanguessugas do povo, por negociantes inescrupulosos ou por criminosos da vida econômica, detentores de importante ficha bancária. Abelardo nunca foi visto lutando em causa humilde, defendendo os fracos contra os poderosos, amparando infortunados contra os favorecidos da sorte. Afirmava não se interessar por questões pequenas.
Mas, havia alguém que o acompanhava, sem tecer elogios precipitados.  Era sua mãe, nobre velhinha cristã, que o alertava, de quando em quando, com sinceridade e amor. Dizia ela:
- Abelardo, não te descuides na missão do Direito. Não admitas que a idéia de ganho te avassale as cogitações. Creio que a tarefa da justiça terrestre é muito delicada, além de profundamente complexa. Ser advogado ou juiz é difícil ministério da consciência. Por vezes, observo-te as inquietações na defesa dos clientes ricos e fico preocupada. Não te impressiones pelo dinheiro, meu filho! Repara, sobretudo, o dever cristão e o bem a praticar. Sinto falta dos humildes, em derredor de teu nome. Ouço os aplausos de teus colegas e conheço a estima que desfrutas, no seio das classes abastadas, mas ainda não vi, em teu circulo, os amigos apagados de que Jesus se cercava sempre. Nunca pensaste, Abelardo, que o Mestre Divino foi advogado da mulher infeliz e que, na própria cruz, foi ardoroso defensor dum ladrão arrependido? Creio que o teu apostolado é também santo...
O eminente advogado balançava a cabeça, em sinal de desacordo, e respondia:
- Mãezinha, os tempos são outros. Devo preservar as conquistas efetuadas. Não posso, por isso, satisfazer-lhe as sugestões. Compreende a senhora que o advogado de renome necessita cliente à altura. Alias, não desprezo os mais fracos. Tenho meu gabinete vasto, onde dou serviço a companheiros iniciantes, junto aos quais os menos favorecidos do campo social encontram os recursos que necessitam...
- Oh! Meu filho! Estimaria tanto ver-te a sementeira evangélica!...
O advogado interrompia-lhe as observações, sentenciando:
- A senhora, porém, necessita compreender que não sou ministro religioso. Não devo ligar-me a preceituação estranha ao Direito. E é tão escasso o tempo para a leitura e analise dos códigos que me não sobra ensejo para estudos do Evangelho. Além do mais – e fazia um gesto irônico -, que seria de meus filhos e de mim mesmo se apenas me rodeasse de pobretões? Seria o fim da carreira e a bancarrota geral.
A genitora discutia amorosa, fazendo-lhe sentir a beleza dos ensinamentos cristãos, mas Abelardo, que se habituara aos conceitos religiosos de toda gente, não se curvava às advertências maternas, conservando mordaz sorriso ao canto da boca.
A experiência terrestre foi passando devagar, como quem não sentia pressa em revelar a eternidade da vida infinita.
A Senhora Tourinho regressou à espiritualidade, muito antes do filho.
Abelardo, todavia, jamais cedeu aos seus pedidos.
E foi assim que a morte o recolheu, envolvido em extensa rede de compromissos (com a lei divina). Compreendeu, tarde demais, as tortuosidades perigosas que traçara para si mesmo. Muito sofreu (no umbral) e chorou nos caminhos novos. Não conseguia levantar-se, achava-se caído, na expressão literal. Crescera-lhe a cabeça enormemente, retirando-lhe a posição de equilíbrio normal. Colara-se à terra, entontecido e freqüentemente atormentado pelas vitimas ignorantes e sofredoras (pessoas que ele prejudicou quando os fez perder a causa tornaram-se obsessores). 
A devotada mãezinha visitou-o por anos, sem alcançar resultados animadores.
Ele prosseguia na mesma situação de imobilidade, deformação e sofrimento.
A mãe, reparando na ineficácia de seus carinhos, trouxe um elevado orientador de almas à paisagem escura (umbral).
Pretendia um parecer, a fim de traçar diretrizes de ação.
O prestimoso amigo examinou o paciente, registrou-lhe as pesadas vibrações mentais, pensou, pensou e dirigiu-se à abnegada mãe, compadecido:
- Minha irmã, o nosso amigo padece de inchação da inteligência pelos crimes cometidos com as armas intelectuais. Seus órgãos da ideia foram atacados pela hipertrofia de amor-próprio. Ao que vejo, a única medida capaz de lhe apressar a cura é a hidrocefalia no corpo terrestre.
A nobre genitora chorou amargurada, mas não havia remédio se não conformar-se.
E, daí a algum tempo, pela inesgotável bondade do Cristo, Abelardo Tourinho reencarnou e podia ser identificado por amigos espirituais numa desventurada criança do mundo, colada a triste carrinho de rodas, apresentando um crânio terrivelmente disforme, para curar os desvarios da “grande cabeça”.


Escrito pelo espírito: Irmão X (Humberto de Campos)
Psicografia de: Chico Xavier
Livro: Pontos e Contos
Tema: Grande Cabeça 



Observação de Rudymara: Se todos acreditassem na reencarnação, pensariam duas vezes antes de transgredir as leis de Deus. Saberiam que a lei é a de causa e efeito (o que causarmos de bom e de ruim a tudo que conviva conosco neste planeta, seja uma pessoa, um animal, a Natureza e a nós mesmos sofreremos as consequencias); colheremos aquilo que plantarmos; seja nessa ou em outra encarnação, ninguém sofre a toa e, consequentemente, Deus é justo.





segunda-feira, 28 de maio de 2012

OBSESSÃO COM CRIANÇAS - Chico Xavier





Contou Chico Xavier: "JÁ PRESENCIEI ALGUNS CASOS DE OBSESSÃO COM CRIANÇAS, MAS MUITO RARAMENTE ACONTECEM. NO PERÍODO DA INFÂNCIA, O ESPÍRITO CONTA COM A PROTEÇÃO NATURAL QUE O IMUNIZA CONTRA ATAQUES DE SEUS DESAFETOS DESENCARNADOS. MAS, QUANDO O ÓDIO É MUITO ENTRANHADO, QUANDO O COMPROMISSO É RECENTE, O ESPÍRITO OBSESSOR SE MOSTRA IMPLACÁVEL. ENQUANTO NÃO CONSEGUE OS SEUS OBJETIVOS DE VINGANÇA, ELE NÃO ABANDONA A VÍTIMA. POR ESTE MOTIVO, VEMOS CRIANÇAS MORREREM BARBARAMENTE OU, AINDA, SEREM ALVO DE SEQUESTROS, ESTUPROS, PANCADARIA POR PARTE DOS PAIS, COM SEQUELAS CEREBRAIS IRREVERSÍVEIS.”

Esta observação de Chico Xavier nos faz pensar que a criança, que julgamos inocente, nada mais é que um espírito velho encarnado num corpo novo, que traz uma história de outra encarnação que pode ser de maldade, de abusos, de trapaças, vícios e outras mazelas. Aquele que foi lesado por este espírito poderá ter se tornado um obsessor que o acompanha buscando vingança. Quando não consegue atingi-lo diretamente, poderá influenciar os que convivem com ele para atingi-lo. Por isso, Jesus aconselhou: “Reconcilia-te o mais depressa possível com o vosso adversário, enquanto todos estais a caminho (...)"


(Rudymara)






sábado, 26 de maio de 2012

OBSESSÃO DURANTE O SONO - Chico Xavier


Contou Chico Xavier: "OS ESPÍRITOS OBSESSORES, MUITOS DELES, SÃO ALTAMENTE TREINADOS NA TÉCNICA DE HIPNOTIZAR: QUASE SEMPRE ELES HIPNOTIZAM AS SUAS VÍTIMAS QUANDO ELAS SE RETIRAM DO CORPO NO MOMENTO DO SONO. POR ESTE MOTIVO, MUITA GENTE ACORDA MAL HUMORADA E VIOLENTA. SE SOUBÉSSEMOS O QUE NOS ESPERA NO ALÉM, NÃO DORMIRÍAMOS SEM RECORRER AOS BENEFÍCIOS DA PRECE. OS ESPÍRITOS QUE SÃO NOSSOS DESAFETOS NOS ESPREITAM; SE NÃO TIVERMOS DEFESA, ELES FARÃO CONOSCO O QUE BEM ENTENDEREM. HÁ OBSESSÕES TERRÍVEIS QUE SÃO PROGRAMADOS DURANTE O SONO; TODA NOITE É UMA SESSÃO DE HIPNOSE. DE REPENTE, É UMA AGRESSÃO VIOLENTA DENTRO DE CASA, UM CRIME INEXPLICÁVEL.”

 Esta observação de Chico Xavier mostra que, todos nós estamos sujeitos a este assédio. Não sabemos se fizemos um inimigo no passado que hoje nos assedia ou assediará. Sabemos apenas que todos temos débitos contraídos nesta ou em outra encarnação e que teremos que reparar, ou seja, não somos vítimas nem inocentes. O único espírito que encarnou neste planeta e não tinha débitos com a lei divina foi Jesus Cristo. Portanto, não julguemos as atitudes alheias. Desconhecemos o motivo que possa ter levado aquela pessoa a cometer uma violência. Não sabemos se nós ou um dos nossos cometeremos algo igual ou parecido. Aprendemos que os obsessores só conseguem nos influenciar através de nossas falhas morais e nossa invigilância. E, como ainda somos espíritos imperfeitos, falíveis e muitas vezes invigilantes, não atiremos pedra no telhado dos outros porque o nosso é de vidro. Como disse William Shakespeare: “Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia".


(Rudymara) 




sexta-feira, 25 de maio de 2012

AMULETOS E TALISMÃS NA VISÃO ESPÍRITA


O Espiritismo não adota qualquer talismã ou amuleto, porque levam as pessoas a buscar segurança em coisas materiais e exteriores, em vez de se firmar na fé espiritual, em Deus, em si mesma, na ação dos bons espíritos e nas leis divinas que regem harmoniosamente a vida universal.
Há uma tendência profundamente arraigada em todas as culturas de atribuir poderes mágicos a objetos e palavras cabalísticas, com o propósito de atrair ou afastar forças espirituais.
Infelizmente, muitos Centros Espíritas, descuidando-se do estudo, enveredam por caminhos mágicos sustentados por velhas superstições.
No O Livro dos Médiuns, 2ª parte, cap. XXV, item 282-17ª diz: “(...) A VIRTUDE DOS TALISMÃS, DE QUALQUER NATUREZA QUE SEJAM, NÃO EXISTEM SENÃO NA IMAGINAÇÃO DAS PESSOAS CRÉDULAS.”
Se acreditarmos com convicção que defumações, banhos de defesa, cruzes e semelhantes são recursos mágicos que nos protegem, estaremos potencializando forças da alma (A FÉ) que talvez nos resguardem.
Raciocinemos o seguinte: “Se os talismãs e amuletos nos protegessem, nós não nos esforçaríamos para vigiar nossos atos a pensamentos, seríamos imprudentes; os carros que são benzidos não seriam roubados, etc.”
Queremos finalizar dizendo que, nós espíritas não somos contra quem usa e acredita nessa proteção. Apenas mostramos aqui o que e porque nós espíritas pensamos e acreditamos sobre o assunto.


(Rudymara)





"AMULETOS E TALISMÃS NOS PROTEGEM?  -  Texto mais completo neste link"http://grupoallankardec.blogspot.com.br/2011/09/talismas-e-amuletos-nos-protegem.html






segunda-feira, 21 de maio de 2012

O QUE NÃO TEM NO ESPIRITISMO?


O Espiritismo não tem dogmas, não tem rituais, não adota em suas reuniões e em suas práticas qualquer tipo de paramentos ou vestes especiais (roupas brancas, jaleco, etc.), cálice com vinho ou bebidas alcoólica, incenso, mirra, fumo, altares, imagens, andores, velas, procissões, trabalhos espirituais, talismãs, amuletos, sacrifício animal, santinhos, administração de indulgências, confecção de horóscopos, exercício da cartomancia, quiromancia, astrologia, numerologia, pagamento de promessas, despachos, riscos de cruzes e pontos, não tem curas espirituais com cortes, fórmulas mágicas para resolver problemas sentimentais, financeiros, etc.
Por isso, quem procurar o Espiritismo somente para obter cura imediata de seus males físicos e espirituais, ou para resolver de pronto seus problemas materiais, poderá ficar decepcionado.
Porque somente se realiza o que estiver dentro das leis divinas. E o Espiritismo não tem por finalidade principal a realização de fenômenos, mas, sim, o progresso moral da humanidade.



Observação: Espiritismo é um só. As outras religiões não são espíritas, são espiritualistas, apesar de adotar, muitas vezes, livros da doutrina espírita.  







sábado, 19 de maio de 2012

QUERO VER ESPÍRITOS DE LUZ - Chico Xavier

Certa vez, uma moça que participava do trabalho de desenvolvimento mediúnico, conversando com Chico Xavier disse:
-   Chico, gostaria tanto de desenvolver a mediunidade da vidência, para poder enxergar Emmanuel, Bezerra de Menezes, Sheilla . . .
Chico, esboçou um sorriso e esclareceu:
-          Num pântano, veremos poucas flores, mas muitos sapos.
Chico quis dizer que, a Terra é um planeta que recebe espíritos que ainda abrigam em seu ser a maldade e a ignorância. Portanto, será difícil um médium ver apenas espíritos missionários.


QUE MEDIUNIDADE ESPERAMOS TER?
A mediunidade que todos esperamos é a espetacular, a fenomênica.
Pedimos a vidência, para ver Espíritos de grande luz ou para descobrir piedosamente os necessitados do Umbral, levando-lhes auxilio na medida de nossas possibilidades?
Suplicamos a clariaudiência, para ouvir coros  celestes ou  deliciar-nos  com  os  conselhos  dos  Espíritos e atender aos apelos dos desencarnados que pedem orientação?
Queremos servir de intermediários na psicografia entre os instrumentos espirituais e os homens?
Ambicionamos a incorporação, para que em nós se manifestem os bons Espíritos em preleções luminosas, ou os sofredores em lamentações, para serem consolados e reequilibrados?
Esperamos a viagem astral como um prêmio ao nosso gosto em freqüentar sessões ou para atender aos espíritos que de longe nos chamam?
No entanto, vemos por acaso, com atenção, as glórias da natureza em redor de nós?
Olhamos, sem desviar os olhos, os pobres e aleijados, os doentes e estropiados, os aflitos e desesperados?
Utilizamo-nos bem do dom da vidência que já recebemos do Senhor aqui na Terra, para, vendo-lhes as misérias levar-lhes auxílio?
Aproveitamos o dom da psicografia, isto é, do conhecimento da escrita, para ensinar a uma criancinha pobre ou a uma empregada analfabeta?
Lembremo-nos de que cada um de nós, trás em si mesmo, um Espírito permanentemente incorporado, que precisa progredir. E que fazemos dele?
E as viagens aos morros, para socorrer os pobres . . . a orfanatos para acariciar crianças . . . a hospitais, para aliviar enfermos . . . a asilos, para consolar os velhinhos . . . e leprosários para ajudar os sofredores, nós os fazemos?
Se não pomos em prática os dons mediúnicos que já temos na matéria, por que queremos buscar outros de fora, que não depende de nós?
Desenvolvamos bem essas mediunidades que já nos foram concedidas pelo Senhor, e no tempo oportuno, receberemos todas as outras.
Atendamos primeiro, ao próximo, que está em redor de nós e depois, teremos lastro para ir atender a outros no outro Mundo.

Do livro: Sugestões Oportunas, cap. 10
De: C. Torres Pastorino










terça-feira, 15 de maio de 2012

VELHICE NA VISÃO ESPÍRITA


 

Quando encarnamos, recebemos uma carga de fluido vital (fluido da vida).
Quando este fluido acaba, morremos. Somos como a pilha que com o tempo vai descarregando.
Chegamos ao ponto que os remédios já não fazem mais efeito. Daí não resta outra alternativa senão trocar de “roupa” e voltar para a escola planetária.
Mas a quantidade de fluido vital não é igual em todos seres orgânicos. Isso dependerá da necessidade reencarnatória de cada um de nós.
Quando chegamos á Terra cada um tem uma "estimativa de vida". Vai depender do que viemos fazer aqui. A pessoa que está estimado viver em torno de 60 anos receberá mais fluido que a pessoa que está estimado viver 20 anos.
André Luiz, através da psicografia de Chico Xavier, explica que poucos são completistas, ou seja, nascemos com uma estimativa de vida e, com os abusos, desencarnamos antes do previsto, não completamos o tempo estimado, isso chama-se suicídio indireto.
Se viemos acertar as pendências biológicas por mau uso do corpo, como o suicídio direto ou indireto, nós vamos ficar aqui pouco tempo. É só para cobrir aquele buraco que nós deixamos. Exemplo: Se nossa estimativa de vida é 60 anos e nós, por abusos, desencarnamos aos 40 anos, ficamos devendo 20 anos. Então, na próxima encarnação viveremos somente 20 anos.
Mas há outros indivíduos que vem para uma tarefa prisional. E daí vai ficar, 70, 80, 90, 100 anos. Imaginamos que quem vira os 100 anos está resgatando débitos. Porque vê as diversas gerações que já não são as suas. E o indivíduo vai se sentindo cada vez mais um estranho no ninho. Os jovens o olham como se ele fosse um dinossauro. Os da sua idade já não se entendem mais porque já faltam certos estímulos (visuais, auditivos, etc.). Já não podem visitar reciprocamente, com raras exceções. Tornam-se pessoas dependentes dos parentes, dos descendentes para levar aqui e acolá. Até para cuidar-se e tratar-se. Então, só pode ser resgate para dobrar o orgulho, para ficar nas mãos de pessoas que nem sempre gostam dela. Alguns velhos apanham, outros são explorados na sua aposentadoria, outros são colocados em asilos onde nunca recebem visitas.
Em compensação, outros vêm, cuidam da família, educam os filhos em condição de caminhar, fecham os olhos e voltam para a casa com a missão cumprida com aqueles que se comprometeu em orientar, impulsionar, a ajudar.
Por isso, precisamos conversar com os jovens. Dizer a eles que é na juventude que a gente estabelece o que quer na velhice, se chegar lá. E que vamos colher na velhice do corpo o que tivermos plantado na juventude. Se ele quiser ter um ídolo, que escolha alguém que esteja envolvido com a paz, com a saúde, a ética, ao invés de achar ídolos da droga, do crime, das sombras.
E aqueles que não tem jovens para orientar e que estão curtindo a própria maturidade, avaliar o que fizeram da vida até agora. Se a morte chegasse hoje, o que teriam para levar? Se chegarem a conclusão que não tem nada para levar lembrem que: HÁ TEMPO.
Enquanto Deus nos permitir ficar na Terra, HÁ TEMPO, para fazermos algum serviço no Bem seja ao próximo ou a nós mesmos: estudar, aprender uma língua, uma arte, praticar um esporte. Enquanto respirarmos no corpo perguntemos: “O QUE DEUS QUER QUE EU FAÇA?” Usemos bem o fluido que nos foi disponibilizado.
ATENÇÃO: a vida bem vivida pela causa do Bem pode nos dar “MORATÓRIA”, ou seja, uma sobrevida, uma dilatação do tempo de permanência do Espírito no corpo de carne. Por isso vemos muitos trabalhadores do BEM desencarnando com idade bem avançada. Estes receberão uma carga extra de fluido vital para estender seu tempo no corpo físico.
Então, há idosos em caráter expiatório e em caráter de moratória.

José Raul Teixeira
 
 
 
 

domingo, 13 de maio de 2012

UM ANJO CHAMADO "MÃE"


Uma criança pronta para nascer perguntou a Deus:
- Disseram-me que estarei sendo enviada à Terra amanhã . . . Como vou viver lá, sendo que sou pequena e indefesa ?
E Deus disse:
- Entre muitos anjos, escolhi um especial para você. Estará esperando-a e tomará conta de você.
- Mas me diga, aqui no céu eu não faço nada além de sorrir e cantar, o que é suficiente para que eu seja feliz . . . Serei feliz lá?
- Lá, seu anjo cantará e sorrirá para você . . . a cada dia, a cada instante, você sentirá o amor do seu anjo e será feliz.
- Como poderei entender quando falarem comigo, se eu não conheço a língua que as pessoas falam?
- Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar.
- E o que farei quando sentir saudade e quiser falar com o Senhor?
- Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a orar.
- Eu ouvi que na Terra tem homens maus. Quem me protegerá?
- Seu anjo a defenderá mesmo que signifique arriscar sua própria vida.
- Mas eu serei sempre triste, porque eu não O verei mais!
- Seu anjo sempre lhe falará sobre Mim, lhe ensinará a maneira de vir a Mim, e Eu estarei sempre dentro de você.
Nesse instante havia muita paz no céu, mas as vozes da Terra já podiam ser ouvidas.
A criança, apressada, pediu suavemente:
- Oh, Deus, se eu estiver a ponto de ir agora, diga-me por favor, o nome do meu anjo.
E Deus respondeu:
- Você chamará seu anjo de . . . MÃE!

sábado, 12 de maio de 2012

QUAL A MISSÃO DAS MÃES NA TERRA?



No livro "Missionários da Luz", o Espírito André Luiz, conta através da psicografia de Chico Xavier, a história de um Espírito que se preparava para reencarnar, com a intenção de reparar o erro que cometeu como mãe na Terra. Quando encarnada, foi devotadíssima mãe e esposa, mas contrariava a influência do marido no lar e estragava os filhos com excessos de meiguice sem razão. Eram três rapazes e uma jovem, que caíram muito cedo em desregramentos, e cedo desencarnaram. Após desencarnar entraram em regiões baixas. Quando esta mãe desencarnou, percebeu que falhou na educação dos filhos, então, implorou para reencarnar junto deles novamente. Seu pedido levou mais de trinta anos para ser concedido. Então, na nova encarnação, ela os receberia como filhos novamente, sendo dois rapazes na condição de paralíticos, um na qualidade de débil mental e, para auxiliá-la na viuvez precoce, teria tão somente a filha, que seria também portadora de urgente necessidade de correção.

Então, é preciso reconhecer que à mulher está destinado a mais sublime missão, o mais elevado ideal, a tarefa redentora por excelência que é a PREPARAÇÃO DO SER HUMANO PARA A VIDA. Edificaremos um mundo melhor na medida em que a criança for convenientemente orientada. E esse serviço, por mais o neguem as feministas intransigentes, compete muito mais à mulher. Ela é a preceptora por excelência, a educadora mais eficiente. A maternidade é, talvez, a mais sacrificial e árdua de todas as missões, mas, se exercitada em plenitude é, também, a mais gloriosa de todas as realizações humanas. Tudo tem uma finalidade certa, superior, que resultam a harmonia e o equilíbrio das leis eternas. A mãe, quando evangelizada, não fixa sua preocupação somente em dar aos filhos alimento, vestuário, brinquedos, lazer, escola, faculdade, conforto, mas principalmente, dedicação em colocar-lhes no coração os sentimentos e virtudes que os orientarão e lhes iluminarão os caminhos. Geralmente dizemos a eles que queremos que sejam “alguém” na vida. Mas, esquecemos de dizer para que busquem ser “alguém” honestamente, ou então, que busquem ser “alguém” diante dos olhos de Deus. Isso não significa, em hipótese alguma, que as mães devam realizar uma incrível “mágica” de transformar seus filhos em “anjos” em alguns anos de convivência. O que Deus pede para as mães é que, sejam sempre esforçadas e dedicadas a tão importante encargo, que não desanimem ante as dificuldades ou desprezem o lar pela busca obsessiva das ilusões passageiras. O espírito não se modificará profundamente de um momento para outro. Porém, todo bom exemplo, toda boa palavra, toda corrigenda sincera, todo diálogo, toda energia, todo carinho, toda disciplina e todo amor jamais se perderão, mesmo que tenham sido encaminhados a um coração endurecido pelo mal, mesmo que ainda carregue muita preguiça, orgulho e egoísmo. As mães não são responsáveis pelas imperfeições dos filhos, mas sim se adubarem essas tendências infelizes ou se não as combaterem quanto podiam. Como nos aconselha Santo Agostinho no O Evangelho Segundo o Espiritismo: “ESPÍRITAS, COMPREENDA AGORA O GRANDE PAPEL DA HUMANIDADE. COMPREENDA QUE, QUANDO PRODUZEM UM CORPO, A ALMA QUE NELE ENCARNA VEM DO ESPAÇO PARA PROGREDIR. INTEREM-SE DOS SEUS DEVERES E PONHA TODO O SEU AMOR PARA APROXIMAR DE DEUS ESSA ALMA, ESTA É A MISSÃO QUE LHES ESTÁ CONFIADA E CUJA RECOMPENSA RECEBERÃO SE FIELMENTE A CUMPRIREM. OS SEUS CUIDADOS E A EDUCAÇÃO QUE LHE DEREM AUXILIARÃO O SEU APERFEIÇOAMENTO E O SEU BEM-ESTAR FUTURO. LEMBREM-SE DE QUE, A CADA PAI E A CADA MÃE, DEUS PERGUNTARÁ: QUE FIZESTES DO FILHO CONFIADO À VOSSA GUARDA?”

Qual será nossa resposta? Este alerta não serve só para as mães, mas para todos os que têm uma criança sob sua responsabilidade.



Rudymara
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 10 de maio de 2012

PERGUNTAS INÚTEIS SOBRE JESUS - Chico Xavier



Certa vez, alguém perguntou a Chico Xavier, sobre o que os Espíritos dizem a respeito da natureza do corpo de Jesus, ele respondeu:



- Jesus é como o Sol num dia de céu azul, e nós somos apenas palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia. O que é importante saber, e discutir, é sobre os seus ensinamentos e sua Vivência Gloriosa.

De fato, a Humanidade tem deixado de lado os Ensinamentos Morais do Cristo, para discutir coisas que em nada nos modifica as disposições interiores. Exemplo: como é a natureza do corpo de Jesus, como Ele conseguiu ficar quarenta dias com os apóstolos, o que foi feito de seu corpo após a ressurreição, qual sua aparência física, etc. Somos ainda pequeninos “palitos de fósforo acesos, à hora do meio-dia”, e distantes nos encontramos de absorvermos todas as verdades contidas no Universo, para nos determos nestas questões que a muitos ainda confundem.
Certamente, vivenciando seus ensinamentos e crescendo em Espírito e Verdade, futuramente teremos condições de apreender todo este conhecimento por processos naturais(...)



(Maria T Compri no livro Evangelho no Lar, capítulo IV)






segunda-feira, 7 de maio de 2012

A CASA DE DEUS É O UNIVERSO


"HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI"  -  disse Jesus

A Casa do Pai é o Universo.
As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito, oferecendo aos Espíritos moradas apropriadas ao seu grau evolutivo.
Os diversos mundos possuem condições muito diferentes uns dos outros, dependerá do grau de evolução dos seus habitantes.
Nos mundos superiores a forma dos corpos é sempre como por toda parte, a humana, mas embelezada, aperfeiçoada e, sobretudo purificada. O corpo nada tem da materialidade terrena e não está sujeito às necessidades, às doenças e às deteriorizações decorrentes do predomínio da matéria. Os sentidos (visão, audição, etc) têm mais percepções. A leveza dos corpos torna a locomoção rápida e fácil. Eles deslizam ao invés de se arrastarem penosamente pelo solo como fazem nos mundos inferiores. 
Há os que são ainda inferiores à Terra, física e moralmente. Outros estão no mesmo grau que o nosso. E outros são mais ou menos superiores, em todos os sentidos.
Embora não possamos classificar os mundos de maneira absoluta, para melhor entendimento, Allan Kardec os dividiu de um modo geral:

MUNDOS PRIMITIVOS: onde se verifica as primeiras encarnações da alma humana; a forma humana não tem beleza; o sentimento é sem delicadeza ou benevolência, sem noção do justo ou injusto; a força bruta é a sua única lei; sem indústrias, sem invenções, dedicam sua vida à conquista de alimentos. Alguns trazem mais aguçado a intuição da existencia de um Ser Supremo. Esse instinto é suficiente para que uns se tornem superiores aos outros, preparando-se para sua evolução.
MUNDOS DE EXPIAÇÃO E PROVAS: em que o mal predomina; mas o mal é uma necessidade para seus habitantes darem valor ao bem, da noite para admirar a luz, da doença para apreciar a saúde. Esses mundos (é o caso da Terra) servem de exílio para os Espíritos rebeldes à lei de Deus. Neles os Espíritos lutam penosamente, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens que convivem com eles e a crueldade da natureza (tsunami, terremoto, maremoto, etc), para que desenvolvam de uma só vez as qualidades do coração e as da inteligência. Mas, não são todos os Espíritos encarnados nestes mundos que se encontram em expiação. As raças que chamamos de selvagens são Espíritos recém saidos da infância evolutiva, portanto, estão ainda educando-se e desenvolvendo-se ao conviver com Espíritos mais avançados. Quando evoluem um pouco, tornam-se raças semicivilizadas, são os que chamamos de raças indígenas, que se desenvolveram pouco a pouco através de longos períodos seculares, conseguindo algumas a atingir a perfeição intelectual dos povos mais esclarecidos. 
MUNDOS DE REGENERAÇÃO:   servem de transição entre os mundos de expiação e os felizes. A alma que se arrepende, neles encontra a paz e o descanso, para continuar expiando (pagando as faltas). Neles não há mais paixões desordenadas que escravizam; não há mais o orgulho que emudece o coração; a inveja que tortura e o ódio que asfixia. Todos se esforçam para seguir as leis divinas. Mas, nesses mundos o homem ainda é falível e o Espírito do mal ainda não perdeu completamente o seu domínio sobre ela. Se ele não estiver firme no caminho do bem, pode cair novamente em mundos de expiação.
MUNDOS FELIZES: onde o bem supera o mal. As relações de povo para povo sempre são amigáveis, jamais são perturbadas pelas ambições de dominação e pelas guerras. Não existem senhores nem escravos nem privilegiados de nascimento; só a superioridade moral e intelectual determina as diferentes condições e confere a supremacia; a autoridade é sempre respeitada porque decorre unicamente do mérito e se exerce sempre com justiça.
MUNDOS CELESTES OU DIVINOS: morada dos Espíritos purificados, onde o Bem reina sem mistura.

O progresso é uma das leis da natureza. Todos os seres da criação, animados e inanimados, estão submetidos a ela, pela bondade de Deus, que deseja que tudo se engrandeça e prospere. Até a destruição, que pode parecer o fim das coisas, é apenas um meio de transformação, a um estado mais perfeito. 
Ao mesmo tempo que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente. Assim evoluem paralelamente os animais (nossos auxiliares), os vegetais, porque nada fica estacionário na natureza.
A Terra esteve material e moralmente num estado inferior ao de hoje, e atingirá, sob esses dois aspectos, um grau mais avançado. Ela chegou a um de seus períodos de transformação, e vai passar de mundo expiatório a mundo regenerador. Então, os homens encontrarão nela a felicidade, porque a lei de Deus a governará.


(Resumo de Rudymara retirado do O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. III)



Observação: Moramos numa Galáxia (conjunto de estrelas)chamada Via Láctea. No Universo há bilhões de Galáxias, se não for trilhões, ou outros “ões” . . . Mas, nesta galáxia (Via Láctea) está situado o Sistema Solar que é constituido pelo Sol e corpos que orbitam ao seu redor, como os 8 planetas (Mercúrio, Venus, Terra, Marte, Jupiter, Saturno, Urano e Netuno).  Em pesquisas atuais, já foram constatados que há mais sóis e mais planetas somente na nossa galáxia.








sexta-feira, 4 de maio de 2012

DOR DE CABEÇA - Chico Xavier


Era uma sexta-feira. Muita gente aglomerava-se em volta de Chico. Ele, de pé, abraçava um, dirigia a palavra a outro. Quando aproximou-se dele uma jovem senhora, reclamando de forte dor de cabeça. Chico a ouviu atentamente e convidou-a a sentar-se na assistência para participar do encontro.
A palestra transcorreu normalmente.
Depois da meia-noite, termina a reunião, a senhora que reclamara da dor de cabeça achegou-se ao médium, com a fisionomia radiante e feliz. A dor de cabeça cessara nos primeiros minutos das tarefas. Chico sorriu docemente, despedindo-se dela com carinho.
Instantes depois, explicou:

- Emmanuel me disse que aquela senhora teve uma discussão muito forte com o marido, chegando quase a ser agredida fisicamente. O marido desejou dar-lhe uma bofetada e não o fez por recato natural. Contudo, agrediu-a vibracionalmente, provocando uma concentração de fluidos deletérios que lhe invadiram o aparelho auditivo, causando a dor de cabeça. Tão logo começou a reunião, Dr. Bezerra colocou a mão sobre sua cabeça e vi sair de dentro de seu ouvido um cordão fluídico escuro, negro, que produzia a dor. Eu estava psicografando mas, orientado por Emmanuel, pude acompanhar todo o fenômeno.


 “O grito de cólera é um raio mortífero, que penetra o círculo de pessoas em que foi pronunciado e aí se demora, indefinidamente, provocan­do moléstias, dificuldades e desgostos.” – Néio Lúcio, psicografia de Chico Xavier

“Quando haja de reclamar isso ou aquilo, espere que as emoções se mostrem pacificadas, um grito de cólera, muitas vezes, tem a força de um punhal.”  - André Luiz, psicografia de Chico Xavier